Não culpem as armas, mas o atirador…

-Estou plenamente consciente que este texto irá ser maioritariamente lido por portugueses, residentes em Portugal, que discordarão das minhas palavras e convicções, ainda assim não pretendo ficar calado perante o pensamento quase unânime, detesto unanimismos, que domina a sociedade europeia e por contágio também a portuguesa, sobre a questão da aquisição e porte de armas.

-Começo por dizer que também lamento as vítimas, por serem crianças a quem foi negado um futuro o crime ainda ganhou contornos mais hediondos, mas fossem idosos com 90 anos residentes num lar, para mim era exactamente igual, prezo a vida humana. No entanto, ao contrário de outros autores do blogue e não só, sempre que um louco atenta nos EUA contra a vida humana a questão volta à ribalta, com a condenação da NRA e sua defesa da Liberdade, Constitucionalmente consagrada na 2ª Emenda.

-Desde que resolvi sair de Portugal, as armas fazem parte do meu quotidiano, diariamente atravesso ruas, entro em escritórios ou levanto dinheiro em caixas automáticas a escassos metros de seguranças armados com a famosa Ak47, carregadas de munições que não hesitam disparar à mínima suspeita de tentativa de assalto. Em minha opinião todo o cidadão responsável tem direito à legítima defesa, o Estado não pode nem deve ter um polícia em cada esquina. No entanto o número de vítimas é felizmente baixo e na sua maioria esmagadora causado por homicídios perpetrados por criminosos que teimam viver à margem da Lei.

-Os proibicionistas alegam que as armas ficam ao alcance de crianças e adolescentes. Ora seguindo esse argumento, não serão os automóveis infinitamente mais perigosos?  Quantos adolescentes não terão já aproveitado a negligência dos pais e criminosamente ocupado lugar ao volante das suas viaturas, algumas vezes com trágicas consequências? Gostaria de saber quantas pessoas perdem anualmente a vida nos EUA pelo uso criminoso de armas vs. o número de vítima de criminosos acidentes de viação. Alguém de bom senso se lembrará de reclamar a proibição da população cívil conduzir? A culpa será dos carros ou do condutor? Tirem o Estado da vida das pessoas, deixem-se de proibições e apostem na forte punição de comportamentos intoleráveis, o resto são fait-divers.

Comments

  1. Jorge says:

    Eu vivi na Finlândia, na Noruega e agora na Suíça. Ninguém anda armado, o estado existe e nao há um doze avos do crime que há nos US? porqué?

  2. Jorge says:

    Mais um admirador da saga Rambo. A referencia “cultural” por excelência desta gente.

  3. A «forte punição de comportamentos intoleráveis» era claramente a maior das preocupações de mais este sujeito… Além de ser um argumento brilhante: se invariavelmente eles acabam mortos, a solução é deixar o corpo a apodrecer no deserto? Sacrificar-lhes as mães e os pais? O quê?

  4. Só deve haver armas nas mãos de quem precisa mesmo delas. Se assim não for, a probabilidade de acontecerem acidentes – ou devo dizer incidentes? – como esse aumenta consideravelmente. Isto não é apenas uma teoria. Infelizmente o que tem acontecido nos USA tem confirmado claramente esta tese. Se assim não é mostrem-me em que outro país dito civilizado têm havido situações destas com tanta frequência.

  5. Sr. António… se fosse o pai de uma das crianças que foram mortas nos EUA, concerteza não tinha essa opinião!

  6. Chatice says:

    É lamentável o estado lamentável e/ou de inocência socialista dos tugazitos, depois não sabem porque têm cá a Troika e também não sabem porque são lixados a toda a hora e nem deram pela manifestação de ontem junto do Palácio de Belém que teve uma cobertura mínima nos Média. “Sheeple”, méééééeé.
    O autor do artigo tem toda a razão, é preciso diferenciar entre a perspectiva pessoal e colectiva da questão. É óbvio que o Obama e as ONU estão ansiosos por tirar as armas ao povo americano, de outra forma vai ser difícil f****-los. Encharcar a mente das crianças em jogos de guerra e drogas psiquáticas é seguramente uma garantia para que casos destes se repitam. Se alguma coisa falhou foi o apoio a um jovem em sérias dificuldades. E para aqueles que acham o norte da europa um paraíso, aconselho-os vivamente a bazarem para lá, e a ouvirem o vídeo seguinte sobre uma lei anti-bestialidade, parece que o pessoal anda muito deseseperado por lá, deve haver mesmo poucas “armas”, LOL!!!
    Bestiality banned by Bundestag amid zoophilia rise

    • Jorge says:

      Outro Rambo psicopata.

      • Chatice says:

        Meu amigo, não faz a menor ideia do que está a dizer pois não?
        Dou-lhe um bom desconto porque sei desconhecer totalmente a realidade e a História dos EUA.

        • Jorge says:

          Conheço as bombas de Nagasaki e Hiroshima, vietnam e o napalm, o extermínio dos índios, a guerra civil, a agressão ao Iraque, os massacres e a discriminação dos negros, o KKK e os assasinatos , omperiodo macartista de perseguicao a tudo quanto era de esquerda ou suspeito de esquerda, o apioa da Cia ao golpe de pinochet, de videla na argentina e os milhares demortos que fizeram, quer mais?

    • Chatice says:

      Caro António de Almeida, como vê aqui pela pontuação, este povinho está feito ao bife e já está irreversivelmente colonizado, a menos que consiga recuperar sem armas o que o povo americanos tentam manter com elas, dentro das suas fronteiras.

  7. maria celeste ramos says:

    Bem se calhar ou não percebo quem escreve ou sou psicopata – as armas não podem andar assim àsolta nesse país da liberdade de matar como faz a CIA quando alguém incomoda (ver TV ontem e hoje) ou quando os pais ensinam as crianças logo de pequeninas – não são os soldadinhos de chumbo – claro que é cultural – os homens não são iguais nem parecidos – são inteligentes ou burros – bonitos ou feios cruminosos os decentes – uma criança de pais divoprciados e de cultura de matar (não matam pardais) só pode dar Guantanamos e penas de morte e cultura do Morte e Castigo sem castigo – nem sei o que digo – logo escrevo mais porque a liberdade é uma treta – ou aprende-se ou mata-se – Cuelho nem sabe o que é liberdade e é tão delicodoce que preferia uma besta mas que fosse inteligente e andasse aos coices na AR como ontem no Parlamento da Ucrânia

  8. Ai, ai, ai! Está a humanidade numa fase de pré-adolescência em que a impossibilidade de ver as verdadeiras consequências dos actos a leva a achar naturais as atitudes mais visceralmente básicas, mais brutalmente cruéis, mais grosseiramente primárias!

    Nada há que justifique a violência. E o porte de arma é violência! Mesmo que se alegue defesa própria, a arma, em si, é um grito de violência. As armas não são mais, neste “infantário” que é este mundo dos beligerantes, do que um brinquedo para quem não tem massa encefálica suficiente para ver a coisa como ela é. Tantos milhares de anos de civilização e a estupidez ainda impera na mente humana!

    Crianças que crescem no meio de armas são levadas a julgar que são coisas naturais, imprescindíveis à vida. Os papás estúpidos ensinam-nas a atirar ao alvo, a matar pássaros, a dominar a arte do poder pela ameaça à vida alheia. Os papás estúpidos ensinam as crianças a caçar, ensinam-nas a manejar armas, e implicitamente, ainda que o não digam textualmente, estão a programá-las para a matança. Os papás estúpidos encorajam os filhos a alistarem-se no exército, incutem-lhes a imbecilidade de dar a vida pela pátria e preferem heróis mortos a filhos vivos. Os papás estúpidos vêem honra na morte, vêem coragem na chacina, vêem glória na conquista ainda que sobre mares de sangue, e passam aos filhos esses ignóbeis valores. Os papás estúpidos vêem honra numa carreira militar, vêem honra numa guerra, vêem glória na morte.

    Digam o que disserem, armas, arsenais, exércitos e poderio bélico são o reflexo do primitivismo da mente humana, da insensibilidade, da imbecilidade e da ignorância. Muito terá que evoluir a mentalidade humana até perceber que os problemas não se resolvem ao mesmo nível da sua criação.

    • Chatice says:

      Concordo mas diga isso à elite psicopata que reina este mundo. Afinal, são eles que estão por detrás de todas as guerras e nós somos os seus peões, morrendo no seu lugar no campo de batalha e como cobaias no nosso quotidiano, no trabalho e até dentro de casa. A 2ª Emenda dos EUA é tudo o que nos separa entre a tirania mundial e a “liberdade”. O resto do verdadeiro povo americano precisa da Emenda. Conhecem esta frase?
      “When governments fear the people, there is liberty. When the people fear the government, there is tyranny.” – Thomas Jefferson

      Respondam com uma mentalidade para lá das fronteiras da europa sovietizante. OS sobrevivnetes dos gulags dizem que já passaram pelo mesmo e saben que não irá resultar, muito escaparam para os EUA e agora estão horrorizados ao descobrir que uma sombra tirânica dentro dos próprios EUA . Não brinquem com coisas sérias, por favor.

  9. O problema não é só as armas, e realmente as armas não têm culpa! Podemos matar outro ser vivo apenas com as nossas mãos, e não é por isso que vamos começar a cortar as mãos de todos!
    O problema passa pela educação, o uso de drogas psiquiátricas (como quem toma um chá de limão), pela contínua publicidade à violência e ao uso de armas como forma de resolver os conflitos, enfim basta ver as séries de televisão, os filmes de hollywood, os jogos de informática, os desenhos animados (resumo) que temos então um excelente caldo para o que se passou! Ainda há uns tempos atrás o outro bacano claramente sob efeito de drogas (legais) psiquiátricas (conforme mais tarde se veio a saber, até o nome do psiquiatra já se sabe!), também matou uma séria de animais humanos num centro comercial… E depois?!?
    Do meu ponto de vista todos nós ESCRAVOS somos utilizados pelas Famílias que mandam na actual Civilização da forma que melhor lhes convém, que é a forma que gera mais LUCROS… Se vender armas dá LUCRO então que se vendam… Até é uma forma um tanto ou quanto enviusada que controlar o número de animais humanos!
    Quanto a números, que o autor lançou para o ar, mas não se deu ao trabalho de fazer uma rápida pesquisa de cerca de dois minutos na http://WWW... Aí ficam: Mortos por Carros em 2011: 32367 – Mortos por armas 2011: 11101 (para os EUA lógico!)
    Para os carros também há solução simples, ainda para mais com a tecnologia que existe hoje em dia… Mas claro que não se aplicam pois reduziria o LUCRO dos Estados em coimas e multas e cenas do género… Logo continuamos a ser mortos em nome do LUCRO… Afinal qual é o mal?
    Abr a Todos 😎

  10. Pedro Marques says:

    Não culpo as armas, mas o poder por não te ensinar a ti a pensar. Culpo o poder por te meter na cabeça que as armas fazem falta. E que tu e muitos como tu caem que nem patinhos.

    • Por falar em patinhos… Fotografia dos amigos americanos a instalarem baterias de “misseis patriotas” na cidade de Morag, Polónia (a um passo da Rússia)… Claro que como desculpa serve a Síria… Que por falar nela, ainda não ouvi o nosso Presidente da República nem o 1º Ministro a enviarem aos pais das crianças assassinadas pelas armas europeias e americanas, o devido pedido de desculpa e de condolências…

      Nada como uma BOA GUERRA para tirar as economias do buraco!
      E vivam os patinhos portugueses!

      • Chatice says:

        Claro, e já para nem falar no belíssimo trabalho na Líbia, de facto, quantos Nobel da Paz merecerá aquele biscate?

  11. (Para o primeiro comentador) «Na Noruega (…) ninguém anda armado»? Pois não, tirando a polícia. Mas talvez devessem: talvez assim Anders Breivik não tivesse morto (77) e ferido (242) tantos. Muito mais do que em todos os últimos incidentes do género ocorridos nos EUA.

    • Jorge says:

      Mas na América andam todos armados e um miúdo entra numa escola primaria e mata 20? E depois ninguém o mata e mata-se ele.explique lá

      • «Na América andam todos armados»? Não, nem todos. As situações variam de Estado para Estado. O Connecticut, onde este massacre aconteceu, tem um dos sistemas mais restritivos no que se refere à aquisição e à utilização de armas. No Texas seria muito difícil, quase impossível, ocorrer algo com esta dimensão.

  12. Bem sei que a correlação não implica causa, mas o seguinte é, por si só, bastante condenatório. Mapa de ocorrências com armas de fogo desde 1996:

    Porque motivo têm os EUA a maior parte destas tragédias?

    • Chatice says:

      Essa é simples, porque os EUA é o país que está debaixo de maior pressão para retirar esse direito aos cidadãos e transformá-lo numa Tirania Socialista. Já ouviram falar nos campos FEMA?

      • Chatice says:

        Quantos desses tiroteios são operaões terroristas do governo secreto dos EUA? Factos são factos e a violência e os jogos de computador têm drenado a humanidade de muita juventude. As armas não são o problema mas se quiserem ser escravos, digam Não às armas.

  13. Mike says:

    O argumento da comparação com os automóveis é absurdo e estafado. Automóveis há por todo o mundo e não se conhecem grandes casos de assassínios em massa por condução…
    O problema é uma sociedade onde uma educadora de infância tem em sua posse legal três armas automáticas incluindo uma espingarda de assalto e isso ser considerado absolutamente normal.

  14. Pedro Morgado says:

    Juro que não percebo a sua argumentação em prol do uso e aquisição de armas de fogo. Primeiro diz que detesta unanismos, como se estes não fossem, por vezes, um indício de sensatez pública.

    De seguida, você defende que qualquer cidadão responsável tem direito à legitima defesa, mas utilizando antes um exemplo absurdo. Você acha responsável que seguranças armados com armas de guerra crivem de balas, sem hesitar, um larápio por tentativa de assalto ? Você chama de legítima defesa a isto ?

    Por último, lá tinha você de vir comprar uma arma de fogo a um automóvel. Pense um pouco. Pense porque razão ninguém quer proibir o uso do automóvel, independentemente deste facilitar a prática de muitos crimes. Pense porque razão já faz espécie a muita gente que uma dona de casa tenha legalmente em sua posse duas pistolas semi-automáticas, que cá só seriam utilizadas legalmente pela PSP e GNR, e uma metralhadora de guerra que faria inveja aos nossos militares.

    • Pedro Morgado says:

      errata: “lá tinha você de vir comparar”

      • Chatice says:

        Está provado que nos EUA, onde há menos armas é mais crime e assaltos. Factos meu amigo.

        • Chatice says:

          SE me perguntar se a posse de armas ía mudar alguma coisa em Portugal, claro que não, não temos base cultural para viver à Americana, infelizmente.

        • Jorge says:

          A base cultural à americana e o loby das empresas e industrias de armamento e os filmes Rambo.

          • Chatice says:

            Tem de separar o povo, do grupo de banqueiros que tomou conta do governo americano. Sabe disso, creio.

  15. maria celeste ramos says:

    OH Tuguinha o que é que queres dizer que não temos base cultural para viver à americana ?? o que me aflige é o teu adjectivo INFELIZMENTE – estão na RTP1 a chamar criminoso a Passos Coelho com as privatizações – Mª João não valoriza a TAP – mas que coisa – será que percebi ?? ai ai – estou a estupidificar e ainda bem – os Al Capones eram todos inteligentes – Ontem vi pela 1ª vez uma notícia de que os portugueses em 1961 degolaram “pretos” em Angola o que me fez lembrar os 27 meses que meu irmão não fugindo para Paris (nem eu sabia quem e como se fazia e eu não conseguiria ajudá-lo a fugir dessa guerra fraticida) mas recordo dizia que depois de TREINO aos 19 anos em LAMEGO – nos Comandos chegou a casa e disse – IRMÂZINHA – o teu irmão foi fazer um curso de ASSASSINO – Querido irmão que só ele saberá o que fez e como sofreu e nunca resolveu dentro dele pois era silencioso DEUS já mo levou – nunca esquecerei como ele traduziu o que é aprender a matar oficialmente e legalmente autorizado – Mas veio e disse que não deu um tiro a ninguém (e apanhou um só num dedo) – nem os seus homens já que era “oficial” mas mas mas – um dia foi visitado por um coronel que já cá não está – paraquedista – que o obrigou a ir a certo lugar onde ele não queria ir pois sabia que só haveria morte para todos – teve de ir – e morreram os seus soldados – e nunca mais teve alegria na vida – a alegria com que saíu daqui embora a nossa vida não tenha sido pêra doce – mas era o que era – mesmo assim a guerra transtornou-o para sempre – a revolta dos oficiais não foi isso mesmo, a revolta conta a matança libertina ?? nem mais um soldado para a guerra ?? E armas terão mesmo que existir ?? Mas hoje até a polícia tem pois que já tiveram só cacetete e agora matam os que perseguem – violência que puxa violência – eu não sei dizer melhor mas onde há violéncia eu fujo e corro para casa embora me lembre de muitas consequênv«cias na terra onde vivia, da I e II guerras mundiais – ai se lembro e como esqueço ?’ nada disto se apaga nem as mágoas que todos tivemos mesmo sem ter armas nem dar nem levar tiros – mas afinal até se mata a própria mulher e familia mesmo sem guerras – a guerra é interior e pessoal e desarranjo psíquico – e mesmo à bofetada se mata – será a violência natural no homem que se altera com o ambiente cultural ?? mas a violência natural que há no genoma humano não pode evoluoir acabando com o hábito de ter armas e fazer guerras – interessante falarmos disto e o dr Rosas a falar de AnºFerro e do SPN (agora SNI) e da Mocidade Portuguesa e de como se formataram os homens e meninos em tempo de Salazar (RTP2-21:50H) o aparelho de propaganda nacional depois da EXPO do mundo poruques se desvaneceu – o ponto de viragem é a Exposição que era a propaganda e Ferro cai ragicamente a desgraça a quem Salazar não perdoa – máquina totalizante – fabricar um português novo – agora fala Maria Keil – ai mas eu não quero recordar estas merdas velhas já me bastam as merdas novas em que a diferença se não houver mais, posso dizer e escrever merda – Para quem é Historiador ou prof de História tem de ouvir/ver este programa – fim 22H – vou mas é jantar – há coisas da minha história colectiva vivida que nem quero pensar mas actualmente andam a vasculhar-me nas memórias velhas e demolidoras mas que, afinal, também fazem parte do aço de que fiu sendo feita e modelada e qua consegui pôr na PIA – mas já muito adulta – o 25 abril abriu-me a cabeça o que não quer dizer tudo pois cada vez há menos pessoas com quem ter diálogo harmonioso – ainda restam característica de “vida enganada” – mas fico contente porque quem quer que seja diz o que quer – é muito bom assim – nem gosto de padres e sacristões a dizer amén – mentiroso de Passos ali again que nem toas pas pensões são coitado preocupado com os 600 euros – é mesmo PUTA

    • Creio ter compreendido o que quer dizer. No entanto, não sendo a favor do uso generalizado de armas, como certamente se depreende do meu primeiro comentário a este post, entendo que temos que ter consciência de que a violência existe e, por isso, as armas são necessárias.
      Ou seja, infelizmente nenhum país que queira manter um mínimo de soberania, salvo circunstâncias muito especiais, pode prescindir de ter gente preparada para se defender.
      Não concordo, por isso, que o treino militar seja um treino de assassinos, nem que não haja atividades militares que possam ser motivo de orgulho para quem as pratica.
      Se neste mundo hostil prescindirmos das nossas defesas seremos triturados pelos mais agressivos. De nada valerá refugiarmo-nos em nossas casas, pois irão buscar-nos aí, ou destruí-las-ão à distância.
      Se não houver quem defenda os pacíficos quando estes são atacados, acabará a liberdade e a dignidade humanas e, sobretudo, acabará a Paz.
      Esperemos, realmente, que o Homem evolua e que num futuro não muito longínquo possamos viver completamente sem armas, mas para já é impossível.
      Deixo uma nota de otimismo: há uns dias atrás li que, pela primeira vez, houve em Nova York houve uma noite em que não foram participados às autoridades quaisquer crimes. Situação excecional, ou um prenúncio de melhores tempos? O futuro dirá.

  16. Chatice says:

    O significado de ter armas em Portugal ou na Europa é substancialmente diferente, é uma questão constitucional nos EUA e plenamente justificada pela sua História. Quem comenta estas coisas amanda uns bitaques mas não tem a menor ideia das asneiras. Aliás, em Portugal no tempo do meu avô havia muitas armas na população e os hábitos eram bem mais rudes entre os homens. Depois envio-lhe algo para o mail Celeste.

    • Pedro Morgado says:

      “Quem comenta estas coisas amanda uns bitaques mas não tem a menor ideia das asneiras.”

      Quer corroborar a tese de que alguns destes tiroteios foram provocados pelo “governo secreto” dos EUA?

      • Chatice says:

        Sabe do interesse do governo federal em retirar as armas e rasgar a constituição americana? Sabe da tecnologia para manipular o comportamento humano ? (implantes e/ou a irradiação electromagnética, já para não falar nas soluções lentas, jogos e o bombardeamento plurigeracional de violência)

  17. Chatice says:

    Errata:
    * O significado de ter armas em Portugal, na Europa nos EUA é substancialmente diferente

  18. Eu gosto é destas coincidências:
    Dois filmes
    “The Dark Knight Rises” e “The Hunger Games”
    Dois massacres
    James
    e
    Adam
    … Mais uns comprimidos psiquiátricos (confirmados no caso do James) e pronto! Coincidências 😎

  19. E para rematar… Que já me chega de tanta “arma”…
    A melhor forma de nos roubarem a liberdade é através da maravilhosa afirmação

    “Se não estás a fazer nada de errado, então não tens nada a recear”…

    E puf… Era uma vez a LIBERDADE!

    Fiquem bem… E sem ARMAS (naturais e artificiais). Caso contrário não se podem considerar inteligentes…

    😎

  20. A verdade é que tenho de concordar com o que foi escrito…
    Mas acho que deviam avaliar melhor os futuros donos de armas, para evitar situações destas, que repetem-se várias vezes nos EUA e não só…

  21. ABILIMA says:

    CULPAR O ATIRADOR, DEVOLVE A VIDA ÀS VITIMAS ???.

  22. Mahatma Gandhi ensinou que devemos primeiro ser corajosos o suficiente antes de usar armas para nosa defensa, e só então poderemos esta para usar métodos não-violentos. Por exemplo, Gandhi escreveu em seu livro, Uma Autobiografia (página 446 ):
    http://www.zerohedge.com/contributed/2012-12-17/gun-control-big-picture

  23. Errata: Mahatma Gandhi ensinou que devemos primeiro ser corajosos o suficiente antes de usar armas para nossa defesa, e só então poderemos estar à altura de usar métodos não-violentos.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.