Vamos ao castigo

A fazer fé nesta notícia, deduz-se a lógica reformadora: os cidadãos e seus mandatários é que têm culpa nos atrasos da Justiça. Não há Magistrados incompetentes, nem processos que se atrasam por culpa de quem os julga, nem recursos pendentes por meses ou mesmo anos nos tribunais superiores porque estes não despacham… Nada disso. A culpa é dos cidadãos e dos seus mandatários. Por isso, há que castigar essa gente. Apenas me resta uma dúvida: esta Ministra, enquanto Advogada, andou a exercer em que planeta?

Uma Troika Atrasada e Desatinada

Será do clima, da água ou de alguma coisa que por cá se põe na sopa, mas os símbolos da pontualidade e da eficiência adquiriram rapidamente características de nativos, tal e qual os emigrantes portugueses no Luxemburgo.

Então não é que a troika anda atrasada e desentendida, desconversando da raiz à ponta dos cabelos, sem acordo interno -entre si mesmos- que possibilite o tal acordo externo? Ora, para ficarem assim, bem podiam ter permanecido em casa, isso fazemos nós melhor do que eles sem a ajuda de ninguém. Em matéria de atrasos, desacordos e desconversas nós somos os mestres e os rapazinhos estagiários.

Não tarda vêmo-los aterrar na Portela com fatos de astronauta, a beber Perrier e com rações de comida liofilizada nas pastas de executivo. Ou, então, começamos a exportar clima, água e sopa para todos, da Grécia à Finlândia. Uma europa ao nosso ritmo é melhor do que uma a várias velocidades e sempre diminuímos, por essa via, o raio da dívida externa.

Quantos dias tem um mês, sr. primeiro-ministro?

É dia 12 de Outubro. Lá em casa, ainda não entrou o subsídio por Maternidade a que a minha mulher tem direito durante 5 meses. A Segurança Social deve ter-se esquecido.
No mês passado, o subsídio entrou no dia 7. O que significa que este mês já vai com 35 dias.
Senhor primeiro-ministro, o senhor recebe quando calha? Quantos dias têm os seus meses? 30? Ou 35? Ou 40? Ou sabe-se lá quantos?
Pois é, senhor primeiro-ministro, o seu dinheiro certamente estica. Lá em casa, infelizmente, não. Não temos cartão de crédito ilimitado, não temos almoços e jantares por conta da teta do costume, nunca nos envolvemos em negócios obscuros. Lá, quando um mês tem mais do que 30 dias, já começa a ser um problema.
Sabe que mais, senhor primeiro-ministro? Havia de ser consigo.

O estado da Justiça em Portugal

Hoje de manhã, faltei às aulas para ir a Tribunal. Um processo de dívida, que interpus contra uma editora de Paços de Ferreira para a qual trabalhei até 2007.

A audiência, que estava marcada há meio ano, não se realizou por dois motivos:

 

– porque não havia sala disponível para se fazer o julgamento.

 

– porque as testemunhas só foram notificados na última sexta-feira e, por isso, só vão receber a notificação depois da data.

 

O julgamento ficou agora marcado para Abril de 2010.

 

Depois disto, só apetece dar os Parabéns ao eng. Sócrates e ao dr. Alberto Costa pelo excelente estado da Justiça em Portugal.