Como destruir a narrativa do lobby do ensino privado


Cartoon via Escola Portuguesa

No momento em que o poderoso lobby dos colégios privados volta à carga, apoiado, como é habitual, pelo previsível enviesamento no tratamento jornalístico de uma imprensa que não consegue disfarçar o facto de ter tomado as dores de uma das partes, importa recordar a forma categórica como o professor Santana Castilho literalmente destruiu a propaganda vigente. Santana Castilho, que está longe de ser um yes man da actual solução governativa, coloca os pontos nos i’s, esmaga a narrativa do lobby do ensino privado e ainda tem tempo de envergonhar a falecida ETV. A luta neoliberal pelo financiamento público do sector privado da Educação segue dentro de momentos.

via Uma Página Numa Rede Social

Comments

  1. Rui Naldinho says:

    O ensino primário e secundário, na escola privada, para os nossos filhos, parte de uma escolha. O universitário também, mas já tem outras premissas, que são o número de vagas em cada estabelecimento, em função da nota final de 12. Ano.
    É no entanto uma opção livre, que assenta em alguns pressupostos. Algumas vezes com preconceitos à mistura. Outras por elitismo. Outras por razões de segurança. Podemos evocar mil razões e mil desculpas:
    “Não quero que o meu filho frequente o ensino público porque não o acho suficientemente exigente, criterioso e selectivo.” “Não quero que o meu filho frequente aquela escola especifica, por ter más referências dela”.
    “Aquela escola está inserida num bairro problemático, e como tal, não coloco lá os meus filhos”.
    Aceito como válidas todas essas razões, mas então, que o ensino dos seus filhos, sejam pagas pelo próprio, e nunca com recurso a financiamento estatal.
    A direita està-se a marimbar para a qualidade do ensino privado versus público. Isso é uma falácia.
    O que a direita pretende, mas não tem coragem de afirmar, é pura e simplesmente colocar os professores do ensino público, a ganhar o mesmo que os do ensino privado, e de preferência com os mesmos direitos, que basicamente são nenhuns.
    Se a direita está tão preocupada com a qualidade do nosso ensino, sendo o privado assim tão bom, obrigue então os colégios privados a pagar os ordenados pela mesma tabela do público, e a dar-lhes os mesmos direitos, que têm os professores do ensino público.
    É o dàs!!

    • JgMenos says:

      Conclui pelo essencial que há de ideológico no ensino público: ignorar as opções dos cidadãos e dirigir os recursos que deles o Estado obtem pelos impostos para criar uma classe de dependentes do Estado, priveligiada e cara.
      A verdadeira política do’ camarada dirigente’ é tão só isso mesmo!
      E vejo que lhe agrada!

  2. JgMenos says:

    Define a questão como ideológica…
    ‘…que os nossos impostos paguem prioritariamente aquilo que é prioritário’.
    Extraordinário! Brilhante! Um génio!
    Contas nenhumas.
    Viva a Mama Pública!

  3. Só os burros e os comprometidos com o sistema, não entendem o que está em jogo.

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s