Vandalismo ou arte?

comboio_vandalismoMarco Faria

Há uma certa tentativa maldosa para deturpar factos, fazendo com que um caso que é aparentemente claro, possa, aos poucos, transformar-se numa nuvem e numa polémica. Um grupo de jovens foi “grafitar” um comboio da CP, no Apeadeiro de Águas Santas-Palmilheira, na Maia. O episódio correu mal, e deu lugar a uma tragédia. Foi há uma semana. É de lamentar a perda de vidas humanas, sempre. Mas, por favor, não queiram fazer do revisor da CP o culpado da situação. Não adianta tentar inverter os papéis. Os jovens que vandalizam com tintas as carruagens em circulação – e eu sempre pensei que o fizessem em máquinas estacionadas durante a noite – conhecem os perigos em que se envolvem. Jovens tão corajosos para pisar carris com milhares de volts mas que se puseram a milhas e apenas se entregaram no conforto de uma esquadra policial em Madrid. Em consciência, sabem que cometeram um erro. E infelizmente foi fatal para três jovens. Mas não foi o pó do extintor que provocou a tragédia, foi sim a impertinência de rapazes que se achavam no direito de pintar e de danificar propriedade alheia. O Ministério Público irá arquivar o processo, obviamente. O revisor actuou de forma equilibrada e ponderada na protecção de interesses superiores (dos passageiros e da carruagem). Se há uma lição a retirar deste caso é que somos demasiado complacentes com estes comportamentos. As autarquias disponibilizam muitas vezes espaços adequados para os “graffiters”. Tenho a noção de que penalizar meramente comportamentos transgressivos pode, na verdade, não resolver nada, mas a criminalização é apenas um sinal de que se alguma coisa correr mal, os envolvidos poderão em teoria ser responsabilizados. Os pais que perderam os filhos têm o direito a constituir-se assistentes. Todos nós temos também o dever de pedir que os tribunais comecem a sancionar estes casos, obrigando, por exemplo, os miúdos a limpar as carruagens com o seu próprio esforço e pagando do seu bolso. Tendemos socialmente a desculpabilizar o “graffiti” como uma brincadeira de miúdos, ou arte de intervenção respeitável. Até ao dia em que alguma coisa corre mal, ou quando nos chega a casa o orçamento de remoção de pirataria decorativa pintada no nosso prédio. Sai-nos do bolso, caramba. Para que casos como este não se repitam, e também para que um certo esterco fértil das redes sociais não ande por aí a virar o bico ao prego e pretenda culpar e perseguir um revisor (e a sua família) que agiu com sensatez, eu tinha de dizer isto.

Comments


  1. Qual arte, qual quê? Num comboio, num prédio ou em qualquer outro local não previsto para “graffiti” é VANDALISMO puro. Se houve uma tragédia, a culpa é unicamente de quem procurava vandalizar e NUNCA do revisor, que apenas procurou impedir esse vandalismo. Infelizmente, é frequente, no nosso país, inverterem-se as culpas. Falta de valores, e falta de rigor na justiça. País dos “brandos costumes” é o que dá! Infelizmente.

  2. Manxa Negra says:

    Toda está situação me faz recordar a do militar da GNR Hugo Germano, que no cumprimento do seu dever e encontrando um assaltante em flagrante, por infelicidade disparou a sua arma, quando o meliante se língua em fuga, matando sem intenção o aluno (filho do assaltante). Resultado indemnização ao assaltante e prisão para o guarda… Espero que aqui não aconteça o mesmo. Pois se as leis em Portugal são escritas por canalhas e bandidos… Quem pensam que elas vão proteger?… Além disso temos uma classe de junta letras pois estes não podem ser chamados de jornalistas, que passam mais tempo a ler o facebook do que a fazer investigação jornalística…