Mega-agrupamentos: como desagregar escolas

contabilidadeA questão do tamanho das escolas é um factor fundamental para a qualidade do ensino. Nuno Crato, depois de, em 2010, ter criticado os mega-agrupamentos impostos por José Sócrates, prossegue a mesma política, orgulhando-se do que poupa, fingindo que não há perdas irreparáveis naquilo que é fundamental e mentindo repetidamente, quando afirma que tudo é feito com a aquiescência de autarquias e encarregados de educação. [Read more…]

Nuno Crato convoca protestos

bragaNuno Crato, para não destoar do que o governo anda a fazer ao país, continua a lançar o caos sobre as escolas e sobre a vida dos jovens portugueses, diante da indiferença generalizada de pessoas e entidades.

Só quem for completamente ignorante ou mal-intencionado é que pode defender que a criação de mega-agrupamentos é benéfica para o funcionamento das escolas. Trata-se de um processo que, só por si, provoca perda de proximidade e de autonomia e que terá reflexos na vida dos alunos.

Recomendo, a propósito, a leitura de vários textos do Paulo Prudêncio: 3 DDAS PESCAS e DA ROTINA Para que os leitores saibam que não estamos na presença de nenhum nuno crato, é importante lembrar que o Paulo foi presidente do Conselho Executivo da Escola EBI de Santo Onofre, escola então considerada modelar, e possui um mestrado em Gestão Escolar pela Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra. [Read more…]

Para que serve o Ministério da Educação?

Para além de prosseguir com a aplicação de medidas ruinosas, como a criação de mega-agrupamentos e o aumento do número de alunos por turma, o Ministério da Educação exige às escolas que indiquem, nesta altura do ano, os professores que ficarão sem alunos no próximo ano lectivo, o que, na realidade, é impossível, uma vez que nenhuma escola sabe, neste momento, quantos alunos vai ter.

Os professores que forem contemplados com o chamado horário zero, isto é, todos os que ficarem sem alunos, serão obrigados a concorrer. Impõe-se, então, a pergunta: e se, entretanto, se verificar que, fechadas as turmas, os professores que concorreram voltam a ser necessários? Segundo parece, há uma solução mirabolante para isso, mas não vamos desvendá-la, porque seria fazer concorrência desleal ao Inimigo Público.

Vale a pena, como é costume, ler a opinião ponderadamente revoltada do Paulo Prudêncio acerca da mesma notícia a que faço referência.

Respondendo à pergunta que está no título: o Ministério da Educação só serve para acrescentar dificuldades àquelas que são inerentes à vida das escolas.