Uma ideia simples para ajudar quem precisa

AJudar

As redes sociais são, como diria Jaime Pacheco, “uma faca de dois legumes“. Um dos legumes bons é a facilidade com que se pode “viralizar” um pedido de ajuda quando todas as outras opções se esgotam. Deparei-me recentemente com o caso da Luna, uma menina de Vila do Conde que sofre de leucemia linfoblástica aguda e que, perante a ausência de soluções em Portugal, encontrou em Londres uma alternativa que poderá muito bem salvá-la desta terrível doença. Contudo, e apesar do valor dos tratamentos ser incomportável para a família, ninguém baixou os braços e, com a ajuda de outras pessoas, lançou uma campanha de angariação de fundos com vista a obter o valor necessário para concluir os tratamentos. 

Por estes dias, a minha equipa de trabalho combinou um jantar de Natal, daqueles jantares em que nos juntamos para conviver e fazer trocas de prendas. Decidimos entre todos que a prenda não poderia passar dos 5€. Como o nosso, centenas ou mesmo milhares de jantares deste género acontecem durante o mês de Dezembro. E quantas vezes nos vemos na situação de termos que comprar algo sem saber bem o quê, acabando por comprar uma qualquer bugiganga que acaba esquecida no dia a seguir? Nisto, uma colega teve uma ideia simples e brilhante: e se, em vez de gastarmos o dinheiro numa dessas bugigangas, fizéssemos uma transferência de 5€ para a conta da Luna? Não é esse um dos propósitos do Natal, fazer os outros, principalmente as crianças, felizes? A equipa acolheu imediatamente a ideia e, no dia do jantar, trocamos transferências bancárias entre todos.

E é exactamente esse apelo que agora endereço ao caro leitor: este mês, quando fizer o seu jantar de Natal com a sua equipa de trabalho ou grupo de amigos, em vez de trocar bugigangas, ajude quem precisa. Infelizmente existem muitas crianças e adultos na situação da Luna, regra geral provenientes de famílias carenciadas que muitas vezes não sabem sequer o que fazer para conseguir ajuda. Mas com certeza que todos conhecemos uma situação na nossa rua, na nossa cidade ou noutro lugar qualquer de alguém que precisa. Neste Natal, em vez de trocar objectos cujo destino mais que certo é acabar no esquecimento de uma gaveta, ajude quem precisa. Se um milhão de portugueses trocasse transferências de apenas 1€ nos seus jantares de Natal, seria um milhão de euros a mais para salvar vidas.

Fica a sugestão, simples e capaz de salvar vidas. Bons jantares!

Comments

  1. Eduardo Gaspar says:

    Mesmo assim, não sei até que ponto esta não será mais uma forma de assistencialismo ?

    • pSalaberth says:

      Quando a necessidade me bater à porta com certeza não serei eu a dizer não a este assistencialismo. Aliás quer eu quer a minha filha, já curada, com certeza agradeceremos profundamente a generosidade dos assistencialistas.