Dói-dói, senhor deputado?

Não há tragédia neste país sem que o aproveitamento político dê o ar da sua graça. Hélder Amaral tem razão nas questões que levanta, mas faz uma péssima figura quando afirma que “não basta um Presidente da República dar beijinhos no dói-dói, e dizer que não há nada a fazer“. Não só porque não é o momento para que um representante eleito se dedique a guerras de propaganda com conteúdos brejeiros, mas também porque Marcelo teve pelo menos a dignidade de se deslocar aos locais afectados pelas chamas, o que não sendo mais do que a sua obrigação, não deixa de ser revelador da nova era que se vive em Belém. [Read more…]

Marcelo pede ao Brasil para “fazer o melhor possível” nas Confederações

«Marcelo pede à seleção para “fazer o melhor possível” nas Confederações». Exactamente.

Frase do dia (de ontem)

Por uma vez, não pensou mal” (Marcelo Rebelo de Sousa, sobre o elogio de Schaüble a Mário Centeno)

Faz hoje um ano…

Rui Naldinho


Que muitos de nós, já estávamos a contar as horas para vermos sair pela “porta dos fundos” do palácio de Belém, o mais polémico Presidente da República da democracia portuguesa. E não digo o pior, porque esse julgamento será sempre feito pela História e não por um qualquer escriba armado em dono da verdade, que se queira substituir a ela. O enfadado Aníbal Cavaco Silva acabava assim o seu estágio remunerado de político não profissional, depois de vinte e dois anos a bulir em prol do Regime.

O ar que respiramos desde esse dia, parece ter ficado mais Aventar(ado), despoluído, fruto da (des)crispação introduzida na atmosfera politica pelos dons afectuosos do professor Marcelo Rebelo de Sousa. [Read more…]

A insustentável extraordinariedade do milagroso défice geringonço

mrstc

Teodora Cardoso afirmou que o facto do défice se ter fixado nos 2,1%, “ate certo ponto”, foi um “milagre”, e que o resultado foi obtido através de medidas extraordinárias que não são sustentáveis. E talvez tenha razão. Eu, depois de ver no que deu a Geringonça condenada à nascença, deixei de ter certezas. Tantas profecias da desgraça não podiam estar erradas. Só que estavam.

Claro que eu, ao contrário da Dra. Cardoso, não percebo nada de economia e finanças. What do I know? And yet, não preciso de um curso na Business School da moda para perceber que medidas extraordinárias insustentáveis foram o prato do dia no tempo da Caranguejola, como o foram de todas as caranguejolas que a antecederam. Fossem o património público que o ex-primeiro não ia vender “como quem vende os anéis para ir buscar dinheiro”, fossem os cortes e os brutais aumentos de impostos, o défice de Passos e Portas, como o dos seus antecessores, nunca cumpriu a meta europeia. Aliás, governo algum conseguiu um défice mais baixo que os 2,1% da Geringonça. E não faltaram medidas extraordinárias insustentáveis nos últimos 20 ou 30 anos.  [Read more…]

Estão todos demitidos. Vamos para Eleições.

Está demitido Mário Centeno, Ministro das Finanças de Portugal, o melhor da nossa democracia, por andar a negociar a presidência da Caixa Geral de Depósitos por e-mail e SMS, prometendo aquilo que não pode dar, por ser ilegal, e por, afinal, não ter dito a verdade sobre o que realmente prometeu ao banqueiro.

Está demitido António Costa, Primeiro-Ministro de Portugal, o melhor da nossa democracia, por ter dado cobertura formal ao erro do seu Ministro das Finanças, o melhor da nossa democracia, emitindo um comunicado oficial no qual reafirma a lisura do comportamento do Governo e do seu Ministro, facto que não corresponde totalmente à verdade.

Está demitido o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, por ter diligenciado, junto do vice-presidente de um Banco concorrente da CGD, António Lobo Xavier, a obtenção dos registos de comunicações privadas entre o Ministro das Finanças e o gestor cuja contratação para o Banco Público estava a ser negociada. Isto sem o conhecimento quer de Mário Centeno, quer de António Costa, o Primeiro-Ministro em funções.

Está demitido o Conselheiro de Estado António Lobo Xavier por, objectivamente, se ter colocado numa situação de intolerável conflito de interesses, imiscuindo-se em assunto interno de um Banco Público, concorrente do Banco BPI do qual o próprio é vice-presidente e a quem aproveita a fragilidade da CGD, enquanto actuava investido em três funções distintas e só compatíveis num país que perdeu totalmente a noção da realidade: comentador televisivo, banqueiro e Conselheiro de Estado.

Uma vez que estão todos demitidos, precisamos de eleições legislativas antecipadas.

Levar governos ao colo era exclusivo do Cavaco? 


Habituem-se. Já agora, lembram-se do chinfrim sobre sentido de estado? Pois.

Verdade absoluta

PSD está mal habituado pelos anos de Cavaco no poder” – Miguel Sousa Tavares

Careful what you wish for, PSD

psd

via PSD@Pinterest

Quem não se lembra da heróica cavalgada eleitoral de Marcelo, o homem que vinha para salvar a direita órfã dos abusos da Geringonça e que, qual Cavaco, boicotaria a usurpação parlamentar da esquerda? Pois, esse Marcelo já lá vai. Ou talvez não tenha sequer chegado a aparecer. Ou, melhor ainda, está a fazer o seu número político para que, no dia em que tal se tornar necessário e vantajoso, possa tirar o tapete ao governo e afirmar que está acima de críticas porque colaborou enquanto pôde. Cenas para ver nos próximos episódios. Por enquanto, pelo menos para o segmento recém-radicalizado da direita parlamentar, o presidente que o PSD desejou eleger é cada vez mais um alvo a abater. Um vilão chamado Marcelo Rebelo de Sousa. [Read more…]

Um vilão chamado Marcelo

O ex-presidente do PSD, atualmente comentador politico, Marcelo Rebelo de Sousa, durante a sua intervencao na Univesidade de Verao do PSD. Castelo de Vide, 28 de agosto de 2012. NUNO VEIGA/LUSA PUB: 29/08/2012

Ele era o último grande herói da direita refém do radicalismo passista, ainda que, ironicamente, só o próprio Passos se tivesse atrevido a pôr em causa as qualidades do grande catavento. Foi levado em ombros a Belém pela direita, pela selva liberal e pela imprensa, que lhe garantiu mais espaço mediático que à soma de todos os seus opositores. Chegou, viu, venceu, e os órfãos da Pàf, feridos por essa estranha forma de estalinismo, também conhecida por democracia representativa, decretaram o início do fim dos acordos à esquerda. A contra-revolução estava em curso. [Read more…]

Contatos e horários

© Ronaldo Schemidt/AFP/Getty Images (http://bit.ly/2jYOF1w)

Chomsky made a clear claim – recursion is fundamental to having language. And my paper did in fact present a counterexample. Recursion cannot be fundamental to language if there are languages without it, even just one language without

Daniel Everett

If some tribe were found in which everyone wears a black patch over one eye, it would have no bearing on the study of binocular vision in the human visual system. [1]

In contrast, descriptive generalizations should be expected to have exceptions, because many factors enter into the observed phenomena. Discovery of such exceptions is often a valuable stimulus for scientific research. [2]

— Noam Chomsky [1] [2]

***

dre1812017

Recentemente, pelos vistos, António Costa esperou, “sereno”, «por palavra de Marcelo». Curioso, eu também. Mas foi há muito mais tempo.

Agora, quanto ao tema em epígrafe, [Read more…]

Ao cuidado do país governado por bloquistas e comunistas

marcelo

Estamos a terminar um ano caracterizado por uma procura de serenidade, diálogo e apaziguamento, fundamentais para o rigor financeiro e estabilidade social, sem a qual não há estabilidade financeira e política. O objetivo? Aumentar a esperança dos portugueses.

Marcelo Rebelo de Sousa, antigo catavento de opiniões erráticas, actual Presidente da República de Portugal.

Foto: Gerardo Santos/Global Imagens@Diário de Notícias

Ensaio sobre os centrais

rodolfo-reis

O Luisão escorrega, não é? No golo. Toda a gente pode escorregar. Escorregou. Escorregou. Quer-se dizer, estes centrais já estão um bocado ó tio, ó tio!

— Rodolfo Reis, 4/12/2016

Le fait que l’acte de porter une lettre à la poste est un comportement différent de celui de se promener dans la rue est dû à l’objet-but de l’acte.

Joseph Nuttin

 

***

Efectivamente, Fevereiro, mas direto. Sim, estamos em Dezembro de 2016 e já terá havido tempo para a consolidação dos conhecimentos obtidos durante as acções de formação anunciadas, onde provavelmente até terão sido proferidas barbaridades como «se disser Egito escreve sem ‘p’, mas se disser Egipto escreve com ‘p’». Aliás, recordemos que a grande divisão da doutrina era entre «não mais que 15 minutos» e «basta uma meia hora».

dre9122016a

O desastre prossegue, imparável. Imparável? Nem por isso. Temos sempre [Read more…]

The Ultimate Genuflection Compilation

compilacao

Juridicamente não chega, Marcelo

A CPLP não pode pactuar com mais ditaduras. O regime Dos Santos chega e sobra.

«La nouvelle orthographe figurera au cœur des discussions officielles»?

Não? Ah! OK: «les domaines de la formation et de la recherche», «les thèmes économiques et internationaux», «la politique européenne»… Oh!

Marcelo Rebelo de Sousa, o infiel, e os trogloditas

mrs

Em novo video de propaganda do Daesh, ou de um tolinho qualquer que gosta de brincar aos grunhos fundamentalistas, Marcelo Rebelo de Sousa – o infiel – surge a condecorar o rei de Marrocos – o muçulmano sem vergonha. Com este conteúdo, presume-se que os trogloditas pretendam mostrar a outros trogloditas que os jovens trogloditas são bem formados, bem preparados e com uma “moral superior à dos jovens dos países árabes e islâmicos “corruptos”. Isto apesar dos seus carros ocidentais, das suas armas ocidentais, das suas drogas ocidentais ou dos seus infames e imorais relógios ocidentais, que fazem Maomé corar de vergonha alheia com tanto troglodita imbecil e desmiolado. E ainda há trogloditas, com acesso à informação, que abandonam este país para combater as guerras destes charlatões. Ainda bem que nasci infiel. Antes infiel do que troglodita.

Foto@Público

À espera de Marcelo Rebelo de Sousa

O candidato à Presidência da República, Marcelo Rebelo de Sousa durante um encontro com atletas paralímpicos, esta manhã no Estádio Universitário de Lisboa, 21 de dezembro de 2015. INÁCIO ROSA/LUSA

© INÁCIO ROSA/LUSA (http://bit.ly/2dDfE4R)

Waiting, waiting, waiting, waiting
Waiting, waiting, waiting, waiting

— The Doors, “Waiting for the Sun

ESTRAGON: Do you see anything coming?

VLADIMIR: (turning his head). What?

ESTRAGON: (louder). Do you see anything coming?

VLADIMIR: No.

ESTRAGON: Nor I.

— Samuel Beckett, “Waiting for Godot” (“À espera de Godot“/”Esperando Godot“)

Reina o silencio que falla,

Bafeja a doce frescura.

— A. Gonçalves Dias,  “Gulnare e Mustapha'” (“Sextilhas de Frei Antão“) (*)

***

Há alguns meses, soubemos que Marcelo Rebelo de Sousa decidira reabrir o debate sobre o AO90. Desde então, o silêncio tem presidido. Felizmente, no caso de Miró, o poder político foi exemplar (embora, como portuense, continue a achar que o Batalha teria sido a melhor solução: adiante). Todavia, no caso do AO90, isto parece que não vai lá nem com eleitos, nem com nomeados por eleitos: só mesmo com eleitores, ou seja, com Iniciativa Legislativa de Cidadãos pela revogação do AO90 e com Iniciativa de Referendo.

Se ainda não assinou, assine. Sim, as duas: a Iniciativa Legislativa de Cidadãos pela revogação do AO90 e a Iniciativa de Referendo. Porque as coisas continuam a correr mal e, para chegar a esta conclusão, basta prestar um mínimo de atenção à realidade. Efectivamente. Um mínimo de atenção. É sabido, desde Schelling, segundo Gadamer (p. 82): «Die Angst vor dem Nichts treibt die Kreaturen heraus aus ihrem Zentrum». De facto: “Die Angst des Lebens selbst treibt den Menschen aus dem Centrum [, in das er erschaffen worden]”. De facto, sim. Exactamente. Enfim, hoje, no sítio do costume.

dre3102016

***

(*) Recomendo a leitura do excelente texto de Sant’anna Martins “O experimentalismo linguístico de Gonçalves Dias“.

“Uma televisão vende tudo – tanto um Presidente da República como um sabonete.” Ou uma agenda escondida.

A SIC manipulou o vídeo de uma reportagem para parecer que um postal de correio que Marcelo estava a enviar a Costa custava a entrar na caixa de correio. Uma espécie de mensagem escondida para responder ao que o Presidente da República acabava de dizer: “Para o Sr. Primeiro-Ministro, vamos lá ver se entra mais fácil ou não…” Por acaso entrou mais fácil, mas a SIC mostrou outra coisa. A RTP prova-o.

Este truque foi descoberto pelos incansáveis da página “Os truques da imprensa portuguesa“.

Está a a SIC a estagiar para ser tornar na Globlo portuguesa? Emídio Rangel, quando era director da SIC, chegou a afirmar que “uma televisão vende tudo – tanto um Presidente da República como um sabonete.” Um presidente ou uma agenda escondida, poderia, aparentemente, Rangel ter dito.

O abraço do Presidente

img_4188

Há quem afirme conhecer pessoalmente o Presidente da República e assegure que o seu Abraço ao homem em sofrimento foi genuíno, porque Marcelo Rebelo de Sousa é mesmo assim, fraterno, espontâneo, empático.
Não duvido.
O problema não está no Abraço. Está em fotografá-lo.

Marques Mendes elogia António Costa

MM

No seu espaço de spin na SIC, o barão do PSD afastou o cenário de crise política artificialmente criado pela direita parlamentar e elogiou António Costa pela forma como conduziu a polémica questão das sanções. Marques Mendes destaca aquilo que considera ser uma “tripla vitória”: em primeiro lugar, o facto de estar definitivamente afastado o cenário de sanções, não havendo sequer, na sua opinião, danos de reputação para o país. Em segundo lugar, o facto da Comissão Europeia ter “suavizado” a meta do défice imposta ao nosso país, que longe dos habituais 3%, passou da exigência dos 2,2% para os 2,5%. Em terceiro e último lugar, Marques Mendes destaca o facto dos custos da recapitalização da Caixa não entrarem nas contas do défice para o ano corrente. Uma “tripla vitória” de António Costa, partilhada, no entendimento do comentador, com Marcelo Rebelo de Sousa, que elogia o entendimento constante e coerente entre os dois governantes: [Read more…]

A verdade dos fatos: exactamente, dos fatos

renato e quaresma

Foto Olimpik/NurPhoto via Getty Images (http://bit.ly/29dJeqz)

Après avoir assumé quatre mises à mort par l’élimination dramatique de ses camarades, après avoir manqué trois estocades, il réussit pleinement la quatrième et nous lui dûmes ce spectacle : le taureau, l’épée enfoncée jusqu’à la garde, traversa lentement toute la piste afin d’aller se coucher et mourir près de la barrière.

— Jean Cocteau, “La corrida du 1er mai

Quoi que je fasse, elle est toujours là, cette pensée infernale, comme un spectre de plomb à mes côtés, seule et jalouse, chassant toute distraction, face à face avec moi misérable, et me secouant de ses deux mains de glace quand je veux détourner la tête ou fermer les yeux. Elle se glisse sous toutes les formes où mon esprit voudrait la fuir, se mêle comme un refrain horrible à toutes les paroles qu’on m’adresse, se colle avec moi aux grilles hideuses de mon cachot ; m’obsède éveillé, épie mon sommeil convulsif, et reparaît dans mes rêves sous la forme d’un couteau.

— Victor Hugo, “Le Dernier Jour d’un condamné

***

Ao contrário daquilo que publicações portuguesas têm andado a insinuar («nunca neste Euro a seleção dominou os seus adversários nos cinco encontros que disputou»), a revista Le Point deu opiniões ortograficamente exemplares:

Car jamais dans cet Euro la Selecção n’a dominé ses adversaires lors des cinq rencontres qu’il lui a été donné de disputer.

La Selecção a subi le jeu et les assauts croates pendant 117 minutes jusqu’à ce but de Ricardo Quaresma d’une cruauté sans nom.

Exactamente: Selecção.

selecção

Quanto àquilo que costuma acontecer no sítio do costume [Read more…]

Pergunta ao Prof. Marcelo

Quanto tempo necessita um presidente da República de aparecer e falar (quase) ininterruptamente para que se deixe de fazer-lhe caso?

Os motivos dos fatos

amadeo3

Amadeo de Souza-Cardoso, Caricatura de Emmérico Nunes (1909)(http://bit.ly/1sHl6FW)

Chacun, là-haut, sait mieux que le matador ce qu’il conviendrait de faire en bas. En outre, comme chez tous les publics, la critique prouve l’intelligence et l’enthousiasme se verse au compte de la crédulité, de la naïveté, de la bêtise.

— Jean Cocteau, “La corrida du 1er mai

Lembra-me um sonho lindo, quase acabado
Lembra-me um céu aberto, outro fechado
Estala-me a veia em sangue, estrangulada
Estoira no peito um grito, à desfilada

Fausto Bordalo Dias

***

Os leitores do Aventar conhecerão certamente a seguinte afirmação de Santana Lopes:

Agora ‘facto’ é igual a fato (de roupa).

Não será, contudo, todavia ou até mesmo porventura, o caso do jornalista que entrevistou o autor desta afirmação, ainda por cima, produzida em artigo escrito para o jornal em que a entrevista foi publicada. Efectivamente, uma vez que na entrevista nenhures se vislumbra qualquer referência à afirmação de Santana Lopes, o autor terá perdido, [Read more…]

Apontamento sobre o 10 de Junho

marcelo 10 junho 2016

Imagem: Presidência

Desejando ser entendida por quem me lê, começo por declarar que não passo cheques em branco a políticos, sejam eles governantes ou presidentes de República, porque já não tenho idade para acreditar no Pai Natal. Posto isto, vamos ao que me traz.

E o que hoje me traz é dizer que achei uma boa ideia a maneira como, neste ano inquieto de 2016, se celebrou o Dia de Portugal com a parada militar no Terreiro do Paço para depois se brindar à Pátria junto da comunidade portuguesa de França, lado a lado com o presidente do país que acolheu esse mais dum milhão de portugueses. Ambas as cerimónias tiveram grande dignidade e aprumo.

[Read more…]

Lixo Jornalístico IV: a realidade paralela do jornal I

LJIV

Para enorme tristeza de significativa parte do eleitorado que conduziu Marcelo Rebelo de Sousa a Belém, a convivência entre o Presidente da República e o actual governo parece reflectir uma certa harmonia, o que deverá sempre ser relativizado porque o futuro é incerto e nada nos garante que não chegue o dia em que Marcelo acabará por tirar o tapete a António Costa. Até ver, é legítimo dizer que o presidente tem colaborado com o governo na defesa do interesse nacional.

Porém, e apesar do optimismo manifestado por Marcelo, nomeadamente no que diz respeito aos números do défice (onde até espetou uma alfinetada no seu amigo Passos Coelho) e da execução orçamental, o jornal I parece discordar de algo aparentemente unânime para a restante imprensa nacional, tendo inclusive publicado a capa que podemos ver em cima, onde se pode ler que o presidente não confia nas contas do governo. Palavras para quê, é o jornal de António Ribeiro Ferreira.

Fotomontagem@Os Truques da Imprensa Portuguesa

O Presidente da República

O comportamento do Presidente da República vai mudar quando atingir o seu primeiro objectivo estratégico: mudar a liderança do PSD.

Arranjem-lhes um quarto, pá!

Marcelo e Costa, os novos best friends forever

Heresias de um catavento

será que assusta os mercados?

O carreto contra balanço e o correto balanço

Je n’ignore pas combien il est malpropre de parler de soi, et quel blâme on s’attire. Mais, en parlant de moi, ce n’est pas de moi que je parle.

— Jean Cocteau, Démarche d’un poète (introduction, édition et notes par David Gullentops), Paris, Éditions Grasset & Fasquelle,  2013, p. 103

***

Algures, no Facebook (sim, está na moda), Maltez refere-se a “correto balanço“. Curiosamente, até hoje, em português europeu, só encontrara “carreto contra balanço”.

carreto contra balanço__a

Exactamente: carreto contra balanço. Correto balanço, em português europeu? Não conhecia.

No mesmo texto, Maltez escreve: «desenha a respetiva estratégia de autoridade». Efectivamente, respetiva/respectiva. Sim, isso já conhecia.