Pânico, disse o Correio da Manhã

No passado Domingo, dei comigo a espetar-me de frente com esta chocante machete do Correio da Manhã: durante 55 minutos, entre as 21:40h e as 22:35h, hora a que foi publicada a peça, uma falha na rede multibanco impossibilitou levantamentos e pagamentos com cartão. Pânico, disse o Correio da Manhã. Pânico, pois claro! Toda a gente de bem sabe que 55 minutos sem multibanco equivale a um país paralisado, mergulhado no caos absoluto. Inevitavelmente, fiquei logo cheio de medo.

Na falta de florestas a arder, que tantos euros rendem ao sensacionalismo imbecil, o Correio da Manhã precisava de uma polémica. Foi a falha no multibanco, poderia perfeitamente ter sido um surto ervas daninhas em Vila Real de Santo António. Porque o jornalismo do Correio da Manhã é isto: exagero, manipulação, mentira e instrumentalização das emoções mais primárias de quem ainda perde tempo a ler essa anedota jornalística. E Portugal adora este jornalismo de esgoto, não é mesmo?

Já estou na fila

vez

para ser ouvido.

O pânico está instalado na PàF

foto@sol

foto@sol

A PàF está em pânico. É suficiente ter visto a cara com que Pedro Passos Coelho e Portas sairam da reunião com António Costa e estar atento ao nervosismo e aos comentários, nas últimas horas, que correm nas redes sociais dos indefectíveis apoiantes da coligação PSD / CDS.

Vamos falar a sério e sermos intelectualmente honestos.

Os discursos ” revanchistas ” de alguns dirigentes do PSD e CDS na noite de 4 de Outubro não ajudaram nada.

No dia seguinte Cavaco ajudou à festa ignorando os partidos com representação parlamentar falando apenas com Pedro Passos Coelho.

A partir desse momento António Costa inteligentemente, apesar de ter perdido as eleições, passou a liderar, com base no erro político do presidente da República, o processo de formação de um governo assente numa maioria parlamentar.

Infelizmente para quem, como eu, votou e confiava em Pedro Passos Coelho é esta a história dos últimos 10 dias.

Em regra as histórias têm um final feliz, mas temo que esta tenha um desfecho infeliz para Passos Coelho.

Ataque de pânico no Aventar

Um ataque de pânico é uma coisa lixada, ia dizer reles, porque um gajo não tem nada e parece que tem tudo que vai morrer.

Aconteceu comigo há anos, tinha um médico que trabalhava comigo só para eu olhar para ele e aguentar o ataque. Dizia, porra, este gajo não me deixa morrer, sabe as técnicas da reanimação, se for preciso está aqui ao pé. Isto dava-me uma segurança tremenda, embora nunca tivesse necessitado dos seus serviços. Trabalhava no piso de baixo, mas enquanto não o vi no gabinete ao lado não descansei. Havia também lá uma médica, que era um borracho de todo o tamanho mas nas condições em que eu andava, olhem, é caso para dizer que se o “casting” que a Carla Romualdo sugere para os actores fosse admitido eu nunca entraria em filme algum, mas ela ( a médica) entraria nos filmes todos. Injustiças!

Isto tudo para dizer que a tecnologia de informação, imagem, transmissão de dados e tudo o mais não substitui o olhar, o conhecer as pessoas,  o “falar” do corpo, tudo isso nos pode levar a conclusões e a ideias que, não sendo erradas são, no mínimo, precipitadas. O Aventar teve um ataque de pânico e logo uns procuraram causas, outros médicos e outros ainda desataram a distribuir “malha”. A verdade é que eu fui, em pessoa, falar com os profissionais da Esotérica, e o ataque de pânico acabou aí. Foi possível falar como pessoas crescidas e encontrar uma solução de compromisso.

Eu por mim já dispensei o médico!