Aperta-se o cerco em torno de Miguel Macedo

MMacedo

Poucos dias após conseguir um contrato no valor de 46 milhões de euros com Ministério da Administração Interna, então tutelado por Miguel Macedo, a empresa Everjets foi comprada por Domingos Névoa, figura central do caso Bragaparques e de uma série de outros negócios nebulosos, perante os quais a justiça portuguesa se vem mostrando inconsequente.

No âmbito do caso Vistos Gold, o ex-ministro de Passos Coelho foi confrontado pela procuradora Susana Figueiredo sobre o seu relacionamento com o empresário bracarense, negando qualquer relação de proximidade. Contudo, na sequência de um interrogatório em 2006, Domingos Névoa, conterrâneo de Macedo, afirmou ser seu amigo pessoal, acrescentando que encontros e almoços eram prática frequente. [Read more…]

Luís Vilar: às vezes até em Coimbra a justiça funciona

Um político profissional, que de empregado bancário passou a movimentador de milhares nas suas contas depois de alcançar o estatuto de vereador, o pior que Coimbra já teve, consegue ser notícia.

Valha-nos isso. Aventei algumas vezes sobre o arguido Vilar*, por conta do processo dos amigos dos Correios, ou mais recentemente pelas sua participação nas recentes eleições internas da Federação de Coimbra do PS.

Hoje, dia em que foi condenado no primeiro dos seus processos a ser julgado, sinto que a minha cidade está mais limpa e asseada. Faltam os outros casos, e sobretudo falta dignidade a Vítor Batista. O ainda deputado do PS entregou a Luís Vilar  a responsabilidade pelo financiamento do PS distrital nas eleições do ano passado, quando já era acusado por crimes de financiamento partidário ilícito, uma das razões porque hoje foi sentenciado em tribunal. Vítor Batista vai abandonar já o seu lugar de deputado? ou no mínimo o seu grupo parlamentar vai correr com ele? esperem sentados.

Entretanto e mais uma vez Domingos Névoa lá se safou, se bem entendi por prescrição. Um dia os estacionamentos subterrâneos da Bragaparques chegarão à superfície. É tudo uma questão de tempo.

* a expressão arguido Vilar é © do Fernando Moura, que pela primeira vez em Portugal fez a cobertura de um julgamento para o blogue das suas meninas, um grande marco na História da blogocoisa em Portugal, dando um gandabaile aos dois diários locais, fora o resto. Na blogosfera, essa expressão geometricamente desadequada, ninguém vai dar por isso. Parabéns a quem esta tarde mandou o servidor abaixo por excesso de visitas, coisa que nunca aconteceu ao Aventar, ia lá agora ter acontecido.

Hoje tenho vergonha de ser português

Leis rigorosamente preparadas para que a corrupção não seja crime, num país onde os analfabetos chegam à fortuna, com “o esforço do seu trabalho” e luvas, muitas luvas e cunhas. O país do pato bravo, do especulador imobiliário, das mais valias não tributadas na valorização dos solos urbanos. O país onde a justiça é igual para todos, mas mais igual para os que pagam os malabarismos da advocacia.

O Supremo Tribunal de Justiça rejeitou os recursos do Ministério Público e do vereador José Sá Fernandes contra a absolvição do empresário Domingos Névoa no caso Bragaparques

Não é isto que quero para o meu  país.

O 25 de Abril, 36 anos depois, tem um rosto

Domingos Névoa, o homem da Bragaparques. É o rosto de um poder judicial que nunca julgou os juízes dos tribunais plenários do fascismo.  É a imagem dos patrões que temos, analfabetos (60% dos nossos empresário não ultrapassaram o ensino básico), tipos que emprestam 25 000 Euros a vereadores, colados à igreja (cuja responsabilidade em séculos de opressão continua branqueada).  É a construção civil em todo o seu esplendor, que vai tornado inabitáveis as cidades e cada vez mais feios os campos e as praias, num país que tem mais casas do que aquelas que necessita.

Não foi para isto que o povo saiu à rua e fez de um golpe militar quase uma revolução. Acho eu, mas quem sou eu para saber o que o povo quer?