Willkommen!

Sejam bem-vindos, ó profissionais de saúde alemães.

Antes de mais, pedimos desculpa pelo facto de se saber primeiro na Alemanha que vocês vinham para cá ajudar, sem que aqui se soubesse ainda.

É que isto sem a pandemia já era um pandemónio, com a bronca de um ucraniano a morrer às mãos do SEF, um Presidente a fazer striptease em campanha por uma vacina que depois não houve, uma candidatura martelada ao lugar de Procurador da União Europeia, entre outras cenas tipo.

E aquela coisa do Cavani não ter vindo para o Benfica, também não ajudou nada.

Enfim, tem sido só scheisse.

Mas, como podem ver, tivemos o cuidado de vos colocar num hospital privado.

O que não é para qualquer um.

Olhem que nesta terra, recorrer aos privados só mesmo depois de esgotar o parque automóvel das ambulâncias às portas das nossas urgências.

E, também, porque há sempre comunicação social e sociedade civil a meterem nojo.

Compreendam que os nossos recursos são parcos, e se queremos continuar a ser o país que menos gasta com a pandemia, temos de manter este esforço.

Atenção que não é austeridade. É esforço.

De qualquer forma, vindos de tão longe, era só o que faltava se iam agora andar de ambulância em ambulância para assistir ao povo, às portas das urgências do Santa Maria.

Ainda para mais com este tempo.

Mas, dizia eu, que são muito bem-vindos.

Fazem-nos um jeito do caraças.

Imaginem que temos imensos profissionais de saúde a trabalhar no estrangeiro. Principalmente enfermeiros. Que foram para fora à procura de melhores salários e progressões na carreira e outras coisas assim.

E nenhum parece estar com ideias de voltar para cá e dar uma mãozinha.

Malandros!

Mas, o que importa é vocês estão cá. E até trouxeram material auxiliar.

Pena não ter sido no Natal, pois faziam de Reis Magos.

De qualquer forma, se precisarem de alguma coisa, seja o que for, até mesmo umas sandes de pernil, é só dizerem.

Estejam à vontade e obrigadinho.

Bucha e Estica

Há pessoas que, em posições de poder que representam classes trabalhadoras, tendem a tomar como seu o lugar, quando o que representam são profissionais de diversas áreas. Profissionais esses que merecem o brio de quem os conduz, a honestidade e, acima de tudo, capacidade de isenção. Infelizmente, há certos bastonários que, por mais do que uma vez, têm mostrado esforço em beneficiar, com palavras e com acções concretas, certas cores políticas. Usar cargos de poder em representação de X classe trabalhadora para aparecer e fazer oposição política, tentando compensar o fraco trabalho de quem devia fazer realmente oposição, mostra a falta de carácter, apenas e só, de quem o faz. E também há certos bastonários de ordens que acham que fazem parte de um sindicato.

Se a senhora bastonária da Ordem dos Enfermeiros, Ana Rita Cavaco, tivesse tanta noção quanta a vontade que tem de dar beijos de amiga a André Ventura, e se calhar não fazia figuras de otária.

André Ventura dirige-se a adversários chamando-lhes “avô bêbedo” ou “coisa de brincar”, Ana Rita Cavaco dirige-se a uma presidente da câmara como “gorda fura filas” e desculpa a sua própria piada de mau gosto dizendo que foi Isilda Gomes, autarca de Portimão, quem assumiu ser “obesa”. Pois, pá. Todos sabemos que sempre que alguém assume uma doença, isso nos dá o direito de gozar com essa pessoa e com a sua doença. Especialmente quando essa pessoa agiu mal em alguma situação! Por exemplo: sempre que vejo que um obeso não faz o pisca a conduzir, ultrapasso-o e grito “ó gordo, mete o pisca!”.

Vai-se a averiguar e, afinal de contas, foi o deputado do Chega quem deu aulas de etiqueta à senhora bastonária.

Ou então, surpreendentemente, em vez de transmitir COVID-19, aquele “beijo de amiga” em Setembro transmitiu estupidez. Concluindo: podes tirar o Chega do PSD, mas nunca conseguirás tirar o PSD do Chega, sejam militantes, dissidentes ou bastonárias da Ordem dos Enfermeiros.

O que se tem passado com a distribuição das vacinas, segundo o que tem vindo a público, é grave e expõe, mais uma vez, a “chico-espertice” típica dos portugueses e, também, que a família do Partido Socialista é cada vez maior. Mas grave ou não, Ana Rita Cavaco é bastonária da Ordem dos Enfermeiros, não é apresentadora do “Isto é gozar com quem trabalha” e, como tal, não é sua função dizer facécias. E se não sabe onde começa e onde acaba a importância do cargo que ocupa, é porque não merece o cargo que ocupa. Por fim, Ana Rita Cavaco está lá em representação dos enfermeiros e não do PSD e da direita, pois, que eu saiba, ser bastonária não é ser deputada.

Imagino que Ana Rita Cavaco se preocupe com o compadrio. Aliás, preocupa-se tanto, mas tanto, que até contratou Tiago Sousa Dias, seu amigo de longa data, ex-militante do PSD, apoiante de Rui Rio nas directas do partido contra Santana Lopes, braço direito de Santana no Aliança depois do PSD correr com ele e agora activo do Chega e alegado futuro secretário-geral do partido “neo-preconceitos”, a quem a Ordem dos Enfermeiros paga 72 mil euros, a dividir num contrato de 3 anos, desde Março de 2020. Aparentemente, PS e PSD gostam de medir o membro “eu sou mais asqueroso do que tu”.

O que vale é que a qualidade dos nossos enfermeiros não se mede pela qualidade da sua bastonária (que é nula, no caso da senhora Cavaco, se é que ainda é preciso dizê-lo). Neste caso: “Mulher gorda/Ai, a mim não me convém/Eu não quero andar na rua/Com A VACINA de ninguém/E mulher magra/Ai, a mim não me convém/Eu não quero andar na rua/Com A ESTUPIDEZ de ninguém”.

           FILIPE AMORIM/GLOBAL IMAGENS

Mencionar um fato: this never happened to Pablo Picasso

I loved all sorts of English language experimentation.
John Cale

In fact, comparing previous research on UG principles in L2 phonology vs. L2 syntax, and pointing out the relatively little work in this area by L2 phonologists, Young-Scholten (1995, 1996) argued that there is, nevertheless, reason to believe that interlanguage phonologies do not violate the principles of UG, because they often correspond to natural languages (a point first made by Eckman, 1981), and because learners can often reset phonological parameters, instead of being stuck with the L1 values.
Öner Özçelik & Sprouse (2016)

***

Há quem tente adoptar o AO90 e escreva fatos e contatos, em vez de factos e contactos. Nunca grafei nem fatos em vez de factos, nem contatos em vez de contactos. Ao não adoptar o AO90, estou automaticamente protegido da base IV e de interpretações abusivas (eufemismo para ‘erradas’) dela feitas, como o famoso “agora facto é igual a fato (de roupa)“. Neste contexto, jamais me ocorreria, por exemplo, mencionar um fato.

Mencionar um fato, em vez de facto? Homessa! Como cantam os Modern Lovers (e o Cale e o Bowie e o White), this never happened to Pablo Picasso.

Continuação de uma óptima semana.

***




Lembrar um mestre

Por estes dias tenho pensado muito em George Steiner. A morte dele, há precisamente um ano, fez antever um 2020 que nada trazia de bom.

Steiner é uma das presenças intelectuais mais assíduas na minha vida. Não há semana que passe sem que eu leia qualquer coisa que ele escreveu ou disse. A longa entrevista ao programa Beauty and Consolation, os artigos no New Yorker, excertos das Dez Razões para a Tristeza do pensamento estão nos favoritos do meu computador, na pastazinha onde escrevo passagens que me marcam. Antes do confinamento, comprei alegremente as quatro entrevistas a George Steiner feitas por Ramin Jahanbegloo e publicadas pela VS.

Acusado frequentemente de snobismo – uma questão que das várias que ele suscita é a menos interessante – Steiner entendia algo de muito importante sobre o trabalho intelectual: ele é suposto ser díficil. A literatura, por exemplo, é um constante diálogo entre diversas formas de pensamento, entre várias personagens e enredos e formas narrativas, e só a leitura incansável nos pode transmitir a plenitude de determinado livro ou história (estória).

Li vários artigos extraordinários sobre Steiner desde a sua morte. Mas o mais notável pela sua compreensão da obra e do homem foi o de Diogo Vaz Pinto no Jornal I em Dezembro de 2020:

Dotado de uma abrangência incomparável, move-se com uma elegância e uma desenvoltura que nos absorvem, com aquela capacidade de aceder à realidade como se a atraísse a um ínvio argumento, ressaltando algum padrão inusitado, aspectos finos e que traduzem uma qualidade mítica numa razão de outro modo insuportável. Deste modo, ensina-nos a perdoar à vida, e até à condição humana “o facto de ser a coisa indiferente e pontual que é”. Steiner diz-nos que as artes da compreensão (hermenêutica) são tão variadas quanto os seus objectos, e que “não há nada de mais exasperante na condição humana que o facto de nós podermos significar e/ou dizer seja o que for”.