Serei o único

a crer que Paulo Morais já mete nojo? Todos já sabemos que Portugal é um país cheio de corrupção. Que a corrupção começa nas altas esferas do Estado. Que as sociedades de advogados metem gente no parlamento a anuir publicamente todos os contratos por elas\eles celebrados com os privados para lesar o estado. Que os governos estão minados de gente inserida pelos grupos de pressão maçónicos da alta finança, da elite empresarial deste país. Paulo Morais engoliu uma cassete e anda há anos a bater na mesma tecla. Nunca acreditei muito nos movimentos sociais deste país porque todos tem um objectivo subliminar que é o de rapidamente se constituirem como força política. Raramente vemos um movimento social em Portugal cujo objectivo seja apenas pugnar pela execução política (de fora para dentro) das suas ideias. Não acredito também nos papagaios que são constantemente chamados a papagear nas televisões. Sede de protagonismo é quase sempre a tónica que os move.

O que é que Morais irá resolver se for eleito presidente da República? Nada. Não irá resolver nada porque os esquemas só podem ser resolvidos pela lei. Pela legislação, competência do parlamento e pela sua execução, competência dos tribunais e as pessoas que governam só poderão ser despejadas para o olho da rua pelo povo, o único soberano capaz de alterar a ordem política de uma Nação.

Morais ainda não se apercebeu que o presidente da República é uma figura de bombo na ordem política nacional. Cavaco foi o único que fez excepção porque tentou até ao último instante proteger os seus delfins políticos.E mesmo assim foi durante 10 anos, um bombo. O que Morais quer, sei eu há muitos anos. Morais é uma espécie de Marinho e Pinto. Diz o que todo o povo gosta de ouvir para caçar votos e subir na nomenklatura política. Um dia mais tarde, tudo o que disse no passado será comparado com tudo o que disser no presente. Aí, todos os que o apoiam ficarão desiludidos como ficaram com Marinho e Pinto. A incoerência será a raínha da queda deste tipo de falsos puritanos porque já o ditado diz, com toda a assertividade, que cão que ladra não morde.

De mal o menos prefiro portanto, nestas presidenciais, Marisa Matias. O meu colega de blog Antonio de Almeida chama-lhe “soundbytes” – eu chamo-lhe coerência. Se há candidatos coerentes nesta gingajoga, esses candidatos são Henrique Neto e Marisa Matias. O primeiro porque é um homem do povo que subiu a pulso na vida à custa de muitos calos nas suas mãos, tornou-se Homem e tem uma visão de futuro para o país. A segunda, pelos mesmos motivos e pela coerência que sempre demonstrou nos actos civicos e políticos em que participou, batalhando imenso pelo que sempre acreditou. A presidência da República precisa de uma pessoa determinada e de mente aberta, capaz de dialogar com todas as facções em contenda, de forma a conseguir gerar finalmente algum ordem neste país de incompetentes.

O resto dos candidatos, perdõem-me o termo, são papagaios. Pelo meio temos um papagaio cujo passado tem ligações muito perigosas à linha dura do fascismo, apesar desse facto ser muitas vezes ignorado pela comunicação social.

Comments


  1. Inteiramente de acordo. Apesar de Paulo Morais ter o mérito de falar de coisas que poucos se atrevem a falar…só que…é isso mesmo, a razão por de trás de esse esbracejar de discurso moralizador é a notoriedade. Mais um Fernando Nobre? Não obrigado.


    • Se não é, não anda muito longe de o ser. Agradece-se o discurso mas sinceramente não é preciso porque quem tem dois, vê.

  2. Nightwish says:

    “Raramente vemos um movimento social em Portugal cujo objectivo seja apenas pugnar pela execução política (de fora para dentro) das suas ideias. ”
    Sabe porquê? Porque isso é um conto de crianças, sem acção política nunca se vai mudar nada.

  3. José Chorão says:

    Tem razão quanto a Paulo Morais. Seria outro Fernando Nobre se o deixassem ser.
    Mas pior que Paulo Morais é esse sujeito Paulo Vieira Silva que o Aventar convidou a rabiscar (que os erros de português são mais que muitos).
    É um sujeito conflituoso, que insulta tudo e todos, goza com os comentadores do blogue, ofende a torto e a direito e apaga os comentários (democracia???) que não lhe agradam.
    Mas quem é esse sujeitinho? O que o faz homem? Ter denunciado outro corrupto do norte? E denunciou porquê? Porque é um ser superior ou porque quer protagonismo à custa do outro?
    Agora diz que é um “Homem Especial”. Se o ridículo pagasse imposto, só à custa dele o país saía da crise…

    • Paulo Vieira da Silva says:

      Oh Chorão eu sei que estão a fazer tudo para me silenciar. O medo é muito. Eu sei porque sei do que falo. Fui eu que fiz a denúncia. O desespero é tanto que agora até comentam os textos dos meus companheiros de blogue para cobardemente me atacarem. Agora são os erros ortográficos. Enumere então os erros que fala? Tenho que chegar à conclusão que sou mesmo uma pessoa muito importante para dedicar o seu precioso tempo a comentar este ” sujeitinho “, ” conflituoso ” e ” ridículo “. Já reparou nas contradições em que entra apenas para atingir a minha honorabilidade e idoneidade? Será que pensa que os leitores do Aventar ainda não perceberam porque você e outros cobardes se tornaram clientes habituais aqui do sítio? Mais sempre que é abordado o meu nome num comentário o número de likes dispara. Todos já perceberam que esta é uma campanha ” ad hominem ” levada a efeito por covardes, como Vexa, que se servem da internet para estes fins. Triste a vossa vida e a figura triste a que se prestam para mostrar serviço ao ” patrão “.

      • José Chorão says:

        Ó “cavalheiro”, eu não sou quem você, nos seus delírios, imagina.
        E não, não tenho o seu tempo livre, por isso não vou perder tempo a ensinar-lhe a escrever na língua portuguesa; você é que parece ter muito tempo para contar likes; é lá consigo.
        Eu quero lá saber das suas manias da perseguição para alguma coisa. Apenas o acho um sujeito chato como o catano. Medo de si? Não me faça rir, tenho cá um medo de si que nem durmo à noite a pensar nisso. Não seja parvo, homem, veja se se enxerga e vá lá ser o “Homem Especial” no seu reinozinho ridículo de faz-de-conta e seja muito feliz.

    • Rui Moringa says:

      Ó senhor José Chorão,
      Discordo completamente do seu comentário.
      Não conheço, pessoalmente as pessoas que menciona, nomeadamente o Dr. Paulo Vieira Silva.
      É uma obrigação cívica denunciar o que está irregular, o que indicia crime.
      Critica uma pessoa porque escreve com erros. São erros ortográficos ou de conjugação semântica?!
      Sabe, todos aqueles que escrevem estão sujeitos a escrever com erros ortográficos ou de semântica. Quem não escreve não dá erros.
      Era sua obrigação mencionar os erros de escrita do Dr. Paulo Vieira Silva. Quanto aos meus esteja à vontade.
      Conheço pessoas que cometem erros de português, mesmo o falado.
      O senhora ataca que denúncia! Então se se sente incomodado com isso é porque convive bem com a trapaça.
      Divirta-se….

      • José Chorão says:

        Ainda bem que discorda. Eu preocupar-me-ia se estivessemos de acordo.
        Obrigado por não estar.

  4. Joao says:

    ainda assim prefiro um papagaio que denuncie a corrupção do que um papagaio ou papagaia que não denuncie nada.
    e vocé?

  5. Rui Moringa says:

    “eu não sou quem você, nos seus delírios, imagina”.
    Então é quem?!!
    É um contador de “contar likes”?
    Contar likes!!!
    Ele há cada um!!!
    Ó homem porque perde tempo com os comentários há escrita do Dr. Paulo V. Silva?
    Vá de retro…

    • Rui Moringa says:

      Olhe, olhe, deu um erro há em vez de à.

      • Eu avento says:

        Vá de retro ??
        Mas isto agora é um blog sexual ? Ó meus amigozezezeze ..

        Ruizinho, é vade retro, menino.
        O latim que eu gasto com isto.
        (grande lata de quem aponta erros aos outros … )


  6. José Chorão,

    Sinceramente não quis responder ao seu primeiro comentário porque, apesar de estar sempre a criticar o meu colega nos seus posts, pensei que a crítica, num post meu seria um acto isolado que não passaria disso mesmo. Resolvi portanto guardar uma intervenção se voltasse a mencionar o nome do meu colega.
    Vamos fazer o seguinte daqui para a frente. Se voltar a críticar a pessoa do meu colega nos meus posts daqui em diante, irei eliminar automaticamente os seus comentários ou de qualquer outro comentador que o fizer. Não gosto e nunca gostei de ver a minha barra de comentários transformada num cavalo de batalha de diatribes que não me dizem respeito e que em nada abonam à discussão do que acima escrevo. Quando vier por bem, ou seja, quando vier para comentar, para explanar o seu raciocínio e para discordar das minhas opiniões, será muito bem vindo. Você e qualquer outro comentador. Quando vier exclusivamente para provocar escândalo sobre algo que não tenha a ver com o tema do meu post, será eliminado.

    • José Chorão says:

      João Branco:
      a ideia não era, nem nunca foi, ofender ninguém.
      Vejamos: você diz que o Paulo Morais lhe mete nojo. Tudo bem, é a sua opinião e é legítima. Você pode ofender quem quiser, eu é que não posso. Chama-se a isso democracia. Ou não.
      Eu, no uso da minha livre opinião, pretendi apenas estabelecer um paralelo entre Paulo Morais e Paulo V.Silva, um dos autores deste blogue e que, na minha opinião, não é melhor que o primeiro.
      Você pode discordar, claro. Mas esta é a minha opinião e mantenho-a. Não gosto de gente que pretende “fazer nome” à custa de denunciar outros. Você, pelos vistos, também não. Pelo menos era o que afirmava no seu post. Ora eu tentei participar nesse debate. Mas se quiser apagar os meus comentários, apague à sua vontade. Apesar de se tornar muito difícil, tenho a certeza de que conseguirei sobreviver ao enorme desgosto. Sim, devo conseguir.


      • José Chorão, espero que nos entendemos de vez para passar ao campo dos argumentos, leal e ordeiro.

        Em momento algum da minha lavra, vê um ataque ad-hominem feito a quem quer que seja tentando de qualquer forma caluniá-lo ou provocar dolo na sua vida pessoal. No aventar, garanto-lhe que me verá sempre a pegar em factos palpáveis, susceptíveis de sustentarem as minhas afirmações.
        Volto a escrever: o Paulo não é chamado a este post para nada. O Paulo não é o autor deste post, o Paulo não é o mentor deste blog e até à data do seu comentário, o Paulo não tinha comentado este post ou qualquer post que tenha escrito no Aventar. A minha ligação ao Paulo é tão forte como a ligação entre Gregos e Islandeses. Não nos conhecemos, não somos vizinhos, não andámos juntos na mesma escola, nem tão pouco comemos a namorada um do outro aos 18 anos. Não conheço o Paulo de lado algum e não respondo pelo que o Paulo escreve neste blog. Não admito é, por outro lado, que a “minha casa” seja palco de quezílias que a mim pouco ou nada me dizem respeito, apesar de ter considerado correcto aquilo que o Paulo denunciou porque as evidências são mais que muitas naquele caso concreto.
        No entanto, o Paulo melhor que ninguém será o responsável pelos seus actos assim como eu sou responsável pelos meus e você o é pelos seus.
        Agradeço portanto que em caso de ataque nos meus posts, façam-no a mim. Cá estarei para vos auxiliar a compreender tudo o que escrevi e a minha linha de raciocínio. Insultos gratuitos em casa alheia, não.
        A democracia, caso não saiba, também nos garante o direito e o dever de não querer publicar quando as liberdades individuais de cada um são ultrapassadas da forma mais abjecta possível como foi o seu caso ou o caso de um comentador que veio aqui comentar de forma mais vil.
        Espero portanto que da próxima vez que venha comentar, faça-o de acordo com as regras da mais saudável convivência entre nós, não colocando novamente o Paulo ao barulho em seara alheia.

        • José Chorão says:

          “Serei o único a crer que Paulo Morais já mete nojo? ”
          +
          “Em momento algum da minha lavra, vê um ataque ad-hominem feito a quem quer que seja tentando de qualquer forma caluniá-lo ou provocar dolo na sua vida pessoal” João Branco
          ————-
          João Branco: peço-lhe humildes desculpas pela minha burrice; eu não tinha entendido que dizer que alguém nos mete nojo é um são e largo elogio. Que quer? é a minha ignorância.
          Você diz que não ataca ninguém e que eu é que vim atacar na sua caixa de comentários.
          Não se preocupe, não voltarei a comentar (nem a ler) nenhum dos seus posts. Pode continuar a praticar a sua coerência descansadinho da Silva.


          • Não entendo essa frase como um insulto pessoal a Paulo Morais porque não tenho nada contra a sua pessoa mas sim contra a sua opinião. A opinião de Paulo Morais “mete-me nojo” ou seja provoca-me repulsa. É a qualificação da opinião. Em nada o quis assaltar ao nível pessoal.
            Faça como entender.


  7. Comentário de Rui Pedro Soares eliminado. Não irei tolerar mais insultos contra os meus colegas de blog nos meus comentários. Chega.

  8. O Homem Especial Silva é um filho dum corno, que apaga comentários says:

    Vou lançar um abaixo assinado para promover o Homem Especial, Paulo Vieira da Silva, a futuro candidato.
    Ele tem 4 anos para aprender a escrever e a deixar de censurar comentários qui no Aventar.