O Pedro Manuel:

«a encarnação do “último homem” de Nietzsche (…), um homem pós-histórico (…), homem anónimo (…) sem substância (…), representante perfeito da pequena burguesia planetária que herdou o Mundo» para levar a Humanidade «ao encontro da sua destruição». António Guerreiro, genial como sempre, no Ípsilon/Público de anteontem.

Comments

  1. Arrasador.

  2. Interessante… mas deixa um detalhe importante de fora, o povo não quer mais que isso. Foge da grandeza e de princípios como o diabo da cruz.

  3. António Fernando Nabais says:

    Do vazio pode, efectivamente, nascer o génio: Passos Coelho nasceu para que o António Guerreiro escrevesse este texto.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.