Académica à reconquista da Taça

Da primeira final da Taça de Portugal, ganha em 1939, destaque para as capas negras como resguardo contra os braços no ar de um clube do regime, levantados lá ao fundo numa saudação vergonhosa. Levaram 4-3 para baixarem a cabecinha.

Académica é futebol de causas.

Comments

  1. Maquiavel says:

    Quero ver outras fotos desse evento, para aquilatar se de facto os jogadores do finalista vencido estäo mesmo a fazer a saudaçäo romana. A bem da honestidade intelectual.

    • Carlos Henriques says:

      Ainda tem dúvida ?
      Ó santa ingenuidade ou grande necessidade de não acreditar que os de encarnado fizeram a saudação fascista ?

  2. Maquiavel says:

    Além de que o finalista vencido era täo clube do regime, mas täo clube do regime, que em 1945, aquando das celebraçöes da vitória aliada, nas ruas de Lisboa apreceram ao lado das bandeiras dos EUA, Grä-Bretanha, e França, bandeiras do Benfica, já que a da URSS estava proibidas pela ditadura. Pois, até nem haveriam outros clubes de bandeira vermelha…

    Mas repitam a vossa ladainha, à milésima vez passa a ser verdade, näo é?


  3. Aqueles jogadores do lado direito estão a mostrar os sovacos, certamente por patrocínio de um desodorizante (um bocado anacrónico, mas enfim).
    Quanto ao facto de a oposição utilizar as únicas bandeiras vermelhas, aliás encarnadas, permitidas pelo regime, desconhecia. Já que nesse dia se usaram paus sem bandeira, para bons entendedores, é sobejamente conhecido.

  4. Afonso Jorge says:

    Coimbra é uma lição …

  5. Maquiavel says:

    JJC, sabes täo bem como eu que podem estar pura e simplesmente a acenar ao público.
    Ou a fazer a saudaçäo romana. Por isso pedi outras fotos.
    Honni soit qui mal y pense.

  6. maria celeste ramos says:

    Não tive culpa de ter nascido, como meu irmão, nos anos 40 – não tive culpa, como meus pais de não terem tido alternativa de escolher tempo e lugar de nascer e mudar a cultura do tempo – e meu pai era militar e em casa não se falava de política e se meu pai “teve problemas e sei que teve” não se falava deante das crianças – meu irmão não teve outro remédio senão ser “chefe de Castelo” da mocidade portuguesa e eu cheguei a ter o “fatinho de menina de saia castanha e blusa verde, cortados para minha mãe o fazer – tive sorte pois mudei para colégio privado onde a mocidade era “ignorada discretamente” – mas meu irmão mais novo no Liceu Nacional de Santarém não poude escapar – assim os idiotas que escrevem estas artigos no aventar e devem ter famílias altamente politizadas e progressistas e cultas enjoam-me com tanto saber e progressismo – meu pai teve de ir para Cabo Verde como militar nos anos 40 e só ele sabe o que sofreu – e nós que o apanhámos transtornado – a tanto sábio só posso mandá-los a um sítio que nem quero escrever pois nem palavrões merecem que eu escreva – devem ser do “governo” ou amigos ou familiares – progresistas e iluminados de merda e ignorantes e tão humanos como o primeiro ministro e sequazes – gostava de os ver cara a cara e de lhe apertar o que não “aguentam” apertado – idiotas de merda – calem-se e n~
    ao toquem em memórias e sentimentos de quem como eu passou o que passou e tive de me aguentar e como “menina” era esmagada pelos gajos que só por terem uma pilinha se julgavam donos do mundo e sábios – idiotas apenas – já nasceram tão sábios e o que fazem afinal – do que e de quem se aproveitam ?? e como fazem girar o mundo ?? nem 1 milinésimo do que eu fiz e ainda faço, certamente, pois quem fala assim, pela boca morre o peixe

Trackbacks


  1. […] 1939, como lembra o João José, a Académica ganhou a sua única final, tendo como adversário o Benfica. Nesse mesmo texto, […]


  2. […] tivemos heróis Publicado a 16/05/2012 por João José Cardoso A propósito da primeira final da taça de Portugal, parece que algumas boas almas se abespinharam com a constatação de que na época os jogadores […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.