Quando o PSD era Pelo Socialismo

Portas JSD socialismo

Houve um tempo em que o PSD se assumia como um partido social-democrata, posicionado no centro-esquerda do espectro, e tinha como órgão oficial de comunicação um jornal chamado “Pelo Socialismo que, ironicamente, chegou a ter como director-adjunto um jovem promissor de seu nome Paulo Portas, que mais tarde acabaria por virar costas ao PSD, cansado do socialismo, tão em voga na década de 70, e dos “quadros medíocres” que tornavam a sua militância “uma grande maçada“.

Hoje, na era do liberalismo selvagem, o PSD encontra-se a léguas do centro-direita e não quer sequer ouvir falar de nada que inclua as palavras “esquerda” ou “socialismo”, apesar de não perder uma oportunidade para trazer à baila o nome de Francisco Sá Carneiro, esse que hoje seria muito provavelmente considerado um perigoso esquerdista, em linha com personalidades como Pacheco Pereira, que hoje enfrentam a excomunhão social-democrata.

O que é hoje o PSD? Pouco mais que um híbrido controlado por destacados maçons, carreiristas incubados na JSD e barões público-privados que se passeiam entre São Bento e as sedes do PSI-20 e dos grandes escritórios de advogados na capital, sempre envolvidos no negócio do momento, aconselhando, assessorando, vendendo ou comprando, sempre do lado certo do lucro e nunca do lado do prejuízo onde nos encontramos nós, os 99,9% que pagam impostos, resgates de bancos, negócios ruinosos para o Estado e mordomias mil. A propaganda chega-nos do jornal online a que alguém um dia chamou “a Fox News do PSD“, e ainda temos que levar com vitimizações e desculpas patéticas sobre a radicalização de um partido tomado pelos interesses economicistas dos senhores do capital.

Será que dá para pasokizar?

Comments


  1. Convém contextualizar…

  2. Ernesto Martins Vaz Ribeiro says:

    Devia querer dizer “Nacional Socialismo”.
    Uma gralha, mas não interessa …

  3. JgMenos says:

    Fala-se de socialismo sempre que se distribuem armas ao povo. Pudera!

  4. De reaccionário militante. says:

    Sempre foram muito coerentes…os salazaristas!

  5. JgMenos says:

    No tempo do ‘Partido Socialista, partido marxista’.
    Com uma arma apontada quem não é socialista?


    • Coitadinhos, tinham uma arma apontada. Soltei uma lágrima, estou emocionado.

      Ah, as eternas vítimas da direita. Felizes das donzelas que têm os seus trolls para as defender das bruxas más da esquerda!

Trackbacks


  1. […] O primeiro-ministro deputado Pedro Passos Coelho incorporou a fórmula Marcelo Rebelo de Sousa e percebeu que a sua ressurreição política não se resolve com o paleio de saco pós-Legislativas da ilegitimidade. Vai daí temos um novo Passos Coelho, em contagem decrescente para uma eleição para a qual não se lhe conhece um único oponente, e surge, qual Marcelo a discursar na Voz do Operário, com o slogan “Social-democracia, sempre“. Depois de anos enfiada no fundo de uma gaveta fechada a sete chaves, a farsa da social-democracia está volta. Mais um bocadinho ainda voltam a ser Pelo Socialismo. […]