SG, UGT (II)

Carlos Silva, secretário geral da UGT, garantiu-nos a todos que o aumento do salário mínimo “era pouco, mas era um sinal”. Um sinal?! Fiquei em pulgas para saber se o líder sindical tinha tido, em êxtase místico, uma revelação, se era mais um vislumbre obtido nas artes de bruxaria, se se trata de uma complexa operação de física quântica ou se, mais prosaicamente, o sinal é coisa do foro dermatológico.. Por favor, Carlos Silva, não nos deixe nesta dúvida!…

3 comentários em “SG, UGT (II)”

  1. Já estou a ver os filhos da empregada têxtil que trabalha por 470 euros mensais olhando para os pratos vazios do jantar inexistente, perguntado, em uníssono: “Ó mãe, que é isto?!!!” E a senhora, com um sorriso de orelha a orelha, respondendo alegremente a seus famintos filhos: “São sinais, meus queridos; comam, que é um petisco dos bons”.
    Entretanto, hoje o Sol brilhou, e os alienados deste asilo de doidos continuaram a dizer sandices…

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.