Abrir Abril

As emoções sociais, não tendo exactamente as mesmas características das emoções básicas, têm uma origem neurofisiológica muito aproximada, ou mesmo comum. As emoções básicas, como o amor, o medo ou a repulsa, são, contudo, do ponto de vista neurofisiológico, muito mais antigas, resultando as emoções sociais, como, por exemplo, a admiração ou a compaixão, de estados evolutivos alcançados em tempos mais recentes, sendo a expressão do processo contínuo de aperfeiçoamento do ser humano.
Ainda assim, António Damásio distingue dois tipos de admiração e de compaixão, conforme a sua filiação neurofisiológica e anatómica ao aparelho músculo-esquelético ou ao meio interno e às vísceras.

A admiração que sentimos pelos feitos extraordinários de um grande militar ou de um grande atleta, é uma emoção social com uma origem neurofisiológica diferente, embora simétrica, da admiração que sentimos por um homem santo ou um grande benemérito da humanidade. O mesmo acontece com a compaixão, outra das emoções sociais mais importantes, que sentimos perante quem é exposto a sofrimento físico ou, diversamente, a sofrimento moral ou “mental”.
Existe, contudo, uma diferença importante entre estes dois tipos de emoções sociais. A admiração pelo atleta e a compaixão pela dor física, são emoções que se instalam e também desaparecem com mais rapidez do que a admiração pelo Santo e a compaixão pelo sofredor moral. Dir-se-ia que são emoções mais superficiais, reacções da pele, ligadas neurológica e anatomicamente ao aparelho músculo-esquelético, a estrutura do corpo que permite o movimento no espaço, a deslocação. Numa palavra, a transitoriedade.

[Read more…]

PSD: o Povo Livre que era socialista e agora não sabe muito bem o que é

psd

Houve um tempo em que o PSD era pelo socialismo. Hoje é difícil perceber o que realmente será. Nuns dias é liberal, noutros vive pendurado na manjedoura estatal, por vezes e conservador e quando a coisa corre mal abre uma gaveta na São Caetano, sacode o pó e tira de lá a social-democracia. Tem dias em que é mais troikista do que a Troika mas se as eleições estiverem à porta corre a distribuir aumentos e nomeações na função pública. Em campanha compromete-se a não aumentar impostos, chegado ao poder impõe um brutal aumento da carga fiscal e, regressado à oposição, indigna-se com todo e qualquer aumento de impostos. As contradições, tal como as orientações ideológicas, multiplicam-se e a indefinição é absoluta. Alguém me explica que PSD é este?

Fotomontagem nacionalizada à Os Truques da Imprensa Nacional

Esquerda volver

Nuno Veiga / Lusa

Nuno Veiga / Lusa

Ainda é possível sermos surpreendidos pela arte da propaganda e da persuasão, um dos últimos lugares do espírito onde chegou o escrúpulo. E quando lá chegou, deu meia volta e corda aos sapatos.

Repare-se na estética neo-bolchevique da candidatura à liderança do PSD protagonizada pelo mais extremista neoliberal que a democracia portuguesa conheceu. Pasme-se (mas pouco) com a inclinação para a esquerda da composição em fundo, com as bandeiras rasgadas da revolução, com o vermelho do sangue dos mártires e com os operacionais do MRPP, em fundo também, erguendo heróicos o punho e o estandarte em direcção aos amanhãs que cantam.

É este revolucionário que hoje pede decoro.

O lema

Muitos autores o dizem: a necessidade de auto-afirmação é uma das mais relevantes determinantes do comportamento humano. Partindo deste princípio, poderíamos ensaiar um pujante ensaio sobre a razão que leva o PSD a definir como lema do seu congresso “social democracia sempre!”. Mas fenece-me a vontade e confesso o meu desprezo pelo objecto de tal estudo. Por isso, limito-me, singelamente, a considerar que tal consigna é uma pura vigarice e uma operação de publicidade fraudulenta na qual só acreditam os pobres de espírito dos quais, como se sabe, é o reino dos céus, já que tanto desprazam o da terra.

Social-democracia: partir em caso de emergência

PSD

A social-democracia, enclausurada numa gaveta nos confis sombrios da São Caetano à Lapa, é uma espécie de extintor numa caixa de vidro que o PSD ameaça partir em caso de emergência. E digo ameaça porque nunca chega a sair da gaveta não deixando, porém, de servir o seu propósito do convencer uns quantos da existência de uma viragem à esquerda num partido que tratou de esmagar o Estado Social durante quatro anos. Um partido que liderou um governo que procurou colocar em prática uma espécie de liberalismo privatizador ao serviço das mais altas clientelas enquanto a precariedade, a pobreza e a destruição dos direitos laborais alastravam. Eles bem podem encenar a farsa da social-democracia as vezes que quiserem. Sá Carneiro continuará às voltas no túmulo.

A farsa da social-democracia está de volta

PPC

O primeiro-ministro deputado Pedro Passos Coelho incorporou a fórmula Marcelo Rebelo de Sousa e percebeu que a sua ressurreição política não se resolve com o paleio de saco pós-Legislativas da ilegitimidade. Vai daí temos um novo Passos Coelho, em contagem decrescente para uma eleição para a qual não se lhe conhece um único oponente, e surge, qual Marcelo a discursar na Voz do Operário, com o slogan “Social-democracia, sempre“. Depois de anos enfiada no fundo de uma gaveta fechada a sete chaves, a farsa da social-democracia está volta. Mais um bocadinho ainda voltam a ser Pelo Socialismo.

O Pedro Passos Coelho de há cinco anos precisa de um upgrade

foto@expresso

foto@expresso


Hoje o director da campanha do Professor Marcelo Rebelo de Sousa, Pedro Duarte, dá uma entrevista ao ” Expresso ” muito interessante, curta, mas assertiva.

Como diz Pedro Duarte ” O Passos de há cinco anos está desactualizado “. E o problema é exactamente este. O ex-secretário de estado e antigo deputado do PSD coloca precisamente o dedo na ferida.

O actual Partido Social Democrata teve nos últimos 5 anos um posicionamento e uma deriva para uma direita neo-liberal. Porém o que esteve na origem da formação do Partido, fundado por Francisco Sá Carneiro, foi uma matriz social-democrata assente em grande medida no pensamento político de Willy Brandt, Helmut Schmidt e Olf Palme adaptada à realidade sociológica portuguesa.

Talvez muitos não tenham conhecimento mas Francisco Sá Carneiro fez vários contactos internacionais de modo a integrar o Partido, na Internacional Socialista e consequentemente no Partido Socialista Europeu, de forma acentuar a sua natureza social-democrata, reformista e europeísta.

Aliás a mudança de designação de Partido Popular Democrático para PPD/PSD tinha como objectivo a sua integração na Internacional Socialista, mas a influência do Partido Socialista, nomeadamente de Mário Soares, impediu a pretensão de Francisco Sá Carneiro.

Aliás, o actual director da Microsotf, Pedro Duarte, afirma e muito bem que ” o PSD deve perceber que nasceu no centro-esquerda “. Entendo também que o PSD precisa de muito rapidamente recentrar-se politicamente, mas isso apenas poderá acontecer se Pedro Passos Coelho tiver a capacidade de regenerar o Partido, percebendo que o País vive um novo tempo, apresentando novas ideias e novos protagonistas.

[Read more…]