Vai tu que se faz tarde

Ainda bem que não somos a Grécia

Parece que os Gregos aldrabaram as contas públicas. Nós não. Nos últimos 10 anos apenas pegámos em quatro fundos de pensões e usámos esse dinheiro para compor o défice.

  • Ferreira Leite, 2003: fundo de pensões dos CTT
  • Bagão Félix, 2004: fundo de pensões da CGD
  • Teixeira dos Santos, 2008: fundo de pensões da PT
  • Vítor Gaspar, 2011: fundo de pensões de quatro principais bancos nacionais

Só uma dúvida. Quando as pessoas destas empresas se reformarem, adivinhem de onde é que vai sair o dinheiro destas reformas…. da Segurança Social, claro. Cheira-me que alguém vai ter uma surpresita.

Combate aos Blogues

Uma coisa chamada “Combate de Blogs” que passa num canal de televisão qualquer publica isto no seu blogue alojado numa das mais chungas plataformas disponíveis em Portugal:

Estão escolhidos os melhores blogs 2011. Agora, abre-se a votação online para atribuir os prémios Combate de Blogs.

Este ano introduzimos algumas alterações, desde logo nas categorias, mas também no método. Os melhores nas categorias «Blog de Esquerda», «Blog de Direita», «Blog Colectivo», «Blog Individual» e «Blog revelação» surgem em resultado da votação de um juri alargado. Cada um dos elementos deste juri fez as suas escolhas e os mais nomeados surgem nesta lista final.

O juri foi composto por Filipe Caetano, Nuno Ramos de Almeida, Tomás Vasques, Duarte Lino, Rodrigo Moita de Deus, João Távora, Rui Bebiano, Samuel Paiva Pires, José Manuel Fernandes, André Abrantes Amaral, Miguel Cardina, Ana Matos Pires, Nuno Teles, Pedro Pita Barros, Ricardo Alves, Mariana Mortágua, Pedro Lains, Marta Rebelo, Paulo Coimbra e João Gonçalves.

Já o ano passado tinham feito uma brincadeira em forma de assim, mas este ano não ficam sem resposta. [Read more…]

Não me parece bem

Isto quer dizer exactamente o quê? Não seria mais avisado aumentar o nível de exigência, reprovar os prevaricadores por falta de assiduidade ou aproveitamento? E terminar com a gratuidade de quem não quer de facto aprender.

 

Como chegamos aqui? Mais pontos a considerar

O que sobra - Sorrisos de Vacas

O Jorge escreveu um excelente post sobre a forma como a dívida contraída pelos governos consumiu os recursos do país não nos deixando recursos que permitissem o desenvolvimento real e sustentado.

Quero aqui acrescentar o seguinte: temos tendência em culpar de todos os males o nosso endividamento (público e também privado, este último de muito maiores proporções). Mas convém não esquecer as outras asneiras enormes que os vários governos fizeram.

Por exemplo, o processo de privatizações foi de uma forma geral mal conduzido, dando preferência à “devolução” aos antigos grupos económicos dos activos que entretanto tinham perdido, em vez de se usarem as regras de mercado para o efeito. Havia na altura a sensação de que as indemnizações dadas a quando das nacionalizações não teriam sido justas face ao valor dos activos. Assim estabeleceram-se muitas negociações entre o governo e os antigos grupos económicos tendo em vista estes últimos voltarem a tomar posse das empresas.
 
[Read more…]

‘Musseque’, ‘Favela’ ou ‘Tabanca’

Não resisto à tentação de abordar o tema, a que o João José Cardoso se referiu, e bem, anteriormente. Há tempos, este Mestre, Secretário de Estado da Juventude, proclamou:

Os jovens portugueses que não encontrem colocação no mercado trabalho não se devem acomodar à situação, ‘zona de conforto’, EMIGREM!

Pensava eu, e naturalmente muitos dos portugueses, ter-se tratado de uma declaração política individual, infeliz, desfocada dos fundamentos e orientação política do governo de Passos Coelho e de Paulo Portas. Afinal eu e os outros, todos alinhados pela ideia de ser disparate de um ‘deus menor’, equivocámo-nos.

Com efeito, trata-se de um objectivo programático perene do governo, antes proclamado em relação a jovens ex-estudantes, agora reafirmado por Passos Coelho relativamente a 15 mil professores desempregados:

[Aconselharia] “os professores excedentários que temos a abandonar a sua zona de conforto e a procurarem emprego noutro sítio. Em Angola e não só. O Brasil…” Jornal “i”

Na lógica da reciprocidade da convivência democrática, entre governantes e governados, e uma vez tão saturado deste como do anterior – os meus votos não favoreceram nem um e nem outro – como cidadão posso também propor ao Senhor Primeiro-Ministro que emigre, com três destinos opcionais: um musseque luandense, uma favela do Rio ou uma tabanca entre Bissau e o Chacheu.

Publico imagens de um musseque, para ilustrar uma das ‘zonas de conforto’ de acolhimento possíveis e merecidas por quem diz lutar pelo melhor para os outros:

Um olhar genuino

Os CTT distribuíram 6000 máquinas descartáveis entre todos os carteiros efectivos da empresa para que estes registassem o seu dia a dia e, assim, mostrassem o Portugal real.O resultado é interessantíssimo e poderá ser visto em exposições por todo o país e também em livro.
Das poucas fotos que vi , pode pensar-se que os seus autores mais parecem fotógrafos profissionais e não amadores: o seu olhar é sensível e até artístico! Mas, sobretudo, muito humano. Sempre pensei no carteiro como alguém que tem uma profissão muito especial  ( talvez influenciada pelo carteiro de Pablo Neruda…) .
Os carteiros com a sua máquina descartável captaram “um Portugal mais rural e mais envelhecido do que imaginávamos ser. A pobreza e a solidão estão lá, mas estão também o humor, a capacidade crítica e o orgulho num trabalho que tenta se reinventar para poder continuar a existir”.
O seu dia a dia não lhes passa despercebido e é tudo menos banal e feio: o bacalhau madeirense a secar ao sol; um barbeiro que é também o bibliotecário e contador de histórias; as lavadeiras na ribeira como se fosse há cem anos; os edifícios antigos com as paredes rasgadas a negro; as misturas surrealistas de alguns jardins; o maior amigo do homem (arqui-inimigo do carteiro); as dificuldades de alguns, dado adquirido de outros; o velhinho que espera a reforma; as caixas de correio improvisadas; o carteiro que já é um “filho”; etc.
Um olhar tão simples, verdadeiro e genuíno. Tão português! Fazem-nos falta estes olhares…sobre a vida e o nosso país. Uma bela iniciativa dos CTT que poderá servir de exemplo… a cada um de nós: olhar com atenção à nossa volta e concluir que, ainda assim, há muita beleza em cada canto por onde passamos distraídos e sem tempo.
Valerá a pena conhecer as duas centenas de fotografias escolhidas! Parabéns aos carteiros-fotógrafos!
Céu Mota

Uma cantiga para Pedro Passos Coelho

Questionado sobre se aconselharia os “professores excedentários que temos” a “abandonarem a sua zona de conforto e a “procurarem emprego noutro sítio”, Passos Coelho respondeu: “Em Angola e não só. O Brasil tem também uma grande necessidade ao nível do ensino básico e secundário”, disse durante uma entrevista com o Correio da Manhã, que foi publicada hoje. In Público

E para o “jornalista” que faz perguntas com “zona de conforto” e “professores excedentários” no meio. Há gente excedentária, há sim senhor, na política e nos jornais, sois dois exemplos. Para vocês vai esta, com dedicatória:

Sobre a Auditoria Cidadã à Dívida pública portuguesa

«No caso de Portugal, o principal problema não era a dívida pública. Ainda que desde 2000 se tenha vindo a observar o aumento do rácio da dívida pública no PIB, até 2005 este rácio esteve sempre abaixo de 60%, o mínimo requerido pelos critérios de Maastricht, estando o seu crescimento relativamente contido até 2008.» [citado do Projecto de Resolução da Convenção da Iniciativa por uma Auditoria Cidadã à Dívida Pública; destaque meu]

Dívida em percentagem do PIBEsta iniciativa propõe-se fazer um trabalho sério sobre a dívida pública portuguesa mas começa logo, no seu manifesto inicial, com imprecisões que me levam a questionar se o trabalho final será de igual (baixo) rigor. A citação supra, para ser exacta, deveria dizer que, de 2000 a 2008 o crescimento da dívida pública foi linear e que, se a crise internacional não nos tivesse batido à porta, seria uma questão de tempo (mais 7 anos) até atingirmos o mesmo valor que se registou em 2010 (caso a tendência se mantivesse, claro).

[Read more…]

Hoje dá na net: Inside Job – A Verdade da Crise

“Inside Job – A Verdade da Crise”  expõe a verdade acerca da crise económica de 2008. Esta catástrofe, que custou mais de $20 triliões, fez com que milhões de pessoas tenham perdido as suas casas e empregos. Através de uma pesquisa extensiva e entrevistas com economistas, políticos e jornalistas, o filme mostra-nos as relações corruptas existentes entre as várias partes da sociedade. Oscar para o melhor documentário 2011.

Os Carteiros São a Alma de Portugal

© Maria Amália Cidália Marques

Os Carteiros – que perifrasticamente a burocracia chama de “agentes de distribuição postal” – são os portugueses que melhor conhecem Portugal. Mais do que qualquer sociólogo ou turista acidental, muito mais do que qualquer político em campanha eleitoral. Os carteiros portugueses percorrem a pé, de bicicleta, de mota, de metro* ou de carro todos as avenidas, ruas, vielas, estradas, ladeiras e caminhos de Portugal, 260 dias por ano. Em todos esses muitos dias, os carteiros portugueses vão à procura e ao encontro de milhões de portugueses. Os carteiros estão em toda a parte, os carteiros são nossos amigos. Os portugueses confiam mais nos carteiros que nos advogados e nos juízes. 

Os Correios de Portugal organizaram um concurso de fotografia para carteiros. Chegaram (no correio?) de todo o país fotografias de todo o país. As mais bonitas estão em exibição em Lisboa. Espero que a exposição seja levada aos outros portugueses. Ficou claro que Portugal não é só Lisboa.

* noutros tempos, os carteiros viajavam de “ambulância“.

A Biblioteca Joanina é a mais bela do mundo

A Biblioteca Joanina da Universidade de Coimbra foi distinguida com o primeiro lugar no ranking da Flavorwire, das 25 mais belas bibliotecas universitárias do mundo.

via UCV

Como chegámos aqui?

Desde que Cavaco abriu a torneira do crédito fácil que passaram a ele recorrer, de forma abundante, tanto os particulares como  empresas, instituições e governos. E porque houve recurso ao crédito para crescer? Naturalmente porque não há crescimento infinito e porque a produção de riqueza no ocidente baixou de facto graças à globalização.

Todos se queixam da bofetada que agora estão a levar mas o facto é que poucos, que até levaram com a alcunha de velhos do restelo, se indignaram com o facto do Estado, durante três décadas, ter sustentado a economia à conta de obras públicas.

Encargos dos Estado com as concessões SCUT

Vale o que vale, e vale pouco, mas o meu primeiro post no Aventar foi precisamente sobre as SCUT e sobre os seus encargos financeiros. E no Fliscorno já  há que tempos andava nesse assunto. E o Tribunal de contas já em 2003 tinha alertado para o caos financeiro que as SCUT trariam. Só não viu quem não quis. E os eleitores não quiseram ver. Queixam-se de quê? Aguentem-se, que o livre arbítrio tem destas coisas.

[Read more…]