Don’t Look Up: Muito mais retrato do que sátira

@Netflix

Segundo o dicionário Priberam, sátira é uma crítica em tom jocoso ou sarcástico. O filme “Don’t look up”, da Netflix, com um elenco de luxo, tem sido apelidado de sátira, um pouco por todo o lado. Percebo, mas não podia discordar mais.

A verdade é que considero o filme mais retrato do que sátira, mais documentário do que ficção. Nada do que lá acontece, por incrível que pareça, me parece demasiado estranho para poder ocorrer “cá fora”, no mundo real. E, não sendo uma obra-prima, nem um filme que será recordado daqui a 100 anos, é um filme que faz pensar, que está perfeitamente ajustado ao momento histórico e isso é muito do que de mais importante se poderia pedir nesta altura.

A verdade é que entramos numa era de profundo obscurantismo em que os alicerces em que fomos construíndo o mundo estão a ser abalados, a ser colocados em causa, deixando a sociedade apoiada em resquícios de informação. Foram rompidos os princípios de confiança nas instituições, na ciência, no conhecimento. Tudo substuído por uma inflação do ego e do comportamento manada, numa caminha de excesso de entretenimento e distracção. A escala de prioridades foi invertida e, apesar de o filme usar uma ameaça objectiva (que, do ponto de vista narrativo, me parece ser uma metáfora para o aquecimento global), a verdade é que as ameaças que o mundo real tem são outras. Muito para além da pandemia, do aquecimento global, da pobreza, da desigualdade, os problemas aos quais, infelizmente, nos habituamos e não devíamos, existe um adormecimento colectivo que poderá transformar o mundo como o conhecemos. Já o está a fazer.

A afastar-nos da essência humana, tornando-nos uma espécie de híbridos entre o humano e a máquina, numa sucessão de respostas pré-definidas, de comportamentos repetidos ao infinito, a caminho de um conformidade de pensamento assustadora, digna dos melhores escritos de Orwell. A parte mais assustadora é a apatia generalizada, porque o inimigo não é concreto. Não está corporizado num ditador, num grupo extremista, numa entidade. A ameaça é uma espécie de aura colectiva que nos empurra para o mesmo fim.

E, da mesma forma que a população do filme nega a existência de um cometa que está, literalmente, acima das suas cabeças, também no mundo real se pensa que está tudo bem, se normaliza o que nunca foi ou será normal, se encolhe os ombros até ser tarde demais

De como uma sátira política conduz à revisão do código penal por via de um contencioso diplomático

erdogan spiegelFoto: Capa “Der Spiegel”

Isto foi um verdadeiro policial e uma galhofa que entreteve o pessoal durante toda a semana. É que no meio de assuntos tão confrangedores como a questão dos refugiados, crises financeiras, paraísos fiscais e que tais, de repente temos um caso satírico no centro das atenções, um caso simplesmente ridículo elevado à categoria de caso diplomático, com potencial para

  1. provocar um agravamento da relação com a Turquia com a inerente problemática relativa aos refugiados
  2. provocar uma desavença entre os partidos da coligação no governo
  3. provocar uma actualização do código penal alemão.

Aqui vai a história completa: Primeiro foi uma música com letra dedicada às brutais tropelias de Erdogan, apresentada num programa de sátira política alemão, que motivou Erdogan a convocar o embaixador alemão em Ancara para exigir a extinção do vídeo. Uma semana mais tarde, o governo federal alemão rejeitou o protesto, declarando que a liberdade de imprensa e opinião “não é negociável”.  Parecia assim estar encerrada a contenda. [Read more…]

José Vilhena

E aqueles que por obras valerosas

Se vão da lei da Morte libertando

(Canto I de “Os Lusíadas”, de Luís de Camões)

Tudo tem um fim e a vida do Mestre José Vilhena não foi excepção.

Já a sua mestria não terá, imortalizada que está em cada traço, em cada palavra com que satirizou a política, a sociedade, os costumes.

No dia da morte do Mestre, partilho convosco uma foto da capa do primeiro número da histórica publicação “Gaiola Aberta” (uma relíquia que guardo com especial carinho).

Obrigado, Mestre José Vilhena.

Gaiola Aberta

 

 

Desculpa, Dario, mas…

praxe é isto: