Pânico, disse o Correio da Manhã

No passado Domingo, dei comigo a espetar-me de frente com esta chocante machete do Correio da Manhã: durante 55 minutos, entre as 21:40h e as 22:35h, hora a que foi publicada a peça, uma falha na rede multibanco impossibilitou levantamentos e pagamentos com cartão. Pânico, disse o Correio da Manhã. Pânico, pois claro! Toda a gente de bem sabe que 55 minutos sem multibanco equivale a um país paralisado, mergulhado no caos absoluto. Inevitavelmente, fiquei logo cheio de medo.

Na falta de florestas a arder, que tantos euros rendem ao sensacionalismo imbecil, o Correio da Manhã precisava de uma polémica. Foi a falha no multibanco, poderia perfeitamente ter sido um surto ervas daninhas em Vila Real de Santo António. Porque o jornalismo do Correio da Manhã é isto: exagero, manipulação, mentira e instrumentalização das emoções mais primárias de quem ainda perde tempo a ler essa anedota jornalística. E Portugal adora este jornalismo de esgoto, não é mesmo?

Comments

  1. JgMenos says:

    Se estivesse numa bomba de gasolina…

    • Paulo Marques says:

      O menos ficava regadinho, não se preocupe.

      • ZE LOPES says:

        O Menos refere-se ao bar das bombas. Já viu o que é estar a meio de uma garrafa de tinto e faltar o multibanco? Compreensivelmente o Menos entrava em pânico! Não é caso para Menos!

    • ZE LOPES says:

      Deixaram de aceitar notas nas bombas? Ao que isto chegou! Só com uma bomba!

  2. JgMenos says:

    Alguma dúvida que sem multibanco … mas nada como o maior incêndio na Europa.


  3. Parangonas.
    Muito bem explicado em “The Shipping News”:

    Ou como dizia o outro:

    “O drama. A tragédia. O horror.”

  4. Paulo Marques says:

    E ainda nos querem vender a estória da economia sem notas e moedas…

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.