Os pesos e as medidas

Chamar “homossexual” é um insulto? Isso pressupõe que ser homossexual seja insultuoso. Para quem? Para um homofóbico?

O gajo ouve “filho da p***” todos os jogos e faz queixa por ofenderem a mãe? Eu sou homossexual, e se alguém, na rua, me gritar “gaaaaaay!” eu grito “pois sou!”… onde está o insulto? Agora, depende é do insulto, mas convenhamos que “gay” não é um insulto. Ou talvez seja, para alguém com ego fraco e que duvide de si. Mas o Ronaldo é mesmo gay? Então porque se haveria de ofender?

Quem nunca viu o “Billy Elliot” e a seguir foi logo inscrever-se para trabalhar no Finalmente?! E o “Harry Potter”?! Aquele Voldemort é um perigo, atrai qualquer homem! Já a Coca-Cola, como se sabe, converte um homem. Eu, por exemplo, não a bebo há mais de 5 anos… pois, como homossexual, sei que foi por beber muita cafeína gaseificada que fiquei com esta patologia do vírus gay.

A Hungria, país, atropela os direitos humanos todos os dias, especialmente visando homossexuais, e, aí, já ninguém diz nada. Mas cuidado; ninguém chama “gay” ao meu Cris… salta-me a tampa!

Se realmente quiserem acusar o nosso CR7 de alguma coisa, sei lá… acusem-no disto:

Ser gay < Ser violador

Comments

  1. Carlos Almeida says:

    Preparem-se para ver cada vez mais ataques ao CR. Ele ousou dizer o que pensa sobre as bebidas açucaradas e com gás, no caso a Cola-Cola o que originou uma perda bolsista imediata de 4.000 milhões de $USA.
    Os “pencudos” donos disto tudo (Coca Cola, Fanta; Disney; Jonnshon & Jonhnson, Intel, Microsoft, Fakebook, etc etc, ) não perdoam

    • João L Maio says:

      Não é a chamar “gay” ao Cristiano que se ataca o Cristiano. Porque a palavra “gay” não é um ataque para ninguém, a não ser para mentecaptos.

      O seu comentário é, obviamente, ironia. Assim o encaro. A esse respeito recomendo-lhe o último texto do génio Jovem Conservador de Direita no Facebook, que também já colaborou com o Aventar e é, obviamente, uma jóia de pessoa.


      • Mas é uma questão cultural.
        Entre nós nas discussões de transito é habitual chamar-se “fabricante de panelas” ou “filho de uma trabalhadora sexual” ao outro condutor.

        • João L Maio says:

          EMS,

          Sim, é. Mas um homossexual não se ofende com isso. Por isso é que são homens heterossexuais, na sua maioria, a chamar isso a outros homens heterossexuais. Isso advém da grande falta confiança de alguns homens neles mesmos e, como tal, acham insultuoso apontar-se uma outra qualquer orientação sexual. Aliás, nem nas mulheres acontece, por norma… só mesmo os homens, com o seu ego fraco e magoado, é que se podem ofender com algo tão banal.

          Ao contrário nunca vi… chamarem “hetero” a um homo e um homo ofender-se… claro que não se ofende, um homossexual sabe que é homossexual e por isso não se vai ofender se lhe chamarem heterossexual porque este não discrimina uma pessoa com base na sua orientação.

        • J. M. Freitas says:

          É como dizer que um preto é preto. Não considero insulto mas há muito quem considere. Inclusivamente tenho sido muito criticado e atacado quando digo que um preto é preto.
          Não aconteceu há uns tempo que um preto foi identificado como preto por um árbitro de futebol? E, por isso, ficou danado!
          Se num grupo de brancos existe um único preto e, por qualquer motivo, eu tiver de o identificar, não sabendo o nome, não poderei dizer “é o tipo preto”? parece-me absurdo.

          • João L Maio says:

            J. M. Freitas,

            É verdade. O insulto não está na palavra, está na intenção com que se profere a palavra.

            Tenho um colega que costuma dizer “se me chamarem ‘ó preto, meu amigo!’, não me ofende, eu sou preto; mas se me chamarem ‘ó preto, filho da puta’, ofende-me, porque eu não sou ‘fdp’ e não é por isso que sou preto”. Lá está, os pesos e as medidas.

            No caso de que fala, é discriminação na mesma, porque mesmo que só haja 1 preto no meio 10 brancos, estar a apontar a cor da pele é discriminatório. Há que se saber estar onde se está, é um profissional do futebol que ganha milhares ou milhões não é igual ao António da tasca em Vila Pouca de Aguiar que tem a 2.a classe do antigo regime.

          • João L Maio says:

            J. M. Freitas,

            E faltou-me dizer, claro, que é sempre relativo. As pessoas não são todas iguais e basta haver uma que me diga “ofende-me directamente que tu digas A”. Se a pessoa diz que isso a ofende, quem sou eu para dizer que não a ofende?

            Se nesse caso de que fala o Demba Ba sentiu aquilo, literalmente, na pele, quem sou eu para descredibilizar o seu sentimento? Ninguém, porque não fui eu quem o sentiu. Tenho de respeitar e tentar entendê-lo… de forma empática.

          • Paulo Marques says:

            Sim, foi isso, alguém disse “ó preto, jogas bem pá, deixa-me pagar-te uma cerveja” e o gajo levou a mal. Não se passou absolutamente mais nada.

          • João L Maio says:

            Exactamente, Paulo. Há quem confunda o cu com as calças.

      • Carlos Almeida says:

        O meu post nada tem a ver com o que chama ao CR. Chamar Gay ou outra coisa que lhe chamem é irrelevante. Para mim o importante é que vai cada vez mais ser insultado e a razão é a que apontei, sem qualquer ironia.
        Fakebook, ou Coca Cola, não obrigado

        • João L Maio says:

          Carlos,

          Toda a gente já sabia que o Cristiano não gostava de Coca-Cola ou outros refrigerantes, doces ou fritos. Tem uma vida triste? Tem… especialmente no que se refere aos doces e fritos. Mas daí a ser “perseguido” por isso… nunca foi, não é agora que vai ser.

  2. Paulo Marques says:

    Não sei o contexto, nessa federação de apoiantes do apartheid, mas, a menos que seja de um qualquer assédio constante, faz parte de ser pessoa pública. Quem sofre eventualmente por actos assim é quem fica com necessidade de reprimir para não ser rejeitado quando vê a intenção generalizada de insultar.
    A Coca-Cola deve estar tão preocupada como com a ameaça do IRC “universal”.

  3. J. M. Freitas says:

    J. L. Maio:
    Discordo completamente do que diz, mas só comento esta frase:
    “Se nesse caso de que fala o Demba Ba sentiu aquilo, literalmente, na pele, quem sou eu para descredibilizar o seu sentimento? Ninguém, porque não fui eu quem o sentiu. Tenho de respeitar e tentar entendê-lo… de forma empática.”
    Se o árbitro (não sei o nome deste, talvez o pudesse identificar por uma característica o que faria apesar de proibido) ficou ressentido com a reacção do tal Demba Ba também poderíamos dizer “quem sou eu para descredibilizar o seu sentimento?” E todos nos ofendemos com todos …. é a vida.
    Mais, eu não sabia o nome do tal preto e se no meu comentário não o indicasse pela cor da pele, provavelmente o Snr Maio não me ensinaria que o nome era Demba Ba.
    Posso fazer caricaturas a gozar com ….. é melhor não fazer porque há sempre quem se ofenda.
    Eu acho que um preto é preto e se não gosta da cor da própria pele é com ele. Quando eu digo que um preto é preto ele pode responder-me torto, claro. Até pode agredir-me. Neste caso apresento queixa na polícia. E continuarei a dizer que um preto é preto. Se me torturarem, se calhar acabo por concordar que um preto não é preto (tenho fraca resistência á tortura). Até ver para mim preto é preto e loira é loira.

    • João L Maio says:

      Discordar faz parte.

      “(…) eu não sabia o nome do tal preto (…)”… mas o Freitas não é árbitro. Os árbitros têm as fichas de jogo, sabem o nome das pessoas. Digo-o com conhecimento, pois joguei futebol muitos anos. E mesmo que não soubesse, não seria mais fácil dirigir-se ao próprio directamente? O carácter não se compra, nem se aprende… ou se tem, ou não se tem.

      Quanto ao resto do seu comentário, vou fingir que não li isso, para não me incomodar demasiado.

      • João L Maio says:

        Mais:

        “Se o árbitro (não sei o nome deste, talvez o pudesse identificar por uma característica (…)”.

        Se o árbitro, mesmo não sabendo o nome dele, é o árbitro, porque é que o treinador-adjunto do Başakşehir há-de ser “o preto” quando não se sabe o nome dele?

        É por isso que não identifico pessoas que não conheço através de características da própria pessoa… porque não as conheço. Se quiser falar com elas ou chamá-las, vou lá directamente e pergunto o nome. É simples. Brincadeiras faço-as com os meus amigos, que conheço e me conhecem.

        • João L Maio says:

          E há um erro meu, porque o insultado foi o Pierre Webó, adjunto da equipa turca, e não o Demba Ba. O Ba foi quem confrontou os árbitros, num vídeo que se tornou viral.

      • J. M. Freitas says:

        “Quanto ao resto do seu comentário, vou fingir que não li isso, para não me incomodar demasiado.”
        Muito bem, eu também nunca mais farei caricaturas de Maomé nem de Cristo para não incomodar ninguém. Fico eu incomodado mas prontes!

        • João L Maio says:

          Mas porque razão é que sente a necessidade de misturar assuntos?

          O post é sobre a hipocrisia de alguém ficar ofendido porque chamaram homossexual a um milionário jogador de futebol, quando não se ofendem com reais ofensas aos LGBT; o Freitas veio falar de racismo e falamos um pouco sobre isso; agora vem com a religião. Vamos acabar a falar de corrupção e do Ventura? Não é disso que se trata. ‘Whataboutism’ não… quando fizer um post sobre esses assuntos, falaremos mais sobre eles.

    • João L Maio says:

      Também pode ler o post do meu colega João Mendes, sobre o assunto que aqui referimos ao de leve (apesar de o meu post não ser sobre isto, aqui estamos), aqui: https://aventar.eu/2021/06/15/black-lives-matter-explicado-as-criancinhas/

    • Paulo Marques says:

      E um leão marinho é um leão marinho, mesmo disfarçado de Freitas.

      • J. M. Freitas says:

        ” leão marinho, mesmo disfarçado de Freitas.”
        Uma das poucas coisas que me ofende, e profundamente, é chamarem-me, ou sequer insinuarem, leão marinho. Por razões que não explico. É pior que chamarem-me preto.

        • Paulo Marques says:

          E, no entanto, continua a usar “preto” e a perguntar porque é ofensivo, tal qual como um leão marinho.

          • J. M. Freitas says:

            ” continua a usar “preto” e a perguntar porque é ofensivo,”
            Nasci assim. Desde que nasci tenho perguntado por que é que devo disfarçar mas …. nunca ninguém me respondeu de forma satisfatória. Dizem que é ofensivo e acho que acabo por acreditar. Tal como o Senhor e muitos outros. Acreditam e pronto. É a fé. Ou …..?
            Se fui disser moreno? Que acha?

          • Paulo Marques says:

            Já tinha dito, é uma questão de intenção e contexto. E se é certo que não se adivinha, sabendo que é um potencial problema, usá-lo com estranhos é dizer que não se preocupa. Coisa que assume, de resto, com orgulho.
            Não é por aí que será, ou não, uma besta, apenas colaboracionista do estado de coisas.

  4. Filipe Bastos says:

    “Se realmente quiserem acusar o nosso CR7 de alguma coisa”…

    …acusem-no de ser um bronco mamão que acumula uma fortuna obscena para branquear outros mamões e distrair a carneirada do que interessa, e ainda tem a lata de fugir aos impostos?

    Posts como este do João Maio comprovam que a wokice substituiu a esquerda; e que esta jamais terá poder ou, ainda que por milagre o alcançasse, não saberia o que fazer com ele.

    Quanto à ofensa de se ser gay, Maio, é simples. Não se apaga centenas de milhares de anos de evolução com umas décadas de wokismo e anúncios da Benetton. Qualquer homem heterossexual que diga ser-lhe indiferente que o apontem como homossexual estará provavelmente a mentir.

    Havia algo de mal se o fosse? Absolutamente nada. Mas é claro que não é assim tão simples. Só a malta woke faz de conta que é.

  5. Abstencionista says:

    A que propósito um tipo se vai dirigir a outro invocando a sua orientação sexual?
    Ou por brincadeira parva ou para insultar…diz cá a “minha sensibilidade”.
    Mais: se o gay não se ofende por lhe chamarem gay devia ficar ofendido pois tem, como toda a gente, nome próprio e apelido.
    Isto tem a ver com o carácter de cada um e não tem nada a ver com a forma como vive a sua orientação sexual.
    Tem a ver com o respeito que deve a si próprio.

    Quanto à lei húngara bem podem tirar o cavalinho da chuva pois os tratados da UE não permitem a sua intervenção neste assunto.
    Mudem os tratados.

    • João L Maio says:

      Olhe, uma novidade: o Maio a concordar com o Abstencionista.

      O gay só não se ofende porque nem passa bola, já que estamos numa de futebóis. Tantos séculos a ser ostracizados que há coisas que já nem afectam.

      Concordo com tudo o que aí diz.

      • POIS! says:

        Pois , João mas…

        Trata-se do “abstencioneiro” em regime de “franchise”…

        • Abstencionista says:

          Por falar no Ronaldo, o que é que achas da “franchise” que mandou construir em cima do prédio?

          lol

          • Paulo Marques says:

            Se os arquitectos se sentiram ofendidos, é porque não foi assim tão mau.

          • POIS! says:

            Pois, abstencioneiro (em regime de franchise)…

            Por falar em Nossa Senhora de Fátima, o que é que V. Exa acha dos eucaliptos iluminados colocados à entrada do Palácio dos Condes do Colo do Pito?

        • Abstencionista says:

          Ó Xô…

          …não achas que é altura de deslargares o tinto…por causa das visões, lol.

          (desculpa as gargalhadas mas desde o dia em que a minha sogra caiu ao poço que não me ria tanto)

          …outro dia viste um…eheheheheheheh …homem
          …eheheheheheheh…nuuuuuuuuu… eheheheheheh…no alvo…eheheheheh …… hoje descortinas aparições…eheheheheheh…em Fátima… eheheheheh.
          Terias visto o homem nu …ehehehehe…em cima da azinheira…eheheheh?

          (Confesso que até choro de tanto rir com as tuas visões de bêbado…lol)

          Falando a sério, lol, como amigo aconselho-te a recorreres a este site para te ajudar (https://www.C2H5OH anonimus).

          • POIS! says:

            Pois, Xôôôô! Xôôôô! abstencioneiro (em regime de franchise):

            Não é vergonha nenhuma V. Exa. ostentar garbosamente o seu analfabetismo. Todos compreendemos, são coisas da vida, vida essa que é algo que V. Exa. nunca teve.

            Aliás, os Homens, com H grande, não se medem pela literacia, mas sim por outras qualidades que V. Exa, por desdita, também não possui.

        • Abstencionista says:

          Xô Pois lol,

          …desculpa…eheheh….não gosto de rir de borrachões …eheheh…. mas tu és demais…eheheh…

          • POIS! says:

            Pois tá bem, mas não é “xô”

            É xôôôôô! xôôôôô! xôôôô! menino abstencioneiro! (em regime de franchise),

            O menino é muito mal educadinho. Mas, pior que isso, não sabe ler.

            E, a avaliar pelo que escreveu neste absente “comentário” o menino é que está cum camadão tão grande que vê Orgasmos Ronaldos em cima de uma azinheira e já nem sabe a quem está a responder. Só diz ehehehs, parece um mongoloidezinho!

            Saiba, no entanto, que não é vergonha nenhuma V. Exa. ostentar garbosamente o seu analfabetismo. Todos compreendemos, são coisas da vida, vida essa que é algo que V. Exa. nunca teve.

            Aliás, os Homens, com H grande, não se medem pela literacia, mas sim por outras qualidades que V. Exa, por desdita, também não possui.

  6. JgMenos says:

    O livre trânsito Covid é o começo de uma vaga de formalismos cautelares.
    Não tarda que serão emitidos livre-trânsitos,incorporando senhas com período de validade, para descanso do assanhado macho machista.
    375 mil dólares! .. debaixo do pé!

    • Paulo Marques says:

      Não te preocupes, a tua lavandaria continua a operar como sempre.

    • POIS! says:

      pois pois!

      É pena que o livre-trânsito, incorporando senhas com prazo de validade, não se destine antes ao assanhado facho fascista. Assim V. Exa descansaria.

  7. Carlos Almeida says:

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.