A fotografia e os interesses de negócio de António Costa

Para sair bem na fotografia, António Costa diz assim:

Claro que a prioridade climática só interessa na medida em que não colida com o negócio, sendo metida na gaveta quando se trata de empurrar a todo o vapor e contra amplos protestos da sociedade civil um acordo de comércio livre (UE-Mercosul) que promove a desflorestação na Floresta Amazónica e no Cerrado, a expansão das monoculturas e pecuária intensiva à custa da destruição de ecossistemas naturais, a utilização maciça de pesticidas e a perda da biodiversidade, para além de pactuar com um presidente negacionista das alterações climáticas e sem escrúpulos em expropriar e violar os direitos dos povos indígenas.

Não saberá António Costa que, nos dois anos como presidente, Bolsonaro já vendeu 20.000 km2 de floresta tropical às companhias petrolíferas e de gás e que em 2020 a área desflorestada aumentou 10%, para mais de 11 mil quilómetros quadrados, ou seja, cerca de um nono da área de Portugal perdida em apenas um ano? Não saberá António Costa que o acordo vai agravar as alterações climáticas e perpetuar um modelo insustentável de negócio?

E tudo isto para trazer carne, soja e etanol para a Europa e vender carros e químicos aos 4 países do Mercosul (Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai)??? Ou talvez azeite?

Sr. Primeiro Ministro, basta de hipocrisia, dê ouvidos aos portugueses: segundo resultados de um recente inquérito em 12 países europeus, 85% dos portugueses concordam que o processo de ratificação deve cessar enquanto não parar a desflorestação da Amazónia.

E não nos queira deitar areia para os olhos com um anexo interpretativo, como aconteceu no caso do acordo EU-Canadá (CETA), que não vale o papel em que foi escrito, pois nada nele é vinculativo, “com dentes”, à altura do próprio acordo.

Ser campeão do Clima tem consequências e não são só as boas oportunidades de negócio das renováveis…

https://vimeo.com/454069419

P.S.- Petição Pública contra o acordo UE-Mercosul

Comments

  1. Filipe Bastos says:

    Claro que tem razão, Ana (atenção ao ‘massiça’), mas o Bosta sabe disso e de muito mais: para o Partido da Sucata, o clima sempre foi um mero pretexto para sacar e mamar.

    Após o regabofe do 44 e das renováveis para encher o Mamão Mexia, não viu a Ana a mais recente desbunda da EDP – a venda das barragens, validada por este governo?

    Num país semi-decente, a negociata mandava abaixo o ministro e talvez o governo; no que temos, todos assobiam para o ar e o FDP do Bosta, como sempre, passa entre os pingos da chuva.

    Com esta hipocrisia e saque cá, acha que se importa com o Brasil?

  2. Paulo Marques says:

    E saberá Costa que a desflorestação e ocupação de território selvagem tem boa probabilidade de aumentar a transmissão de vírus e bactérias entre espécies?

  3. João Mendes says:

    Obrigado, Ana 🙂

Trackbacks


  1. […] A fotografia e os interesses de negócio de António Costa […]

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.