Fugir para uma ilha

seria solução para alguma coisa?

O imposto sobre as pensões é inconstitucional?

Não faz mal, cria-se um novo imposto sobre as actuais pensões e ainda um outro sobre os que ainda não têm pensões.

A prova no Porto e no Funchal

Portugal é um país surpreendente. Somos um país que forma Enfermeiros e Engenheiros e depois os exporta com bilhete apenas de ida. Infelizmente, esta fuga, no caso dos professores, é algo já com uns anos. Se os estaleiros de Viana colocaram no desemprego 600 trabalhadores, o Ministério da Educação, nos últimos anos, reduziu o número de professores contratados de 38 mil para 14 mil. Sim. Leram bem – saíram do sistema, para além dos que se aposentaram, 24 mil docentes. Uma parte deles desistiu da profissão, mas há alguns que insistem em correr atrás de um sonho. Só assim se percebe a forma como lutaram contra a Prova que Nuno Crato, estupidamente, decidiu aplicar.

Depois de ter feito um acordo completamente imbecil com a FNE, Nuno Crato manteve a obrigatoriedade da prova para menos de 500 professores, porque os outros 13 mil que têm menos de cinco anos de serviço, não estão a trabalhar. Logo, a qualidade que Nuno Crato quer trazer à Escola Pública reduz-se a 500 dos cerca de 100 mil docentes em exercício. Há números que falam por si.

Mas, esta é a dimensão política onde, no dia 18, os professores deram uma resposta avassaladora. Há uma outra área em plena actividade: a jurídica. Depois do Tribunal do Porto, agora é a vez do Tribunal do Funchal.

Nuno Crato, és o elo mais fraco! Adeus!

O cálculo de probabilidades à moda do Cunha

Cunha, já de si, é palavra de significância negativa – viver à custa da ‘cunha’ não é propriamente uma forma de vida louvável, embora o privilegiado saia ganhador; mas caramba!, o jargão estigmatiza mas não é letal.

O pior de tudo é haver os Cunhas, que pela vida fácil que lhes oferecem, ganham um impulso enorme de auto-estima e, sem a menor consciência do ridículo, manifestam-se em pretensiosos raciocínios e conclusões, para os quais a cunha em nada contribui e a estrambólica petulância desmascara.

O Cunha é favorável ao encerramento da MAC. Tem todo o direito a tal opção. O que não é acto de mínima inteligência é o recurso a cálculos de probabilidades enviesados, para defender a sua dama. Aqui, demonstrando falta de conhecimentos de estatística analítica, questiona:

Qual é a probabilidade de 1 de 5,4% dos bebés nascidos num dado ano acontecer no dia 1 de Janeiro entre as 0h00 e as 0h05, em Lisboa e na Maternidade Alfredo da Costa?

[Read more…]

Talvez a malta de direita

possa explicar melhor

Um abraço aos professores portugueses

Santana Castilho *

Há crónicas que nascem de jacto, outras que se arrastam. Comecei por ensaiar uma retrospectiva sobre o ano que terminou. Abandonei. Digitei linhas e linhas sobre o ano que vai seguir-se. Não gostei. Parei e recordei. Porque é mau que percamos a memória colectiva.

Recordei escolas fechadas aos milhares, Portugal interior fora.

Recordei os protestos, onde hoje vejo esquecimento.

Recordei as falsas aulas de substituição, com que Maria de Lurdes Rodrigues iniciou a proletarização dos professores. Perdeu em tribunal mas abriu um caminho sinistro. E hoje vejo Crato, oportuno, trilhá-lo com zelo.

Recordei a divisão dos professores em titulares e outros. Caiu a aberração mas persiste a tentação. De que outra forma se explica a disponibilidade para examinar colegas a três euros por cabeça?

Recordei o altruísmo anónimo por parte de professores, que testemunho há décadas, no combate nacional ao abandono escolar precoce. Vejo, atónito, o novo desígnio governamental de promover o abandono docente precoce. [Read more…]

O Rio Tinto

Mudar de ano pode, no caso em apreço, ter sido apenas uma mudança entre uma terça e uma quarta. Será, para muitos outros, uma alteração entre um ciclo de objectivos e uma nova carga de trabalhos para mais 365 dias. Mas, não deixa de ser também, apenas e só mais um momento em que os rios continuam a correr para o mar.

Neste caso concreto, a variável rio torna-se o receptor da incompetência de uma empresa, de uma sociedade ou sei lá de quem mais. A culpa pode até ser do Pai Natal ou do Pinto da Costa (eu, pessoalmente, aposto nesta última):

A notícia do Porto Canal não precisa de legendas.

Quem vive na zona do Meiral, em Rio Tinto (Gondomar) já se habituou há muitos anos aos maus cheiros que invadem todos os recantos de cada uma das casas daquela zona. Uns dias melhores, outros piores, mas sempre presentes para nunca livrar a memória de cada um da existência daquele monstro. Era o custo que alguns tinham que suportar para o bem de todos. É esse o preço da vida em comunidade. Para além dos camiões a circular permanentemente pelas ruas onde antes se jogava à bola havia os cheiros, sempre os cheiros.

Acontece que o preço que a ETAR custa a cada um de nós não se justifica. E por uma razão simples: não funciona. E não funciona porque a Empresa que tem a sua propriedade é incompetente para o fazer.

Não sei se a solução passa pelo Pai Natal ou pelo Pinto da Costa – mas o novo Presidente da Câmara Municipal de Gondomar, Marco Martins, tem que resolver esta situação e com urgência!

O fim da recessão

fim da recessão

Seguindo a velha escola portuguesa de fazer leis para mudar o que fica tudo na mesma, Cavaco Silva declarou que “Portugal saiu da recessão em que estava mergulhado desde finais de 2010”. Agora é só uma questão de avisar o pessoal das filas às portas da Segurança Social que estão ali a perder o seu tempo.

Good Bye Lenin!

Goodbye_Lenin_PosterArt

Good Bye Lenin!. Página IMDB.

Molhem Barakat 1995-2013

aleppo-2-novembre-2013-reuters-molhem-barakat

Molhem Barakat, Aleppo, 2 de Novembro de 2013.

Os monstros e o futuro

ali-baba

Pela quinta vez, num espaço de pouco tempo, vejo aqui referências a Ali Babá como se este pobre e honesto personagem fosse cúmplice – ou mesmo chefe! – dos cruéis 40 ladrões da história das 1001 Noites.

Ali Babá foi, pelo contrário, o modesto espertalhão que enganou os bandidos e lhes roubou pingues tesouros. Mantendo-se discreto, lá ia surripiando o que podia – ladrão que rouba ladrão… – sem dar nas vistas, ao contrário do seu ambicioso e bronco irmão que, por imprudente, acabou esquartejado aos pedaços pelos despeitados ladrões. E conta-se um conto tão violento às crianças? E outros, que bem sabemos que os contos tradicionais, quer estejam recolhidos em livros mais ou menos clássicos – ou mesmo sagrados – quer estejam dispersos pela tradição popular, estão cheios de sangue, violência, monstros. Muitos monstros. Gigantes que comem crianças, bruxas más, vampiros, reis brutais, dragões, deuses e demónios intrometidos e com mau feitio, assassinos de toda a sorte. E isto não aterroriza crianças e adultos? O que tiram eles, afinal destas histórias? O que aprendem? Que existem monstros? Não. As crianças, tal como os adultos, sabem que os monstros existem. O que os contos ensinam é que eles podem ser vencidos. Que seja esta consoladora mensagem que nos ajude a enfrentar com coragem o ano que aí vem.