A música de todos os natais

Antes não fosse.

O fim das greves

Tal como o meu colega aventador Carlos Garcês Osório, nunca fui simpatizante de greves, embora as minhas razões sejam diferentes. A greve é, evidentemente, um acto de violência, uma bomba atómica a ser usada quando aquilo que se diz não é ouvido. Tal como qualquer outro acto em democracia, as greves estão sujeitas às críticas e pode, até, concluir-se que são injustas.

Num mundo mais próximo do ideal, as greves seriam desnecessárias; num país em que os trabalhadores sejam constantemente agredidos, num país em que os direitos sejam constantemente retirados, num país em que tudo os que os trabalhadores dizem é, quotidianamente, ignorado, o que resta aos trabalhadores? O que resta a quem fala e não é ouvido a não ser gritar? Num país em que aumentam impostos, no mesmo país em que os trabalhadores perdem subsídios, em que lhes baixam salários, onde são obrigados a dar mais dias de trabalho por ano, onde a saúde e educação são bombardeadas, entre muitos outros abusos, naquele mesmo país em que os trabalhadores, por todas estas razões, acabam por ser responsabilizados por três décadas de uma incompetência governativa que não tem fim, que se deve esperar que não seja contestação?

Aceito que haja pessoas a criticar os funcionários da CP ou quaisquer outros grevistas. Repugna-me, no entanto, que alguns, como acontece na caixa de comentários do texto do Carlos, manifestem um marialvismo serôdio, ansiando por um regresso aos tempos em que não havia direito à greve ou por uma privatização geral do país para que a matilha de trabalhadores que atrapalha o país amanse, gente que chega a considerar Ronald Reagan um herói. O Carlos ainda propõe que a CP seja vendida à Coreia do Norte, desde que isso acabe com as greves. Terá sido por isso que o governo está em vias de entregar a EDP à China, outra maravilhosa democracia?

Vamos supor que os funcionários da CP abusaram de um direito. Prove-se e aja-se em conformidade. Há quem ande, há anos, a pedir que o mesmo aconteça aos políticos incompetentes que nos prejudicaram e nada acontece. Será que, por isso, deveríamos defender o fim dos governos?

Entretanto, seria interessante reler dois textos: este e este.

Cada tiro, cada melro!

O Natal triste de José Pacheco Pereira

Hoje, dia 24 de Dezembro, José Pacheco Pereira (JPP) desejou-nos «Um Natal triste».
Não, obrigada, sr. Dr.! Vamos tentar que ele seja o mais feliz possível.
O historiador teve a oportunidade única de desejar Um Feliz Natal a cerca de 45 mil leitores do PÚBLICO em papel mais os leitores online. Desperdiçou-a totalmente. Teve azar que este dia tão especial fosse a um sábado, dia do seu espaço no referido diário. Sem nada para dizer que pudesse contribuir para alimentar um pouco da esperança que anda pelas horas da amargura, escreveu “Este Natal será triste. (…) Digo triste, porque mais ou menos, vaga ou profunda tristeza, todos sabem que a vida vai piorar, e que não existe esperança no futuro próximo (…). Tudo é mau para milhões de portugueses (…).
Os jovens que o lerem (leram) terão mais uma razão para o desânimo: “um mundo com emprego e com a possibilidade de «construir» o seu espaço próprio não existe”. Assim também os mais velhos terão mais um motivo para lembrar o que já adivinham, que “o fim da sua vida, a reforma, a doença, o declínio físico, vão ser muito piores, a solidão e a dependência ainda maiores”. E ainda há mais: as decisões deste Natal,  “de um Natal triste” é “matar-se, emigrar, desistir, resistir”, escreveu JPP.
Aproveito apenas a palavra «resistir».
É preciso muita resistência e resiliência. Resistir, «aguentar», « aturar», «lutar», «subsistir», «reagir», »recusar» estas palavras de pessimismo que não levam a nada. Apenas à inação e à não-vida.
Tretas são as suas palavras, JPP,  que depois de lidas vão para o papelão de forma a poderem vir um dia a transformarem-se em algo positivo e , quem sabe, virem calhar às suas mãos em algo novo.
Mesmo assim, desejo,  sinceramente, ao sr. Pacheco Pereira, um  Feliz Natal e um Bom Ano Novo.
(Numa coisa ele terá esperança: que muitos leitores tenham paciência em lê-lo e ouvi-lo em 2012…).
Céu Mota

Triste fado este!

Rejubilou recentemente a alma da Pátria. O Fado foi considerado património imaterial da humanidade. Ressuscitou Amália Rodrigues em infindáveis momentos televisivos de fervor patriótico. Voltámos a “dar de beber à dor”! Portugal ressurgiu de novo, patrioteiramente, numa hiperbólica liturgia colectiva, só entendível dentro de uma perspectiva secular e mítica da “maneira de ser português”, que se desejaria definitivamente abolida. Devo repetir uma vez mais o que já, por diversas vezes, tenho dito e escrito – gosto muito de fado, mas não gosto do Fado. Entendamo-nos. Gosto de ouvir fado, sobretudo quando cantado por mulheres. Mas não gosto do Fado enquanto símbolo mítico da Pátria, porque dá voz a um Portugal salazarento, pobre, pequenino, resignado, vencido. Não gosto do Fado enquanto mitificação de uma tristeza congénita, de um luto mental, em viagem permanente num “barco negro” existencial de um povo que, desgraçadamente, continua a viver um momento histórico de resignação, de subserviência, de conformismo fatalista, tradutor de um estado de alma tão passivo quão deprimente. Por isso, a atribuição ao Fado de património da humanidade não me aquece nem me arrefece. Não passa de um fait-divers, de uma patetice como outra qualquer. Mas continuo a gostar de fado. Muito. [Read more…]

Prendas de Natal de Coelho e de Portas

A política de saúde de Coelho, a despeito do simulacro de consulta pública da ‘Reforma Hospitalar’, tem estado activa através de obscenos aumentos de taxas moderadoras. Contudo, o ministro-contabilista Macedo ainda se atreve a declarar:

Gostaria que em 2012 todos os portugueses tivessem acesso a um Serviço Nacional de Saúde (SNS) universal e com qualidade.

Discurso hipócrita, falso. Eu e muitos doentes crónicos, de cardiologia, não tivemos possibilidades de aceder a consultas em S.Francisco de Xavier, Lisboa, desde Junho  até final deste ano. Naturalmente, que as palavras de Macedo ainda mais revoltados nos deixam.

Mas há mais. Curioso que, graças a Joaquim de Oliveira, da Olivedesportos, os hospitais públicos vão ter o serviço da SPORT TV gratuito. Ou seja, faltam consultas e cuidados de saúde, mas temos futebol e Paulo Macedo, desta feita eufórico, afirmou:

[A Sport TV] Vai tornar melhor a estadia dos doentes nos hospitais, proporcionando-lhes momentos lúdicos e até de distracção.

Eu, experiente em internamentos, estou a imaginar um doente entubado, com a agulha do soro no braço e de algália, a saltar na cama e gritar de alegria com o golo do Benfica, do F.C.Porto ou do Sporting. Assim, já vale a pena pagar taxas mais altas. E a produtividade de enfermeiros e assistentes operacionais vai disparar. [Read more…]

Directamente da Linha de Cascais


O Coro de Santo Amaro de Oeiras – não podia faltar – deseja-nos a todos um feliz Natal. Nós também desejamos.

Feliz Natal

Aos restantes aventadores, comentadores e visitantes.

Natal – Imaginário adulto ou troca social

DEZEMBRO2008+033.jpg

Com Pai Natal em Greve, o povo sem dinheiro, falidos, não há Natal: apenas sopa e pão

Para o pobre povo de Portugal

1. Natal

Os leitores devem estar habituados a ver em letra escrita nos meus textos, uma ideia em que sempre teimo: qualquer grupo social tem, pelo menos, duas formas de ser ou duas culturas: a dos adultos e a das crianças. A do adulto, esse imaginário para calcular e falir sem remédio, sem a capacidade de decidir, porque não há trabalho bem dinheiro; a da criança, essa fantasia à esperassem saber. A do adulto, para calcular e decidir, porque vive no meio das finanças, dos orçamentos. Fantasia à espera, por viver

[Read more…]

Hoje dá na net: Duck Soup

Duck Soup, comédia de 1934, eleita pelo American Film Institute como uma das 100 melhores comédias de todos os tempos (5ª posição). Tem os Irmãos Marx como protagonistas. Página IMDB. Este filme está legendado em português, veja os pormenores depois do corte.

 
[Read more…]

“Orgulhosamente Produzido em Portugal”

Como diria o outro, “bela merda” os acabamentos em tó-colante. Temos futuro.

%d bloggers like this: