O CDS num ponto de viragem

Porto de abrigo dos órfãos da União Nacional na versão mais monárquica e conservadora, o CDS nasceu com uma ideologia difusa (personalismo cristão, pregava Freitas do Amaral com a convicção de se estar a referir a nada e a coisa nenhuma) e assim foi vivendo, abundantemente populista após a aterragem de Paulo Portas (vindo curiosamente do PPD, onde se albergara a contragosto a restante orfandade, que terminou por dominar alguma social-democracia convicta que o fundou).

cds votos

Na vida eleitoral foi escolhendo os territórios que lhe iam garantindo a fuga ao táxi: tivemos um CDS securitário (e sempre teremos), rural e para velhinhos, a parte não derretida do glaciar salazarista que assegurava uma boa base eleitoral.

Ora a viragem do discurso da extrema-direita neste século complicou as coisas, além da lei natural da vida, como diria Cunhal, que vai encolhendo o número dos saudosistas. O discurso dito geracional do neoliberalismo ataca a segurança social numa tentativa de trocar a luta de classes pelo conflito entre os velhos que gastam o que os pobres jovens terão de ganhar. Irónico, se me recordar do que significava “conflito de gerações” na minha adolescência, utilizado então para negar os conflitos sociais, reduzidos a modas, charros, música e essas cenas da malta nova que não respeita o peso da sabedoria anciã. [Read more…]

Qual o momento da demissão?

O Chefe de Estado alemão C. Wulff demitiu-se na sequência de um escândalo de corrupção e tráfico de influências. Sentiu a pressão da opinião pública e não resistiu ao braço de ferro com os media. Finalmente, disse as palavras certas: “a confiança dos meus cidadãos foi abalada, pelo que não me é possível exercer as minhas funções”.

Faltando a confiança do povo que os elegem, o que estão lá a fazer? A cumprir o seu dever? Porque teimam em ser vaiados e criticados, fazendo ouvidos de mercador? A descida de popularidade é um sinal a que devem estar atentos. Refiro-me mais concretamente à polémica das despesas de Cavaco que atirou a sua popularidade para mínimos históricos. Não servirá este resultado para uma reflexão do nosso chefe de Estado?

Perdendo-se a confiança do eleitorado, o que os mantém no poder?

O próprio poder.