Costa concórdia

Apesar de tudo o que por aí se diz e se escreve, continuo na minha (ou enfim, na única possível): Costa is the man. Ou como escrevia Clara Ferreira Alves no sábado passado, «ou Costa ou nada». Nada não vinha mesmo nada a calhar. Nada seria verdadeiramente trágico para o povo, mais do mesmo maquilhado de consenso, ou seja, nada. Se é para eleger nada, prefiro o que temos, apesar do problema de representatividade que me aflige, do autoritarismo, do faz-de-conta sem retroactividade dos senhores doutores juizes do Constitucional, da falta da política (e tanto que precisamos dela para atenuar a desigualdade galopante), dos excessos da economia dos mercados planetários. Havendo Costa, farei então algo verdadeiramente inédito na minha vida de eleitora: votarei no PS, assim haja primárias (venham elas, onde é que é para ir? À junta de freguesia da minha residência?), ou a liderança do PS se resolva a contento dos interesses urgentíssimos do País antes de umas cada vez mais possíveis eleições antecipadas.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.