A muleta laranja do PS

Muleta

Estrela maior do PSD radicalizado e tomado por interesses obscuros, Marco António Costa passou da sombra onde se refugiou durante a campanha eleitoral para a ribalta política e poucos são os dias em que não somos brindados com uma qualquer declaração do homem que conduziu a CM da Gaia à bancarrota absoluta, qual socrático dos quatro costados.

Numa das suas muitas aparições públicas recentes, em entrevista à Renascença a 4 de Novembro, o vice-presidente dos sociais-democratas sublinhou que “o PSD não vai ser muleta de um Governo ilegítimo”. Sendo Marco António Costa uma espécie de porta-voz do partido, é legítimo assumir que tal declaração vinculava, naqueles dias que precediam a moção de rejeição que fez cair o governo de gestão PSD/CDS-PP, a elite dirigente do PSD. Nas ruas, militantes e apoiantes da direita rejubilavam com esta posição de força e o discurso de ruptura disseminava-se pelas redes sociais. Acordos com a esquerdalhada? Nem mortos!

Acontece que, na passada Sexta-feira, e sem conseguir um acordo com os partidos que à sua esquerda suportam o governo minoritário, ainda que longe do registo servil que habitualmente caracteriza a actuação parlamentar dos partidos da central de negócios, os socialistas contaram com os votos favoráveis do PSD para aprovar a redução da CES. Até o CDS-PP, cujo eterno líder deixara o aviso, no dia em que o seu governo caiu, para que os socialistas não viessem “pedir socorro”, aprovou a medida. “Não seremos cúmplices” dizia Portas. E não é que foram?

Hoje poderemos assistir ao repetir da façanha, com BE, PCP e PEV a preparar-se para chumbar o orçamento rectificativo com o qual se pretende alargar o limite da dívida para cobrir a intervenção do Estado no Banif e PSD disposto a aprovar a proposta socialista. E se é verdade que o PSD não tem muito como fugir à aprovação desta medida, essencialmente porque a catástrofe no Banif é sua responsabilidade e porque a tentativa de vender ao eleitorado um discurso moderado lhe afunila o leque de opções, não é menos verdade que, em menos de uma semana, o PSD contraria novamente as palavras de Marco António Costa e será, uma vez mais, a muleta de António Costa quando os partidos à esquerda do PS lhe viraram as costas. Quanto ao CDS-PP, vai ser no mínimo comovente ver os centristas votarem ao lado de BE, PCP e PEV. BFF’s?

Comments

  1. Rui Moringa says:

    João,

    Eles (PS e PSD) sempre se “muletaram” um ao outro.
    Não tenho dúvidas disso. O resto é folhetim para entreter o “pagode” que somos nós.
    A burguesia portuguesa sempre sem entendeu para tramar o povo. Essa burguesia combina os negócios nas lojas da viúva.
    Nas últimas eleições votei à esquerda destes e sinto que valeu a pena. É preciso desmascarar o esbulho do povo, ter planos para sair do euro ou sair mesmo. O facto de não controlarmos a emissão de moeda dá cabo da nossa vida=(capacidade de decisão).
    Não sou marxista-leninista ou de qualquer outra corrente mais à dita esquerda.
    Defender o Povo é ser-se de que lado? E o Povo não é o conjunto dos portugueses e a sua dinâmica social?
    Então porque alguns abocanham quase tudo (riqueza) em prejuízo dos restantes? Pensar assim é ser-se de que lado?
    Confesso que algumas dicotomias não fazem nenhum sentido para a vida real e só servem para a propaganda.

    • Ausente52 says:

      “Eles (PS e PSD) sempre se “muletaram” um ao outro.
      Não tenho dúvidas disso. O resto é folhetim para entreter o “pagode” que somos nós.”
      100% de acordo.

  2. tancredo says:

    Muletas laranja? Será produto made in china? Qual é a muleta esquerda e qual é a muleta direita? O utilizador que se ponha a pau, está numa situação de contingência e esta é o contrário da necessidade.

    Se a aparência revelasse a essência, bastava olhar para saber quem montou as armadilhas a quem, qual a sua motivação. Das muletas ficava a saber a proveniência, a qualidade do produto e quiçá, quão doloroso terá sido conseguir angariar o necessariamente bastante para trazê-las a si. Até mesmo, quem foi o pedinte da quermesse e quem foram os doadores.
    .
    As muletas ajustam-se ás circunstâncias,
    .

  3. JgMenos says:

    A Europa aterrada com a alternativa de esquerda cede à voz de Costa e ‘a bem ou a mal’ …manda resolver.


  4. Felizmente que o PSD tem dirigentes que vivem a politica duma forma europeia e não como uma central de ódio, muito defendida por certas gentes que vivem a vida publica como o campeonato de desporto.Graças a gente como P.Coelhos, estamos a começar a deixar de ser grunhos; vai demorar tempo até aos tudologos de serviço, deixarem de precisar desse ingrediente para fazer bons posts.


    • Vivem a política de uma forma europeia? Que bela anedota de Natal oh Cristo. O timing para chumbar o PEC IV (antes que recorra à narrativa, não quero com isto dizer que o dito PEC seria salvação para o que quer que fosse) foi muito europeu. Centrais de ódio? QUer falar sobre a campanha eleitoral do PàF e respectivos tropas nas redes sociais a destilar ódio 24 horas por dia? Ganhe juízo.