A entrevista de José Sócrates: Pulha ou pulhice?

IMG_3610

Vamos por partes. Desde logo, para início de conversa, penso que quem conhece o que escrevi e escrevo no Aventar (e noutros espaços) há muitos anos certamente saberá que sou insuspeito nesta matéria. Nunca apoiei José Sócrates, fui crítico de boa parte das políticas dos seus governos e fui entusiasta da sua queda em 2011. Posto isto, vamos então falar sobre a entrevista.

Eu não faço a mínima ideia se José Sócrates é culpado ou inocente daquilo que o acusam. Não conheço o processo e, confesso, não sou leitor atento do Correio da Manhã – o que não evita tropeçar com as várias notícias e matérias produzidas pelo CM em relação a este caso em tudo quanto é blogue, programa televisivo e redes sociais. Quando este processo começou nas televisões (e começou nos directos televisivos da sua prisão) cheguei a escrever duas coisas sobre o tema: a arrepiante (negativamente falando) cobertura televisiva do processo nos primeiros dias; o meu espanto ao pensar que um Primeiro-ministro (no caso um “ex”) do meu país podia estar envolvido em semelhante e por isso ter, desde logo, demonstrado algumas reservas e considerar que se devia esperar pelo normal desenrolar do processo em vez de se começar logo a “sentenciar”.

Ontem e hoje fui um daqueles que viu a entrevista com toda a atenção possível, sem reservas mentais nem quanto ao canal nem tão pouco quanto ao jornalista (dos melhores que temos em televisão, na minha opinião). Já quanto ao entrevistado, por muito que não quisesse, existiam as reservas mentais de quem foi um opositor de boa parte das suas políticas e de quem nunca votou nele. Bem pelo contrário.

E o que vi? Vi um homem amargo, ressentido mas focado. Podemos não acreditar em nada do que ele disse? Podemos. Podemos acreditar em tudo o que ele disse? Podemos. Assim sendo, o que concluir?

Que os responsáveis deste processo (Ministério Público, investigadores da PJ, Juiz e demais agentes da justiça envolvidos) devem esclarecimentos a todos os portugueses. Sim, este é um caso especial. Sim, este é um arguido especial. Porra, não se pode fazer de conta que é um cidadão como outro qualquer. Não, não é. É um antigo Primeiro-ministro de Portugal. As acusações que fez, as afirmações que produziu são de uma gravidade tal que, a serem verdade é um escândalo sem precedentes na nossa história e, sem exagero, na história recente das democracias ocidentais. A serem mentira é de tal gravidade que deve ser duplamente julgado: pelo que fez e agora por tudo o que disse sobre a investigação e os julgadores.

Eu, com toda a sinceridade, não faço a mínima ideia se aquilo que Sócrates afirmou na TVI é verdade ou mentira. O que sei é que se for verdade é de uma gravidade tal que não fica pedra sobre pedra no sistema de justiça português. Reparem, a ser verdade, estamos perante agentes da PJ, elementos do Ministério Público e Juízes que violaram todas as regras, todas as normas jurídicas e, ainda mais grave, violaram de forma no mínimo negligente direitos humanos. Não perceber a seriedade do que está em causa é ignorar que estamos perante o mais violento ataque à democracia da nossa história desde Abril de 74. Não é um escândalo, é muito mais do que isso, é verdadeiramente assustador.

Perante aquilo que vi na TVI estamos perante uma de duas situações e não vou ser meigo nas palavras: ou Sócrates é um pulha ou o que lhe fizeram é uma pulhice. E se no primeiro caso é grave por se tratar de um ex-Primeiro -ministro; no segundo caso é bem mais grave por se tratar de um ataque sem precedentes à nossa democracia e ao nosso país.

Perante tudo isto não podem existir silêncios. A Ministra da Justiça, a Procuradora Geral da República, o Ministério Público, o Presidente da República, o Presidente da Assembleia da República e mesmo o Primeiro Ministro em funções não podem ficar em silêncio. É um dever  e um imperativo nacional. Não perceber isto é matar a nossa democracia.

 

Comments

  1. Nightwish says:

    “o meu espanto ao pensar que um Primeiro-ministro (no caso um “ex”) do meu país podia estar envolvido em semelhante ”

    Concordo com tudo, menos com isto, ainda por cima considerando toda a corte cavacal.

  2. José Chorão says:

    A sério que não sabe se o dito cujo é um pulha ou inocente? E o Papa, acha que é católico, islâmico ou hindu?
    Então com todos os indícios fortíssimos, com todos os factos que a investigação aponta, desde Freeport até à casa em que o senhor actualmente vive, ainda tem dúvidas?
    Nada, na vida deste cavalheiro, é claro e honesto. Nada. Tudo está envolvido em corrupção, em compadrios saloios, em lucros ilícitos.
    Observando a sua linguagem corporal, os argumentos que usa, concluo que estamos perante um mentiroso compulsivo. Se estiver sol e alguém lho perguntar, ele dirá que o céu está muito nublado. Apenas porque a verdade o horroriza, prefere a fantasia. Dá-lhe a ilusão de que controla a Realidade.
    Eu não tenho dúvidas nenhumas: Sócrates é culpado de tudo aquilo de que o acusam e de, provavelmente, muito mais que a acusação nem desconfia.
    Trata-se do pior exemplar da classe política que alguma vez desgovernou este desgraçado país.
    E, concordo consigo, a acrescentar à pena que terá de cumprir por tudo o que fez, há a pena pela difamação do sistema judicial que faz agora. Esperemos que a Justiça se não deixe intimidar. E que não restem dúvidas como as suas.

    • Ferpin says:

      Eis a intervenção típica de um home de fé.
      Factos?, bah.
      Presunção de inocência? bah.
      Provas de crime? Bah.

      Os cristãos diziam “a fé te libertará”. Você é mais ” a minha fé te condenará”.

      Já eu, vou aguardar pelas provas a apresentar em tribunal.
      Esperando que existam, pois se não existirem, e a acusação não passar de frases de parceiros seus de fé, a nossa justiça fica ainda mais na merda e a democracia…

      • José Chorão says:

        Eu não vejo as coisas assim. Pelo contrário, acho que fé (uma enoooorme fé) é acreditar que o cavalheiro em causa possa ser inocente.
        Você acredita que haja a mínima possibilidade de o homem ser inocente e tudo isto ter sido “arranjado” contra ele? E no Pai Natal, ainda acredita?

    • Nightwish says:

      É verdade, o homem é um trafulha e mesmo que nunca tenha cometido algum crime é um pulha.
      Daí a dizer que vale tudo para o meter atrás das grades vai uma grande distância, porque se vale tudo então também vale tudo contra quem nem dinheiro tem para um advogado, e já se sabe que a polícia não é nada meiga a fabricar o que lhe apetece.
      Antes um Sócrates livre do que um inocente na cadeia, e, por isso, há regras.

    • mario says:

      A ideia tem sido condenar na praça pública. Há sempre quem queira logo acreditar mesmo sem provas e nem sequer estranhe que as mesmas ainda não tenham sido apresentadas. Espero que um dia nem se sinta acusado sem provas, e então não venha então “chorar”. Quem aceita condenar alguém sem que ainda não tenham sido apresentadas, tem um nome, mas ainda não o vou pronunciar….

      • José Chorão says:

        A sua mãe apresentou-lhe as provas de que você é MESMO filho dela ou você tirou as suas conclusões mesmo sem provas?
        Ou será que se lembra de ter nascido e da pessoa que lá estava?

        • joão lopes says:

          oiça,apresente provas ou então a difamação é crime punivel,portanto onde estão as provas?

          • José Chorão says:

            Você sabe ler português?
            Eu não escrevi em lado nenhum que tenho provas. Eu não difamo ninguém.
            Eu escrevi que, com base nos indícios, tenho a minha opinião pessoal acerca do caso. E os juízes dirão se tenho razão ou não tenho.
            Será que posso ter opiniões ou tenho de lhe pedir, primeiro, autorização a si? E o rabinho lavado com água de rosas, também quer?

          • joão lopes says:

            bem me parecia que este caso foi construido em suposiçoes e boatos…sim,na sua “opinião” que é a mesma do cm,o homem já devia estar preso á 4 anos,certo? leia o cm/tvi e seja feliz…

  3. Rui Moringa says:

    Não sei nem quero saber se é culpado ou inocente. Nunca chegaremos a saber.
    Cada um de nós já formulou uma convicção- deus ou diabo.
    A entrevista em dois tempos é uma peça extraordinária para se perceber o que é um manipulador-sedutor, ou seja, um objeto de estudo para a comunicação social.
    Para mim a entrevista tem um propósito entre outros: Forçar o arquivamento, sabendo que o MP está à rasca com as investigações (os investigadores estou de candeias às avessas).
    Atacou porque sabe que o MP não pode reagir da mesma força.
    Ou seja está a manipular a seu contento.
    Bem, não quero saber das pantominices do Eng.
    Tomara eu ir estudar para Paris com o guito da mamã…
    E ter um amigo que me emprestasse massa a rodos…
    Bem isto não interessa nada…
    Não se apoquente porque saberemos tanto disto (processo) como de lagares de azeite.

  4. doorstep says:

    Concordo com tudo, e permlto-me acrescentar um detalhe: as “finanças” (AT) participam activamente no inquérito, e centenas de milhares de portugueses já provaram o tratamento standard em vigor nessa administração, eivado de prepotência discrecionariedade, brutalidade administrativa. Muito do que o entrevistado contou é vivido por gente anónima todos os dias…
    Repetindo um dos comentadores anteriores, mais vale um socrates em paz (mesmo assumindo que praticou qualquer delito) do que órgãos do estado a funcionarem como tchekas.

  5. michael says:

    uma nota (de quem também nunca votou nele, antes pelo contrário): nao o acusam de nada. nao tem acusacao formada. assim sendo, é tudo muito grave. mesmo que ele seja um pulha (e muitos há que o sao sem quebrar as leis da república), que uma pulhice foi feita nao tenho dúvidas.
    Cumprimentos

  6. Hélder Gonçalves says:

    Não desmontou nenhum!!! Onde tem de desmontar é, no tribunal! Aí não fala só!! Não poderá atacar quem se não pode defender!!! Que diria se agora o M Público se viesse a defender nos mesmos termos??? Não pode e Sócrates, sabendo-o aproveita para baralhar a opinião pública!

  7. Ferpin says:

    PArece-me que o ministério público já falou muito mais do que devia pelo CM.
    Aguardemos o tribunal, pois se não houver provas, nós todos vamos pagar uns milhões ao socras por conta das asneiras ou crimes da nossa justiça.

    Seja o socras seja um qualquer destes fariseus que condenam o socras desde já sem qualquer problema, não quero que ninguém seja preso sem acusação, sem provas ou fortes indícios, e que caso não seja condenado ou mesmo acusado, o juiz em causa possa sair disto com nota de excelente quando devia ir para a cadeia ou No mínimo dos mínimos despedimento.

  8. Pedro says:

    “Onde tem de desmontar é, no tribunal! ”

    Continuamos à espera e ele também… entretanto, quer o Helder avançar com a acusação e o julgamento?

Trackbacks


  1. […] fundo (e sinceramente só visto), Sócrates desmontou um por um todos os argumentos do MP. Desde o dinheiro emprestado, a estadia em França, […]