Possibilidades

politicians

Olhando para o actual “governo” (e para os anteriores, claro), podemos dizer com toda a propriedade (privatizada) que os portugueses votaram acima das suas possibilidades.

Comments

  1. Fernanda says:

    Parece que sim, que muitos portugueses votaram acima das suas possibilidades…..

    E a tática já esperada está em marcha: a do fim da recessão e da espiral recessiva. A comunicação social escreve sobre o assunto, na TV sucedem-se os comentadores do costume a referirem o facto, muitos comentadores de economia dão o mote, Aníbal Cavaco Silva também: a chantagem e o bullying social estão em alta, mais do que nunca. Estamos quase lá, estamos quase lá! Quietinhos, não respirem……

    Entretanto, como de costume, vem à baila o Sócrates e a sua narrativa sobre o jogo de Eusébio. Lê-se que se trata de um perigoso mentiroso, por oposição aos actuais governantes que mentem de modo inocente.

    Nuno Crato, na sua insustentável demagogia de ex-maoista, afirma que o que se deseja é uma exigência na escola, como elavador social dos alunos mais pobres e com menos recursos. Os jornais colocam uma sete para cima nesta intervenção do ministro da educação e ciência- como se esse não fosse um consenso geral.

    Mas ninguém questiona como é que financiar o privado em detrimento da escola pública, o aumento de alunos por turma, a falta de profissionais e a falta de pessoal auxiliar, entre tantos outros assuntos, pode levar à exigência.

    A exigência, para Nuno Crato, será aferida em exames. Exames a rodos.

    Este é uma exemplo de propaganda baixa que grassa pelo país.

    Pelo exemplo da gravura do poste, querem-nos “screwed”.

    As eleições estão aí.

    “Guerra é guerra”. E o PS continua a limpar e a polir as armas, à espera que o seu líder se decida pela diáspora.

    • Nem mais, Fernanda, nem mais. O que descreve é apenas uma amostra. A lavagem cerebral ainda está a começar. E como sabemos, a memória é curta.

  2. portela says:

    Afinal, o sujeito era um atarraxador, uma chave de fendas, falante, travestida de parafuso.
    .

    • Portela, lembra-se deste vídeo?
      http://aventar.eu/2012/09/10/pedro-passos-coelho-o-best-of-um-ano-depois/
      A imagem deste post representa esse vídeo.

      • portela says:

        Lembro, lembro, obrigado MCS. O caminho, faz-se andando, subindo e descendo, olhando para o Céu e para onde se põe o pé, ás vezes o olhar tem disto; descobre ao longe o que parece ser uma estrela e depois, revela-se um calhau.
        .
        Felipe La Feria parece que sabe interpretar o fenómeno.

        • Nem me fale do La Feria, ele é que é o culpado disto tudo 😉

          • portela says:

            É o que dá enroscar à bruta, tipo Passos Coelho. O parafuso pode entortar e até partir. Primeiro deve-se ter em conta o material a perfurar. Duro ou mole não é a mesma coisa. Se é duro aperta meia volta para a direita e alivia meia volta para a esquerda, só depois dá uma volta completa ao parafuso. Este é um método seguro e não provoca danos colaterais.
            .
            É a Dialéctica da rosca. Teso, antítese e síntese.

          • Dialéctica da rosca é perfeito. O Portela tem aí matéria para um bom ensaio 🙂

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.