Globalização das lojas vazias no País dos pobrezinhos

Goran-Divac_Cavalo-de-troia

Embora os governantes estejam constantemente a apregoar as políticas de apoio ao desenvolvimento económico do País (as que ainda hão-de vir, dizem), a verdade, clara como água límpida, é que a economia portuguesa está de rastos. Sabêmo-lo todos, nós os seus moribundos e ex-consumidores frenéticos – nós os aburguesados dessa opulência doce e gorda que sucedeu sem transição à miséria endémica que vemos agora a espreitar no horizonte miserável e familiar daquilo a que chamamos destino. No entanto, acabo de descobrir a que ponto isso é verdade e grave. Se já me tinha apercebido do estranho fenómeno que transformou, desde o passado dia 1 de Janeiro, a facturação com ligação directa ao Ministério das Finanças numa ida aos infernos para a generalidade dos comerciantes, [Read more…]

As palavras do Presidente da República e a economia de mercado

O Presidente da República, Cavaco Silva, como é hábito no 5 de Outubro, deixou uma mensagem aos portugueses. Entre outros alertas, o Presidente da República não deixou de avisar os portugueses para os tempos difíceis que os esperam, para a indispensabilidade de disciplina orçamental e para a necessidade de crescimento económico.

“Tem de haver revitalização do tecido económico, investimento privado, aumento da produtividade e produção de bens e serviços capazes de concorrer nos mercados externos”, alertou Cavaco Silva. Se analisarem, esta frase do Presidente da República resume muito bem qual deve ser o caminho seguido por Portugal para sair deste marasmo económico. “Revitalização do tecido económico, investimento privado, aumento da produtividade e produção de bens e serviços capazes de concorrer nos mercados externos” são objetivos que, numa economia de mercado, dependem das empresas. São elas que revitalizam o tecido empresarial e económico, são elas que podem aumentar a produtividade dos seus produtos e são as empresas que podem produzir bens e serviços capazes de concorrer nos mercados internacionais. [Read more…]

Economia de mercado

Acredito na economia de mercado. Por economia de mercado entende-se um sistema económico em que os agentes económicos podem actuar livremente. O sistema de economia de mercado pressupõe que sejam os privados o motor da economia, do desenvolvimento e do crescimento económicos. Ao Estado cabe a função de regulador. O Estado deve incentivar a participação dos privados na actividade económica, reservando-se ao papel de fiscalizador da actividade económica.

[Read more…]

A esquerda e a Direita dos Aventadores

O Fernando aventador acredita numa direita moderna, justa e progressista e o Carlos e o Adão aventadores acreditam numa esquerda moderna, justa e progressista. Com grande surpresa, o Carlos e o Adão, perante a caracterização da direita do Fernando , diz que aquilo é a esquerda!

Mas a direita não pode ser moderna no sentido que aceita os grandes ganhos sociais dos últimos cinquenta anos? Não pode ser justa quando sabe há muito que um país justo é muito mais conforme às suas necessidades de gente motivada e produtiva? E não pode ser progressista no sentido que defende uma sociedade assente na democracia, numa economia social de mercado e no estado de Direito?

Ou para se ser moderno, justo e progressista é necessário ter um Estado onde se albergam os sorvedores, as corporações e os interesses instalados? Ou onde a economia é regulada por um Estado com “mão “invisível”  sempre à procura dos amigos,  dos negócios finos das obras públicas e das grandes empresas do Estado ? E defender a família faz a direita menos progressista que a esquerda dos casamentos gays? [Read more…]