O fim das greves

Tal como o meu colega aventador Carlos Garcês Osório, nunca fui simpatizante de greves, embora as minhas razões sejam diferentes. A greve é, evidentemente, um acto de violência, uma bomba atómica a ser usada quando aquilo que se diz não é ouvido. Tal como qualquer outro acto em democracia, as greves estão sujeitas às críticas e pode, até, concluir-se que são injustas.

Num mundo mais próximo do ideal, as greves seriam desnecessárias; num país em que os trabalhadores sejam constantemente agredidos, num país em que os direitos sejam constantemente retirados, num país em que tudo os que os trabalhadores dizem é, quotidianamente, ignorado, o que resta aos trabalhadores? O que resta a quem fala e não é ouvido a não ser gritar? Num país em que aumentam impostos, no mesmo país em que os trabalhadores perdem subsídios, em que lhes baixam salários, onde são obrigados a dar mais dias de trabalho por ano, onde a saúde e educação são bombardeadas, entre muitos outros abusos, naquele mesmo país em que os trabalhadores, por todas estas razões, acabam por ser responsabilizados por três décadas de uma incompetência governativa que não tem fim, que se deve esperar que não seja contestação?

Aceito que haja pessoas a criticar os funcionários da CP ou quaisquer outros grevistas. Repugna-me, no entanto, que alguns, como acontece na caixa de comentários do texto do Carlos, manifestem um marialvismo serôdio, ansiando por um regresso aos tempos em que não havia direito à greve ou por uma privatização geral do país para que a matilha de trabalhadores que atrapalha o país amanse, gente que chega a considerar Ronald Reagan um herói. O Carlos ainda propõe que a CP seja vendida à Coreia do Norte, desde que isso acabe com as greves. Terá sido por isso que o governo está em vias de entregar a EDP à China, outra maravilhosa democracia?

Vamos supor que os funcionários da CP abusaram de um direito. Prove-se e aja-se em conformidade. Há quem ande, há anos, a pedir que o mesmo aconteça aos políticos incompetentes que nos prejudicaram e nada acontece. Será que, por isso, deveríamos defender o fim dos governos?

Entretanto, seria interessante reler dois textos: este e este.

Comments

  1. maria celeste d'oliveira ramos says:

    Que lamentável que ao fim de tantos anos de liberdade e libertação dos homens e da palavra , resultando daí, finalmente, o direito de falar sem mêdo, ainda se tenha de recorrer à greve, que sendo um direito e uma arma, e ainda a que há, possa no entanto magoa tanto muitos que, também tendo direitos, ainda são de certa forma vítimas desta forma de reivindicação
    O diálogo dos que são vítimas de injustiça ainda não é tido nem achado e, certamente que por isso, os prejudicados aceitem sem rancor a forma de revolta de outros tantos. Paradoxalmente, os que estão na origem da razão da greve e se manifestam e até perdem o seu dia de trabalho, e talvez mesmo o emprego, continuam apartados e triunfantes e irredutíveis – até que algo finalmente aconteça, e que o diálogo, e a palavra, elimine a dura greve e seja a arma por excelência de confronto entre os ofensores e os ofendidos

Trackbacks


  1. […] jus à pluralidade do Aventar, já antes discordei do meu caríssimo Carlos Garcez Osório e volto agora a fazê-lo. Não será, muito provavelmente a última vez, o que será sempre bom […]

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.