Seguidismo e mau trabalho

O Expresso, como bem sabemos, decidiu seguir o caminho AO90. Quer dizer, nem por isso. Já sabemos que o Expresso, de facto, não adopta o AO90. Adiante.

Rui Miguel Duarte leu aquilo que o Expresso nos trouxe acerca de recentes declarações de Francisco Seixas da Costa e, entre várias considerações, expôs mais uma amostra do caos ortográfico que por ali reina há três anos, dois meses e vinte e dois dias.

Não sei se um texto em que perspectivas, actual director convivem, por exemplo, com *atual e *setembro vai bem com um certo “chique” urbano“. É possível. Com a noção de estabilidade de uma norma ortográfica é que não “vai bem” de certeza absoluta.

Comments


  1. Obrigado pela atenção que dedicaram às minhas observações. Como se tratou de uma intervenção não lida, presumo que as críticas formuladas (acentuação, erros, concordâncias, incoerências na utilização das regras do Acordo) se dirigem ao “copy desk” do “Expresso” e não a mim.

  2. Francisco Miguel Valada says:

    Caro Francisco Seixas da Costa, parece-me claro que, no caso em apreço, a crítica de Rui Miguel Duarte apenas diz respeito à má utilização da ‘norma’ (ortográfica e não só) e se dirige tão-somente ao Expresso — não só devido à falta de revisão do texto, mas também à falta de preparação para adoptar uma ‘norma’ que não tem nem pés nem cabeça e à promoção de uma proposta ‘ortográfica’ que, ao fim e ao cabo, no Expresso não se pratica.
    A única crítica que lhe faço neste texto é à referência ‘chique urbano’, por o Público adoptar a norma 45/73. Caro Francisco Seixas da Costa, não é ‘chique urbano’, é ortografia portuguesa europeia (já sei que não se sente atraído pela dimensão técnica da coisa, mas isso não significa que ela não exista e, muito menos, que não seja importante).


    • Caro Francisco Miguel Valada: obrigado pelo seu esclarecimento. O “chique urbano” foi uma graça. Eu detesto debates sisudos e as “provocações” fazem parte da animação da conversa. Bem nos bastam as tristezas dos dias que por aí correm. Cordialmente

      • Rui Miguel Duarte says:

        Caro Francisco Seixas da Costa,

        Como apontador da peça do Expresso e crítica da mesma, faço minhas as palavras de Francisco Miguel Valada, que me defendeu suficientemente bem, sem para isso eu o ter encarregado, nem a título pro bono. Mandam o rigor e a verdade dizer que quem e o que está em causa é o Expresso e o péssimo trabalho que foi feito, de que esta peça é um exemplar, entre muitos que o dito semanário prodigaliza.
        E Francisco Miguel Valada não notou aqui outra aberração da peça: a tabula rasa da acentuação…

        cumprimentos,
        Rui Miguel Duarte


  3. Não é «ortografia portuguesa europeia». É ortografia portuguesa, ponto final. Quem a não sabe que a aprenda. Ou funde outro idioma.
    Portugal ser na Europa não é minimamente relevante para o caso.
    Cumpts.


  4. No mais, o lodo em que chafurda o saco de plástico é bem a medida do acordismo. O embaixador Costa só teve o tratamento que merece.
    Cumpts.


  5. Respondeu à provocação. Óptimo. Deve querer animar a conversa.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.