Imigrantes a mais?

Um dos blogues associados ao diário espanhol El País, o Café Steiner, destaca hoje um gráfico publicado no estudo anual sobre a opinião pública “Transatlantic Trends” (edição de 2014), particularmente interessante no que diz respeito à questão da imigração. O gráfico mostra a resposta obtida em vários países da União Europeia, na Rússia e nos EUA à pergunta: “Acha que há demasiados imigrantes no seu país?”.

O que torna as respostas ainda mais interessantes é o facto de surgirem divididas em dois grupos. Um primeiro grupo, assinalado a cinzento claro, a quem foram indicados os números reais da imigração antes de serem convidados a responder, e um segundo grupo, a cinzento escuro, a quem não foi dada nenhuma informação. Isto é, enquanto o primeiro grupo avalia dados reais, o segundo pronuncia-se sobre uma percepção. E as diferenças são flagrantes.

No caso grego, país onde a extrema-direita tem consolidado o seu crescimento à força da culpabilização dos imigrantes pela situação económica, a diferença de avaliação é de  27%, no primeiro grupo, para 58%, no segundo. No Reino Unido do UKIP, os 54% não informados contrastam com os 31% a quem foram dados números concretos. E na França da Frente Nacional, do primeiro para o segundo grupo há uma subida de 15% para 29%, quase o dobro.

À excepção da Suécia (19% no primeiro grupo, 17% no segundo) e da Polónia (caso único em que a percentagem é exactamente a mesma), em todos os casos a percentagem de cidadãos que acredita haver demasiados imigrantes no seu país é mais reduzida, e em alguns casos, de forma muito acentuada, quando tem acesso a dados reais sobre o número de imigrantes a viver no território. EUA e Rússia revelam a mesma tendência que a dos países da UE.

A crença de que há “imigrantes a mais” assenta, ao que parece, em percepções, propaganda, ideias erróneas não sustentadas por números reais. E é nessa ausência de informação veraz que os partidos de extrema-direita encontram terreno fértil para plantar preconceitos, apontar falsos culpados e contabilizar votos com um simples apontar de dedo aos bodes expiatórios mais frágeis.

Descendo ao muito particular, o caso concreto do meu bairro, no Porto. Nos últimos anos, instalaram-se aqui dezenas de famílias de diversas proveniências mas em particular do Bangladesh e do Brasil. Gente normalíssima, com trabalhos mais ou menos precários como toda a gente, com filhos pequenos na escola, que faz as compras na mercearia da esquina e recebe amigos em casa. Nunca deram problemas a quem já cá estava nem vice-versa. Nos últimos meses, um grupo de cinco ou seis romenos (e já havia algumas famílias romenas por cá) foi gerando uma série de situações conflituosas com os vizinhos. O caso chegou à imprensa, saíram umas quantas notícias. Foi quanto bastou para que o partido de extrema-direita que por cá temos espalhasse os seus execráveis cartazes xenófobos pela zona, procurando capitalizar o descontentamento em relação a um pequeníssimo grupo e pegar fogo ao rastilho da intolerância. Ninguém lhes ligou muito, valha a verdade, mas ficou clara a estratégia oportunista.

A tendência é clara e estamos avisados: manipular os dados da imigração rende votos. E custa vidas.

Comments


  1. Em Roma sê romano, lá diz o ditado.

    Os “romenos”, como são vulgarmente conhecidos, não são “romenos”, não formam parte da população “típica” da Roménia.
    Na Roménia, como cá, as pessoas tomam banho, as pessoas sentam-se nas cadeiras, as pessoas compram o bilhete para o comboio. Há os romenos e há os “ciganos romenos”, representado 2% da população da Roménia e, à semelhança de muitos outros sítios, uma etnia com enormes problemas de integração. Lá como cá mas lá de forma particularmente severa.
    E diz quem lá mora que a polícia os trata de forma particularmente dura.

    Há os ciganos romenos que lançam sobre toda a população um anátema de maldição e desconfiança; há o camionista romeno que emigra para França para assinar um contrato de trabalho que acaba por não assinar porque o novel patrão fica a saber que ele é… romeno, condição primeira a única para ser posto na lista dos proscritos. É por isso que se tornam tão detestáveis os “ciganos romenos”, lá como cá…

Trackbacks

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.