Xi Jinping, o bem-amado

Foto: Reuters/ Thomas Peter

O presidente da China veio visitar Portugal, a convite do presidente Marcelo Rebelo de Sousa. A ideia por trás – e mesmo pela frente – da prosa: promover deals. Colocar sectores estratégicos, como a energia, nas mãos do estado mais poderoso do mundo, de regime ditatorial, com um presidente que diligenciou, num pseudoparlamento, a emenda da constituição chinesa para se tornar presidente vitalício? No problem. Investimento é a palavra de ordem. Banca, seguros, saúde, aviação, transportes (olha a CP que tanto precisa, coitadinha)? Tudo à escolha em Portugal, baratinho, é aproveitar. Dependência? Qual o quê!

Questionado se a iniciativa chinesa de investimento em infraestruturas “Uma Faixa, Uma Rota” “podia atravessar Portugal” num dos seus “principais portos”, diz Marcelo: “É possível que durante a visita do Presidente Xi a Portugal se venha a assinar o memorando de entendimento sobre este assunto? É. „Estamos a negociar, estamos a trabalhar nisso. Portanto, é possível“, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa.

Fixe, até o Presidente da República se encarrega pessoalmente dos negócios, em Portugal.

Mas está tudo óptimo, desde que haja touradas para os Portugueses.

P.S. – E futebol, claro.

Comments

  1. Ernesto Martins Vaz Ribeiro says:

    Marcelo, aos poucos, fará Portugal um poderoso bastião do Comunismo.
    Uma nova página de glória e inovação se abre para Portugal.
    Quero ver os fascistas deste país – e eles são muitos – a chamar comuna ao presidente das selfies e do “blá-blá”…

  2. Ana A. says:

    Qualquer mudam-nos o nome (e não só) para Nova Macau.

  3. Luís Lavoura says:

    o estado mais poderoso do mundo, de regime ditatorial, com um presidente que diligenciou, num pseudoparlamento, a emenda da constituição chinesa para se tornar presidente vitalício

    Portugal não tem nada que se imiscuir na política interna de outros países. A China tem o seu regime peculiar, mas Portugal não tem nada que meter o bedelho nesse assunto.

    Qualquer cidadão português tem o direito de pensar e dizer mal do regime chinês. Portugal enquanto país não o deve fazer.

    A China ser um país muito poderoso é coisa que deve preocupar Portugal e sobre a qual Portugal deve tomar precauções. Já o facto de o regime chinês ser ditatorial é coisa com a qual Portugal não tem nada a ver.

    • Ana Moreno says:

      Pois não, Luís Lavoura, principalmente colocando-se na sua dependência, que é do que fala o post. Portugal, aliás, nem tem nada que ter soberania, isso é um luxo pré-globalização. Deals, deals, deals, até parece o outro. Mas é assim que vamos cantando e rindo para o precipício. Chin-chin!


  4. Estamos a vender os dedos ao diabo. E ele vai tomar-nos a alma.


  5. Estimados/as subscritoras/es do Aventar !Olhem bem para o nosso país e vejam a caca de que somos feitos.

    1º Vieram os espanhóis (1580) e puseram o cu no trono de portugal durante 60 anitos…
    2º Vieram os ingleses para nos “ajudarem” e roubaram tudo o que puderam,,, e quiseram!
    3º Vieram as invasões francesas e estes comeram, beberam, fornicaram as nossas garinas (algumas até gostaram) que ainda hoje na minha parvalheira ainda há famílias descendentes de franceses…
    4º Seguidamente vieram os ingleses outra vez e até os territórios do mapa cor de Rosa nos roubaram.
    5º Chegados aqui, veio o “botas” mais o seu amigo do bigodinho quadrado e passamos a colaborar com o manfio.
    6º Depois chegamos à “abençoada” CEE com muitos milhões para o Tuga comprar casa, carro e ir de férias para Quarteira e para as Caraíbas. Agora andamos com 2 milhões de Tugas na miséria e outros 2 milhões em risco de lá chegarem. Pedindo é claro muita comida nos Supermercados para dar uns esparguetes à malta que não tem nada onde ferrar o dente… (?)

    Então, se vamos agora para às mãos dos chineses qual é o problema ?

    Para já entregamos a EDP, algum ou outro banco e o que adiante se verá.
    Depois de tudo isto e dos governantes de merda que sempre tivemos, queixam-se de quê ??

  6. caledonia says:

    O Presidente em visita oficial a uma das colónias…

  7. JgMenos says:

    Que pruridos!!!
    Então?
    Se é preciso repartir, consumir, reduzir as desigualdades, desdenhar da iniciativa privada e ameaçar os seus capitais, enfim, ser plenamente abrilesco, para quem há-de ficar o investimento e a recuperação dos activos em prolongada agonia?

    Venham os chineses sustentar as políticas geringonças.

    • Paulo Marques says:

      Vem a epitome capitalista da iniciativa privada, pois claro! Que ignora toda a ideologia económica do menos e apareceu a mando do querido líder, mas isso não interessa nada.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.