Síndrome do sobrevivente – a culpa de continuar a existir

Alguns amigos discordam do tom cáustico que muitos de nós têm usado na crítica à cobertura televisiva da tragédia de Pedrogão Grande. Por mim, admito que algumas das abordagens que aqui tenho feito têm sido algo duras, já que considero esta questão fundamental, e de um alcance que está longe de se limitar a estes eventos. Nesse sentido, julgo, até, ter sido contido. Para além de a maioria dos repórteres fazer um trabalho de manipulação das consciências na mais grosseira linha tablóide – enquanto nos estúdios se trata das tarefas de manipulação mais tecnicamente política – quase todos jogam um jogo muito perigoso ao insistir em remexer nas emoções e feridas emocionais das vítimas com, por vezes, o entusiasmo de um torturador. [Read more…]

As notícias e as coisas

As notícias das sarjetas televisivas centraram-se, sobretudo, na busca dos lugares onde não havia bombeiros. “Está aqui o corpo de uma mulher”, zurra uma, “então os bombeiros não lhe ligam nada, não vem cá nenhum?”, relincha outro, “a culpa foi dos bombeiros?”, grunhe outro, “não acha que o primeiro ministro é que devia estar aqui? e o presidente?”, ladra o seguinte. Vamos ligar aos estúdios. Lá, além dos cachorros de regaço habituais, que destilam as segregações opinativas do costume, falam – raras – pessoas que ganharam a legitimidade de quem há muito propõe soluções pertinentes. Volta ao terreno.

Parece que há centenas de bombeiros no terreno, pelo que é cada vez mais difícil aos repórteres encontrar sítios onde não estejam bombeiros, para poderem proclamar que não estão lá bombeiros, sim, onde estão os bombeiros? “A senhora não se sente abandonada?”, guincha o do microfone.

Começam a passar imagens de arquivo, repetindo cenas já dadas e baralhando completamente a percepção da linha temporal dos acontecimentos. Continua a não haver bombeiros. Ouvem-se “personalidades”. Mas não havia bombeiros em lado nenhum, pelo que se pode concluir que os repórteres é que são o heróis destes acontecimentos. Pois se não há imagens de bombeiros em acção, só há sítios onde não há bombeiros… [Read more…]

O inigmático Correio da Manhã

A Correio da Manha TV é tão singular, que, pelos vistos, tem o seu próprio acordo ortográfico. Isso e um gosto sádico-sensacionalista por recuperar temas como o da menina raptada no século passado.

Boicote ao Correio da Manhã

CMH

Via Os Truques da Imprensa Portuguesa, onde vale também a pena ver o video que acompanha o texto em baixo.

O Correio da Manhã ultrapassa todos os limites nos métodos que usa para obter mais audiências. Nos últimos tempos, transmitiu imagens aéreas do funeral de uma criança e ontem, perante os atentados de Nice, passou em loop vídeos com mortos.

Com esta agenda, o Correio da Manhã e o CMTV fazem um boicote à decência. Talvez esteja na hora da decência fazer também um boicote ao Correio da Manhã e CMTV. Mas seria absurdo sugerir à comunidade dos Truques que deixasse de os ver ou deixasse de os ler. Felizmente, em 99% dos casos, não partilhamos os públicos.

Propomos, em alternativa, que sempre que virem aquele famoso microfone vermelho, se dirijam a ele e digam: “É para a CMTV? Então não vou falar…” Podem experimentar formulações diferentes com o mesmo sentido. Acreditem: vai ser divertido!

É fundamental que todos partilhem esta iniciativa para fazê-la chegar o mais longe possível.
É para a CMTV? Então não vou falar…

Imagem via As minhas insónias em carvão

Lixo jornalístico II

CM

Estamos a alertar os cidadãos dos EUA para o risco de possíveis ataques terroristas em toda a Europa, visando grandes eventos, pontos turísticos, restaurantes, centros comerciais e meios de transporte”, pode ler-se no comunicado do governo norte-americano, citado pelo site Independent.

O drama, a tragédia, o horror. Tenham medo, tenham muito medo…

Lixo jornalístico

Doces

O ministro da Saúde quer acabar com a venda de doces e salgados nos hospitais. O Correio da Manhã chama-lhe cortes, que fica sempre melhor e tem aquele odor a austeridade que ajuda à propaganda. Mas o pior, oh heresia, é que o vilão como chocolates. Porque tem tudo a ver. Hoje os hospitais, amanhã o estalinismo absoluto contra a liberdade de escolha alimentar dos portugueses. O drama, o horror, a tragédia. Já imaginaram o sacrilégio que seria um ministro da Saúde fumador que ousasse implementar medidas antitabágicas mais apertadas? Portugal não aguentaria. [Read more…]

Golpe de manchete

professores_campanha

Olha para isto, pá! Olha-me só para este título do Diário de Notícias! Os alunos, ali, prontos para terem aulas, se calhar sentados na sala e tudo, e os professores, esses malandros, vão-se embora, pá, e deixam os miúdos sem aulas! Isto é uma vergonha, é o que é! E para fazer campanha, imagina! Com um bocado de jeito, ainda vão fazer campanha por algum partido que não devem. E isto dos políticos são todos iguais, ainda são piores que os professores. Um professor político deve ser lindo, deve! É que devem estar tanto na campanha como nas aulas. Ler o quê? Ler a notícia? Estás parvo ou quê? Mas então tu achas que iam pôr um título destes, que se está mesmo a ver que estão a chamar malandros aos profes, e iam escrever uma notícia ao contrário? Isto é escrito por jornalistas, amigo! Se não fossem eles, estas coisas não passavam cá para fora. Chulos do caraças, pá! Vou já ligar ao meu puto, a dizer-lhe que não vá para as aulas, que vá mas é para a campanha, pode ser que aprenda qualquer coisa.

A lama há-de engolir-nos

Não deve ter chegado a cinco minutos a “reportagem” (algum nome haverá que dar-lhe) a que assisti na Correio da Manhã TV. Quando passo por lá é em zapping acelerado, não vá salpicar-me naquele lamaçal interminável, mas desta vez, e suponho que seria porque era tarde e eu estava exausta e sem sono, deixei-me ficar a olhar. A notícia contava que uma mulher fora assassinada, outra ficara em estado crítico, ambas muito jovens. O homicida confesso, já detido, era o ex-namorado de uma delas. Depois de várias imagens dos familiares das vítimas lavados em lágrimas à porta do hospital, o “repórter” (algum nome haverá que dar-lhe) levou-nos a conhecer a mãe do homicida.

Uma mulher assustada, envelhecida, que respondia às perguntas como se estivesse a ser interrogada pela polícia, sem saber que não tinha porque fazê-lo. Abriu as portas de casa para que a filmassem. Pobre casa, de paredes de pedra, escasso mobiliário. Sobre um móvel, algumas garrafas de vinho, nas quais a câmara se detém com minúcia e malevolência. Este repórter quer deixar clara a sua mensagem. Não lhe chega acossar uma mulher assustada, é necessário que devassemos a sua intimidade e que o país lhe veja os pobres trastes e as garrafas de vinho. Vejam, ela bebe. Ou ela, ou o homicida, ou ambos. [Read more…]

O Jornalismo e o sensacionalismo – 2

A discussão é interessante e o diagnóstico não se esgota nas visões representadas por estes dois artigos. Nem pode, talvez, ser desligada da discussão sobre o declínio de outros “campos” próximos do jornalismo, como sejam a política tal como é hoje praticada. Diria que jornalismo e política, outrora pilares essenciais da democracia, estão hoje em crise e com eles  também a democracia  está em criseEstrela Serrano

Obviamente, a discussão não se esgota nestas duas premissas apresentadas tanto por mim como pelo Nuno Ramos de Almeida. Aproveitando para agradecer a Estrela Serrano tanto a citação como o contributo para a análise do tema.

Eu não afirmo, taxativamente, que o declínio do jornalismo deriva da força da internet. Considero, isso sim, que uma parte dos seus consumidores se limitou a migrar de plataforma, se assim se pode dizer. E concordo, quando Estrela Serrano coloca mais um problema em cima da mesa: o declínio do jornalismo não pode ser analisado esquecendo o declínio de campos “conexos” e exemplificado pela autora com a política. Eu diria, perdoem-me o atrevimento, que existe mesmo uma relação directa.

[Read more…]

O Jornalismo e o sensacionalismo

O Nuno Ramos de Almeida, no i, escreveu um artigo sobre o jornalismo que muito agradou a dois velhos amigos meus. Foram eles os culpados por eu ter ido ler e, indirectamente, causadores de eu ter de escrever a discordar (nas conclusões) com o Nuno Ramos de Almeida – o que me custa, confesso.

Vou começar pelo fim. O Nuno Ramos de Almeida (NRA) recorda a tiragem do “Diário de Notícias” e de “O Século” nos inícios do século XX (100 mil exemplares/dia cada um) e compara com a realidade actual afirmando que não foram eles, os leitores, que desapareceram mas, “os jornais, a comunicação social e os jornalistas que não estão a cumprir devidamente o seu papel de informar com qualidade. O que fazem não serve“. O NRA aqui ignorou, olimpicamente, a realidade. Ou seja, os jornais no início do século XX não concorriam com a internet, as redes sociais, a televisão, etc.

[Read more…]

Há poucos jornais excelentes em Portugal

A arte de criar títulos jornalísticos não é fácil, já se sabe: obriga a manter o equilíbrio entre o rigor e a criatividade, entre a honestidade e a sedução, ingredientes que, ao mesmo tempo, possam informar e atrair o leitor.

No i de hoje, sem acesso à edição online até ao momento, a primeira página tem um título apelativo: “Avaliação. Há poucos professores excelentes nas escolas”. Depois de seis anos de reclamação e vociferação, não deixaria de ser escandaloso que, afinal, se descobrisse que a excelência docente era diminuta. Mesmo sem estar terminado o processo da chamada avaliação de professores, o i parece já possuir todos os dados que lhe permitem fazer uma afirmação destas na primeira página.

O Paulo Guinote já comentou. Mesmo correndo o risco de o repetir, convém relembrar que a imposição de quotas obriga a que o número de professores considerados excelentes seja sempre diminuto. Por outro lado, com um método de avaliação mal concebido, ser considerado excelente pode ser diferente de ser excelente. Para além disso, muitos professores excelentes recusaram-se a participar numa avaliação que não o é. Conclui-se daqui que continuaremos sem saber se há muitos ou poucos professores excelentes, a não ser nos títulos dos jornais sensacionalistas produzidos por quem não quer pensar e lidos por quem fica, afinal, impedido de pensar.

A Educação continua a ser um tema maltratado e mal tratado, com muitos ignorantes atrevidos que opinam sobretudo sobre o que não sabem, alguns deles erigidos em directores de jornais. Entretanto, todos os que trabalham nas escolas continuam a mitigar, com dificuldades cada vez maiores, os efeitos nefastos que as asneiras governativas e a ignorância jornalística têm sobre o sistema educativo.

Cama, crime e jóias

A manchete de hoje do Jornal de Notícias é mais um monumento em memória do jornalismo, tendo em conta que se trata uma actividade já extinta, substituída que foi pelo sensacionalismo. Note-se, a propósito, que as eleições regionais da Madeira merecem apenas um quadradinho lateral, não conseguindo sequer competir com o regresso apoteótico de um padre a Vouzela, uma semana depois de aí ter sido apupado. [Read more…]

Correio da Manhã pode transformar-se num jornal de referência

Todos os dias se confirma o que foi escrito aqui. Numa deriva perigosíssima, o próprio Correio da Manhã põe em manchete um assunto importante, arriscando-se a perder quota de mercado e fazendo lembrar o Jornal de Notícias de outros tempos. Face à crise e aos problemas sociais, o JN garante vendas ao misturar “orgias sexuais” com “José Castelo-Branco” Que podemos esperar desta luta entre titãs da comunicação social? Voltarão, um dia, à senda do jornalismo? Não perca o próximo episódio.

Crime passional, jornalismo e analfabetismo

Ana Cristina Pereira escreveu no Público uma peça sobre um clássico crime passional (marido corneado mata mulher e amante e tenta o suicídio), com a particularidade de ter ocorrido num Portugal rural que por vezes achamos já não existir.

O texto não tem sangue, não tem pormenores mórbidos, não é do Correio da Manha que para já tem disponível online uma foto nojenta e um vídeo abaixo de cão. Está bem escrito, como é de resto habitual no trabalho da jornalista.

Assim não o entenderam vários comentadores: “Esta notícia parece ter sido copiada de um site estrangeiro e traduzida com Google!” é um dos mimos que por ali se podem ler.

Temo que isto já sejam efeitos de se ter em muito abandonado o estudo da literatura nas escolas. E de pelo contrário se leccionarem idiotices sobre o texto jornalístico, tal como se usava muito atrás no século passado (entre as quais o mito do parágrafo lead, essa velha muleta para textos coxos).

Por alguma razão o campeão dos tablóides é mais lido que o Público. É a vida.