A dúvida da saída de Portugal do Euro

Portugal e Grécia e a saída do euro

[vodpod id=Groupvideo.10682344&w=450&h=325&fv=file%3Dhttp%3A%2F%2Frd3.videos.sapo.pt%2FzvW5YYAe5TdOGAsGAYY9%2Fmov%2F1%26amp%3Btype%3Dvideo%26amp%3Bimage%3Dhttp%3A%2F%2Fsicnoticias.sapo.pt%2Feconomia%2Farticle1077060.ece%2FALTERNATES%2Fw570%2F1035751_5.png%26amp%3Bskin%3Dhttp%3A%2F%2Fsicnoticias.sapo.pt%2Fskins%2Fsicnot%2Fgfx%2Fjwplayer%2Fsic_noticias.xml%26amp%3Bautostart%3Dfalse%26amp%3Brepeat%3Dlist%26amp%3Bbufferlength%3D3%26amp%3Bcontrolbar%3Dover]

Determinados comentadores, em especial blasfemos, são permanentes e fiéis seguidores das tradições da doutrina maniqueísta. Usando argumentos simplistas, tudo o que vem das suas hostes políticas é Bom; o proveniente do lado contrário é Mau. Não se libertam deste subjectivismo.

Com o título “A culpa é do euro!…”, este texto mistura a eito, e sem nexo, uma série de conceitos que vão do ‘upgrade’ da cadeia de valor industrial – de um tecido industrial depauperado e limitado à Autoeuropa e pouco mais – até aos ‘empresários de vão de escada’. O arsenal utilizado, sem consistência, vale para visar criticamente o Prof. João Ferreira do Amaral, académico que, faça-se justiça, desde sempre reprovou a adesão de Portugal ao euro.

A certa altura, LR alega:

O que mais impressiona nestas reiteradas declarações de Ferreira do Amaral, é constatar que persistem economistas do 1º Mundo a defender para os seus países o modelo das desvalorizações competitivas.

[Read more…]

2011 o fim do fim do século XX

Em 2001 o atentado de 11-set, ao questionar o poderio daquela que era vista como a única grande potência, marcou o inicio do fim do século xx.

Entretanto tivemos o lehman brothers, variadas catástrofes ambientais, o facebook,a primavera árabe, o (quase) colapso do euro e o nosso terceiro pedido de apoio ao fmi, entre outros.

Parece-me que agora sim estamos preparados para o século XXI.

Portugueses homenageiam políticos portugueses

túnel passos coelhoLargo Eng José Sócrates

Depois da portuense homenagem ao ex-primeiro-ministro português, o Aventar soube que os portugueses estão a seguir o exemplo e a homenagear os políticos portugueses, que tanto têm feito pela nação de forma tão desinteressada. Desde o caixa bancário, que largou as mangas de alpaca para ser ministro, ao edil, que se arrisca ser preso por causa do bem que fez pelo seu concelho, consta que o reconhecimento nacional prestado pelos eleitores é uma forma de dizer obrigado aos políticos por tomarem conta de nós.  Em declarações ao Aventar, isso mesmo confirmou um cidadão residente em Portugal há 10 anos e com um domínio quase perfeito da nossa língua.   «Estamos obrigados», acrescentou ele quando interrogado sobre este súbito agradecimento. Infelizmente, não foi possível esclarecer se não quereria dizer «agradecidos».

Um desses exemplos encontra-se nas duas placas em Massamá, a recordarem que nem mesmo grave esquizofrenia agravada por séria incoerência verbal impedirá o nosso PM de cumprir o seu destino. Outro exemplo pode ser visto na Praça de S. Bento, em Lisboa:

[Read more…]

Parabéns

 

Nascido a 28 de Dezembro de 1937, Jorge Nuno de Lima Pinto da Costa tornou-se Presidente do FC Porto em Abril de 1982. Nestes últimos 29 anos, e sob a sua presidência, o FC Porto tornou-se num dos maiores clubes mundiais.

Num Norte perdido nas suas próprias culpas, Pinto da Costa e o seu (nosso) FC Porto são a excepção no que deveria ser a regra.

E num País que experimenta tantas dificuldades, eles são o exemplo da vitória no meio das maiores adversidades.

A CP é porca!

Eis a vista da automotora onde circulei hoje, num dia cheio de sol, sem uma única nuvem no ceu:

 
[Read more…]

Ideologia Governamental

Depois de tanta especulação com a direita a dizer “este governo não nada a ver connosco” ( têm vergonha), e a esquerda a protestar quer são de direita, mas com ninguém a conseguir identificar uma ideologia ao Primeiro-Ministro Passos Coelho (ou Relvas ou Gaspar) eu finalmente consegui descobrir a base ideológica deste governo:
Os ensinamentos Scroogeanos:

Alexandre Teles

O que o PM diz faz sempre todo o sentido

O mais africanista dos então candidatos, em pleno dias das mentiras – diga-se em abono da verdade – garantia que não mexeria em subsídios nem se atacaria o rendmento das pessoas. Aquele autoritário “está bem?” dirigido a uma aluna negra, materializa toda a africanidade do agora PM.

Depois, como PM indigitado, afirmou que não usaria a desculpa da situação herdada para justificar as medidas a tomar. E no entanto veio depois justificar o não cumprir as promessas com o défice herdado.

Foi então a vez do PM ficar em compremetedor silêncio quando o seu Secretário de Estado da Juventude, que catalogou o desemprego como “zona de conforto”, e pontou à juventude a emigração como rumo a seguir. O próprio PM veio até, recentemente, apontar o caminho da emigração aos professores no desemprego.

Seguiu-se a mensagem e Natal, onde o PM muito falou da reforma das estruturas que irá possibilitar os portugueses serem felizes de novo. Até lá, será de presumir que para as estruturas serem reformadas, o melhor será, tanto quando possível, evitar que haja portugueses a transitar pelo país. Até para diminuir o risco de acidentes. Mas curiosamente não falou nem de emigração nem de emigrantes.

Sim, o que o PM diz faz sempre todo o sentido.

Epilépticos: aldrabões que têm ataques e espumam pela boca

Prosseguindo a senda justiceira contra os desonestos, o governo continua a perseguir todos aqueles que se aproveitam da ingenuidade do Estado. O leitor poderá estar a pensar que, finalmente, serão responsabilizados todos aqueles que participaram e participam em Parcerias Público-Privadas ruinosas, por exemplo. Muito pior: o governo ataca todos aqueles que, devido a problemas neurológicos, perdem a consciência ou, na melhor das hipóteses, têm momentos de ausência. Deve estar para breve a obrigatoriedade de os tetraplégicos terem de se mexer para provar que não se conseguem mexer.

Conclusão: queres ser epiléptico? Paga!

É p’ramanhã! bem podias fazer hoje…

Corre viral a carta de uma cidadã indignada, filha de emigrantes, mãe, licenciada e mestre que diz viver uma vida precária. De seu nome Myriam Zaluar, a indignada investigadora de Braga aponta  a Pedro Passos Coelho, culpando-o pelo incitamento à emigração, pela situação em que se encontra, pelo Passado, pelo Presente e pelo Futuro. A carta, embora extensíssima, não impressiona pela descrição contundente como impressionaria a de uma mãe desesperada com os filhos nos braços a pedir pão à porta de uma igreja. Mas é, de facto, um desabafo sentido como muito que se ouvem e leriam (se todos os estigmatizados escrever pudessem) em tempo de crise. Há, contudo, gente que não tem facebook onde possa lançar as suas queixas, nem carro, nem casa própria. Nem filhos. Não obstante, li com atenção a mensagem da Dr.ª Myriam. De resto as notas públicas do seu facebook estão cheia de alusões à luta popular e à defesa das acampadas que, durante o verão, se reproduziram viralmente, muito embora a Dr.ª Myriam diga que, quanto à ideologia política, “está muito à frente” (o que talvez seja equivalente à antiga formula tabeliónica: quanto aos costumes nada). [Read more…]

Hoje dá na net: Rasganço

Rasganço é um filme de Raquel Freire que mostra a outra Coimbra universitária, fora dos estereótipos das capas, praxes e batinas.

Coimbra, a mais complexa de todas as personagens, conta a história:
Eu não sou só uma cidade. Sou uma estufa. Uma reserva natural para estudantes, onde eles vivem em plena liberdade.
Sou uma espécie de doce, entre a adolescência e a idade adulta. Mas só para os que puderam estudar. Os melhores. Eles sabem que são uma elite.
Uma manhã de Janeiro chegou um homem. Apaixonou-se por mim e pelas minhas mulheres.
Tolo, não percebeu que EU não sou para quem quer, mas para quem pode; e que o amor não abre as minhas velhas portas. in Filmes Portugueses

Filme completo, legendado em inglês

%d bloggers like this: