Costa concórdia

Apesar de tudo o que por aí se diz e se escreve, continuo na minha (ou enfim, na única possível): Costa is the man. Ou como escrevia Clara Ferreira Alves no sábado passado, «ou Costa ou nada». Nada não vinha mesmo nada a calhar. Nada seria verdadeiramente trágico para o povo, mais do mesmo maquilhado de consenso, ou seja, nada. Se é para eleger nada, prefiro o que temos, apesar do problema de representatividade que me aflige, do autoritarismo, do faz-de-conta sem retroactividade dos senhores doutores juizes do Constitucional, da falta da política (e tanto que precisamos dela para atenuar a desigualdade galopante), dos excessos da economia dos mercados planetários. Havendo Costa, farei então algo verdadeiramente inédito na minha vida de eleitora: votarei no PS, assim haja primárias (venham elas, onde é que é para ir? À junta de freguesia da minha residência?), ou a liderança do PS se resolva a contento dos interesses urgentíssimos do País antes de umas cada vez mais possíveis eleições antecipadas.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.