Ainda os submarinos: corrupção – a alma do negócio?

Reportagem de António Cascais para a Televisão Pública Alemã, 28/04/2014

Quem conserta o que Marco António Costa estragou?

MAC

Durante a sua intervenção num recente evento do PSD, Marco António Costa deixou um apelo ao novo governo, para que este “não estrague aquilo que foi feito pelo Governo que o antecedeu“. Desconheço aquilo a que se refere este barão da São Caetano à Lapa, principalmente numa fase em que vários embustes da coligação que governou o país até há uns dias vêm sendo revelados. Conheço, porém, um militante do partido visado que, ironicamente, está há dois anos a tentar consertar a bancarrota que herdou precisamente de Marco António Costa e companhia na CM de Gaia, fazendo desta, a par da CM de Lisboa, a autarquia mais endividada do país. O estrago é tal que a autarquia, actualmente liderada pelo socialista Eduardo Vítor Rodrigues, se vê agora forçada a contrair novos empréstimos para fazer face aos estragos causados pela governação PSD, apesar de ter conseguido uma redução de dívida, a julgar pelos números do JN, na casa dos 108 milhões de euros. Estará o PSD assim tão estragado que não consiga arranjar um porta-voz menos ruinoso?

Foto@Expresso

O New York Times e a falta de perspectiva

New York Times' Quarterly Profits Falls 58 Percent

© Ramin Talaie/Getty Images (http://for.tn/1O6S6ub)

Ficámos a saber, através do Expresso, que um artigo do Expresso chegou ao New York Times (o Expresso não faculta a ligação para o artigo do New York Times, mas faculto eu). Curiosamente, há dias, li no New York Times um artigo em que se citava Bernardo Mello Franco, um colunista da Folha de S. Paulo.

Igualmente curioso é, na última semana, ter sido possível ler, na Folha de S. Paulo, «o tribunal pode examinar a lei em todos os seus aspectos», «o espaço, que inclui recepção, biblioteca», «a falta de perspectiva», «um dos motivos da ruptura» ou «em situações excepcionais” e, no Expresso, “ainda que haja aqui outro aspeto“, «a Deco “divulgou publicamente” a receção», «na perspetiva da sua pré-campanha», «a rutura com a Primavera de Praga» (efectivamente, ‘perpetiva’ e ‘rutura’ no mesmo artigo) e «em situações “excecionais». [Read more…]

Alô ministro, está cá?

Santana Castilho

Quem me tem lido sabe bem como considerava grave que a coligação PSD/CDS pudesse ter consolidado, em novo Governo, o desastre educacional que construiu no anterior. O caminho estava delineado a partir do famigerado “Guião para a Reforma do Estado”: criação de “escolas independentes”, instituição do cheque-ensino e reforço dos contratos de associação. A generalização do ensino vocacional para os marginalizados da vida, a aprovação (à revelia da Constituição) de um novo ordenamento jurídico para o ensino privado, a municipalização da educação (consagrando a predominância da gestão administrativa sobre a pedagógica) e a criação de cursos “inferiores” (sem atribuição de grau académico) no ensino superior politécnico, foram alguns dos instrumentos iniciais, que culminariam com a revisão (então em preparação) da Lei de Bases do Sistema Educativo. A reviravolta política que António Costa protagonizou barrou este caminho, que estava a construir uma escola pública pobre, mínima, para a maioria, e uma escola rica, privada (mas financiada pelos impostos de todos), para alguns. Mas dizer que a legislatura desfavorável a uma escola pública sólida ficou para trás e que se está a iniciar um novo tempo político não chega. Era preciso ter soluções e um plano de acção objectivo, corolário óbvio de problemas identificados e prioridades estabelecidas. E isso não existe. Basta ler o programa de Governo do PS para a Educação, um repositório de meras intenções e de banalidades que, entre outros tópicos vitais ausentes, nada diz sobre a revisão do estatuto do ensino particular e cooperativo, indicia que a municipalização é para continuar, deixa sem referências clarificadoras o financiamento, a gestão das escolas, os “curricula” escolares, os mega-agrupamentos, as metas, as condições de trabalho dos professores e o regime de concursos, designadamente a extinção das BCE. E basta interpretar os primeiros sinais que já foram dados, a saber:
[Read more…]

CRESAP – uma “fraude” do governo Passos / Portas


Ontem numa entrevista do Doutor Joao Bilhim, presidente da CRESAP, ao Jornal da Tarde da RTP, ficamos a saber que as nomeações para altos dirigentes da função pública nem sempre foram transparentes nos últimos quatro anos. Estas afirmações são muito graves porque vêm exactamente do homem que liderou, nos últimos 4 anos, a comissão de recrutamento para a administração pública.

Na mesma entrevista o Doutor João Bilhim disse mesmo que, muitas vezes, ficou incomodado com as escolhas feitas pelo Governo.

E o que fez nesses momentos João Bilhim para travar os ” abusos ” do governo de coligação PSD e CDS liderado por Pedro Passos Coelho? Afinal para que servia a CRESAP?

Perante estas gravíssimas afirmações públicas entendo que o Dr. João Bilhim deverá ser chamado, com a máxima brevidade, à Assembleia da República para elencar as nomeações que o deixaram incomodado, de forma a serem auditadas todas as nomeações feitas pelo anterior governo, e nos casos que tenham sido violadas as respectivas regras deverão ser, de imediato, exonerados todas e todos os nomeados para os altos cargos da administração pública.

É público que sou militante do PSD há quase 25 anos mas depois de ter ouvido ontem as declarações do Doutor João Bilhim tenho a obrigação moral e ética de denunciar esta postura do anterior governo liderado pelo meu partido.

Ilhas do Futuro: Madeira

madeira1

imagem: Arte

Devo penitenciar-me pela minha ignorância quanto à Ilha da Madeira, à qual pouco mais associo do que o patusco Alberto João Jardim, o bailinho, o vinho e o sotaque peculiar da sua gente. Qual não foi o meu espanto ao ver, enquadrado na série documental “Ilhas do Futuro” do programa franco-alemão Arte, o documentário “Madeira – A luta pela água e pela electricidade”, que apresenta a ilha como pioneira em matéria de energia renovável.
Segundo diz, aquilo com que sonham gestores de energia do mundo inteiro tornou-se realidade na ilha da Madeira: foi construído “um enorme reservatório para armazenar energia eólica, possibilitando assim a produção de energia eléctrica de origem renovável, mesmo quando não há vento. Nos próximos anos, a ilha pretende aumentar a produção de energia hídrica, eólica e solar para, já em 2020, cobrir metade do seu consumo de electricidade através de fontes de energia renováveis. Em comparação, a UE planeia, até a 2030, um aumento da produção de energia eléctrica renovável de apenas 27%.” [Read more…]

War is stupid…

A politiquice do costume…

O jogo político não me interessa rigorosamente nada, não simpatizava com o anterior governo que demagogicamente falava em reformas estruturais mas cuja criatividade apenas serviu para aumentar as receitas do Estado à custa dos escravos do costume, através do aumento de impostos. Por isso não votei nas últimas Legislativas. Ainda é cedo para perceber o que nos reserva o actual governo, o momento mais importante será o O.E. 2016, mas alguns sinais não podem deixar o contribuinte tranquilo.

Refém dos partidos à sua esquerda, a reversão da concessão dos transportes públicos de Lisboa e Porto significa manter a coutada do PCP através da CGTP, sua guarda pretoriana, como ficou demonstrado no recente episódio de convocação e desconvocação de greve no Metro de Lisboa. Sem prejuízo de concordar que o processo conduzido pelo anterior governo feito à pressa, deixa muito a desejar, para não adjectivar mais quem já saiu de funções. Na TAP o caso parece ser mais bicudo, mas porque até agora apenas vi retórica da parte do governo, afirmar que pretende manter controlo público sem dizer como o vai fazer, ou anunciar que irá negociar com os accionistas podem ser apenas para inglês (leia-se BE e PCP) ver… Ou um colossal disparate, o futuro o dirá e nessa altura discutiremos. [Read more…]

Afinal ainda se cumprem promessas eleitorais

Salário mínimo sobe para os 530€ a partir de 1 de Janeiro. Qualquer dia temos os contribuintes de alto rendimento a pagar impostos a sério e ainda nos arriscamos e ser um país menos desigual.

Nota única sobre as entrevistas de José Sócrates

Uma coisa que me chocou na entrevista de José Sócrates foi a tal negação relativa à vida de luxo.

Eu não sei se José Sócrates está a dizer a verdade ou não. Parece-me que nunca vamos saber e que este caso, ou casos, estão fadados a ter longas pontas soltas. É óbvio, contudo, que Sócrates foi alvo de uma perseguição por parte de alguns órgãos de comunicação social e que este “escrutínio” não foi aplicado noutros casos como o de Miguel Macedo ou mesmo de Ricardo Salgado.

Apesar destas salvaguardas, o certo é que José Sócrates não consegue disfarçar o seu desfasamento da realidade. José Sócrates acha que ir para Paris com 120 mil Euros num ano e 300 mil e tal noutro é uma situação aparentemente normal, e não uma situação de excepção a que muito pouca gente tem acesso – daí ser um “luxo”. O problema aqui não é só de José Sócrates mas é sintomático de toda uma elite governamental e política que não percebe, nem está interessada em perceber, o real valor do dinheiro e das possibilidades da grande, grande maioria das pessoas.

Brasil e Portugal em mitos

Ainda a Europa estava a uma década da circulação do seu primeiro comboio, já o Brasil tinha uma “oferta turística magnífica”, pelo menos é nisso que acredita Luís Menezes Leitão, a julgar pela sua prédica no jornal i.
Só é pena que não houvesse aviões low cost.

Contribuintes de alto rendimento, ou os pobres que paguem a crise

Excerto do Negócios da Semana onde se entrevistou José Azevedo Pereira, antigo director geral dos impostos. Fala-se da forma como são tratados os chamados “contribuintes de alto rendimento”, aqueles que ganham mais de 5 milhões de euros/ano ou têm património superior a 25 milhões de euros.

JAP: Por via de regra estes contribuintes de alto rendimento representam uma parcela muito significativa do IRS cobrado em países onde a respectiva tributação é levada mais a sério. Eles chegam a representar 20 a 25% da tributação em IRS.

NS: E em Portugal?

JAP: Em Portugal, isto não é, o dado não é algo que Portugal se possa orgulhar, mas não chega a meio por cento.

Fonte: Projecto tretas.org

Banif: o resgate que se segue

Uma pastilha elástica Happydent custa, no café da minha rua, 10 cêntimos. Com o mesmo valor, podia na Segunda-feira ter comprado 166 acções do Banif (0,0006€/unidade) e ainda levava para casa algumas fracções de cêntimo. A queda vertiginosa aconteceu no dia em que a TVI anunciou o encerramento do banco que durante anos financiou o megalómano regime jardinista.

O banco reagiu, desmentindo categoricamente qualquer possibilidade de perdas para depositantes e accionistas, com o CEO Jorge Tomé a vir a terreiro para informar as massas de que o banco se encontra numa situação de “liquidez confortável” (para mais tarde recordar), mas a verdade é que a desvalorização bolsista do Banif é um sinal preocupante que não surgiu agora. Se ontem podíamos adquirir 166 acções pelo preço de uma pastilha elástica, poucas semanas após as Legislativas já era possível trocar um café por 250 (0,0026€/unidade) acções do Banif. [Read more…]

Admirável mundo novo

_86655692_lyingincoffins

Na Coreia do Sul, de acordo com uma reportagem da BBC, algumas empresas propõem aos seus funcionários a simulação do seu próprio funeral. A ideia pretende ser, digamos assim, generosa: ajudar os empregados a gerir o stress provocado por uma sociedade altamente competitiva e com uma das maiores taxas de suicídio do mundo, de modo a reconciliá-los com a vida, torná-los mais equilibrados e… produtivos.

O enredo desta iniciativa assenta num ritual que tem tanto de macabro como de pueril: depois de confrontarem os voluntários com vídeos que realçam a forma positiva como certas pessoas reagem a problemas muito mais graves – pessoas com cancro terminal gozando a última réstia de vida, pessoas sem membros aprendendo a nadar… -, é-lhes pedido que redijam, perante um caixão aberto, uma carta de despedida para os seus entes queridos. Terminada a tarefa, entre soluços, prantos e outras pieguices, são convidados a entrar no féretro, que será encerrado durante 10 minutos, o suficiente para se confrontarem com o sentido da vida.

Afirma um dos adeptos do método, presidente de uma firma de – é isso mesmo – recursos humanos, que “a experiência de entrar num caixão é tão chocante que lhes pode provocar um reset às suas mentes, permitindo-lhes reconfigurar totalmente as suas atitudes”.

[Read more…]