Expulsar ciganos com música

O autarca de Landen (Bélgica), Gino Debroux, queria expulsar um grupo de ciganos que acampou na cidade. A conversa com o líder da comunidade não correu bem e o autarca lembrou-se de contratar um DJ para pôr música a tocar a 95 decibéis junto do acampamento.

Acontece que o DJ escolheu começar com o “Sultans of Swing” e o resultado foi pôr a criançada toda do acampamento aos pulos.

Constata-se que este autarca, que diz que queria usar “um método não-violento”, não percebe nada acerca de ciganos, muito menos sobre crianças, muito pouco sobre não-violência, e contratou um DJ que não sabe afugentar pessoas, até porque não é para isso que habitualmente lhe pagam.

Se isto tivesse sido em Portugal, o resultado teria sido outro. Autarca luso, em condições semelhantes e dado a iguais delírios criativos não estava com meias medidas. Ligava à Joana Vasconcelos e encomendava-lhe um sapo gigante, todo de renda em croché, aplicações de poliéster, olhos de farolim, que se pudessem avistar dos aviões, e, no mínimo, uns quatro metros de altura. Com a vantagem adicional de que ficaria bem em qualquer rotunda.

Comments


  1. Em toda a Europa mais que 50% dos ciganos são evangélicos, portanto nem a Joana Vasconcelos e algum sapo de renda afugenta ciganos, mas comprem sapos de barro ou de renda e ajudem essas empresas a sair da crise! Se vivemos 500 anos de perseguição e nem um holocausto nos derrubou, não são este artigos e posts desfazados da realidade que nos afecta! Sejam felizes com a vossa ignorância…

    • mottinni says:

      Compreendo a “brincadeira” implícita no texto de carla romualdo. No essencial, carla e bg até concordam.Assim como o DJ não funcionou para afugentar ninguém, também a “instalação artística” dos sapos não funcionaria. Seria a “forma criativa” das mentes lusas, por comparação com a “forma criativa” da mente do autarca da bélgica. A finalidade dessa “forma criativa” é o qu está a ser criticado. Enquanto ñ funcionar, estamos nós bem. Neste caso, a ignorância é uma coisa boa. O problema é existir essa vontade de afastar comunidades, famílias, pessoas. O problema é pessoas a desempenharem cargos públicos, implementarem medidas com o objectivo de excluir, expulsar uma parte da população. O problema é as sociedades civis aceitarem isso como um preconceito que já é normal.


  2. Atrás de um monitor todos têm coragem e os tomates no sítio…


  3. Ciganos?! São pessoas maravilhosas…Um pouco excêntricas, talvez. Mas fantásticas. E as fêmeas?! Só não caso com uma porque os pais dela não deixam as gajas casar com quem não seja cigano. Se calhar são racistas…


  4. se calhar é mesmo por aí, pelas “fêmeas”. Quanto (mas quanto!) preconceito tem na basezinha o ressabiamento de quem levou uma tampa.


    • E se eu tiver uma filha e não a deixar (é uma forma de expressão porque isso seria impossível) casar com um cigano?! O racista sou eu?!

      Esqueça lá isso do preconceito, do ressabiamento e da tampa…Não se deite a adivinhar. Nem se ponha a ofender porque isto é como diz o outro acima: atrás de um monitor têm todos muita coragem.


      • Ó KK, eu não me deito a adivinhar, só lhe respondo. Você é que faz generalizações sobre ciganos e “fêmeas”. E quanto à coragem atrás do monitor, e sendo certo que eu não ando aqui para comprar guerras, respondo-lhe o mesmo que já respondi a outros: eu dou o nome e a cara e nunca me escondi atrás de pseudónimos.


        • Carla se calhar nao percebeste bem, se calhar teras tb k aprender a ler, eu sou cigano sim, e felizmente sei ler e escrever ao contrario do estereotipo criado, talvez ate tenha mais instrucao do k tu, mas nao vou perder o meu tempo. A ironia com k escreves pode ter mt de positivo para os ciganos, so k o teu artigo e aproveitado ate ao osso para nos desancarem em comentarios como podes verificar. Mete te na nossa pele e dp reagirias da msm forma com k eu estou a reagir. Seja positiva ou ironica isto e aproveitado para sermos motivo de ultraje


          • BG: quiseste ler neste texto um ataque à comunidade cigana e não há aqui nada disso, antes pelo contrário. E parece-me que, mais do que a instrução, que nunca esteve em causa aqui, conta a intenção com que se lê e interpreta, e sobre isso pouco posso fazer, a não ser clarificar que nunca escreveria nada com a intenção de humilhar ou denegrir a comunidade cigana ou qualquer outra. Quem aproveita para fazer os comentários que referes não muda em nada o que escrevi, só se revela a si próprio.


  5. off topic
    Quando vejo um desses sapos na porta de uma loja nem entro. E não sou cigano. Acho ridículo.


  6. Quanto barulho nestes comentários! Creio eu, estão a trocar farpas por nada, ou por equívocos da comunicação; a entender ironia por apologia e por aí vai… Aqui, no Brasil, há algum tempo, um certo prefeito quis espantar os homossexuais da sua cidade e baixou um decreto proibindo-os de entrar lá; resultado: acabou por chamar a atenção da mídia e daí a ter sua cidade transformada em ponto turístico para os gays do país, foi um salto (eu mesma quase fui lá conhecer a pitoresca cidadezinha)…


  7. Conto-lhe a realidade: uma família cigana chega a uma vila em tempo de colheitas. Faz pela vida. O autarca da terra reúne com o patriarca e arranja-lhes uma zona para o acampamento. Manda colocar um ramal de água com torneira. Com contador, para promover o sentido cívico e facilitar-lhes a vida. Acaba a época das colheitas e a família vai embora. Ninguém pagou a água. A matéria prima de uma fábrica perto foi toda queimada na fogueira do acampamento. Um rasto de lixo e destruição marca o local. Agora explique lá ao autarca como é que os há de receber na próxima época!


    • Xico, isso não é “a” realidade, é só parte dela. E tão parcial que não chegamos a saber o que conta a família cigana sobre a experiência – foram pagos? a preço justo? etc, etc.

  8. mario says:

    coloquem cuecas ferro as crianças porta dos infantários e das escolas pode ser que assim os da raça perfeita(branca) nao façam mal crianças

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.