La banque c’est moi

Mas Estado não enterra 1985 M€ no BES.

Comments

  1. Eu avento says:

    Este post é um tiro ao lado.
    O estado não enterra coisíssima nenhuma.

    Quem enterra vão ser o “obrigacionistas sénior”, primos dos accionistas e irmãos obrigacionistas subordinados, ou seja, quem detinha o Banco ou quem lhe emprestou dinheiro.

    Aliás, não percebo porque isto não foi feito também no Banif.


  2. Até que enfim que aparece uma solução digna neste país. O BES Mau vai ser liquidado portanto estas obrigações vão deixar de existir. O que eu me pergunto é: porque é que isto já não foi feito aquando da primeira recapitalização do Estado\Fundo de Resolução. Não minorava ligeiramente o valor da recapitalização feita em Julho de 2014?

    • Nightwish says:

      2000M€ não serão, mas muitos desses contractos vão acabar em litígio. Aliás, sabe-se que o estado não esteve de boa fé ao escolher o que era para honrar e o que não era.
      Sendo assim, vamos ver no que dá.


      • “Sendo assim, vamos ver no que dá.”

        Irá dar numas indemnizações a pagar pelo Estado, resultado de acções judiciais interpostas em Portugal ou Bruxelas…
        Banif não era sistémico, BPP não era sistémico, BPN não era sistémico e mesmo no caso BES preferia que o tivessem deixado falir e accionado o Fundo de garantia de depósitos.
        Assim, puro e duro. Já não será neste governo, desconheço em absoluto se na altura o P.M. será do PS ou PSD, mas a factura, essa será paga pelos do costume. A choldra continua igual a si própria.
        Mais, pela parte que me toca o sistema financeiro português oferece-me tanta confiança quanto a D. Branca. Nem sei se não será preferível arriscar num qualquer esquema piramidal e salve-se quem puder… No curto prazo é possível rentabilizar e reaver o investimento e ficar com saldo positivo ainda que existam perdas parciais ou mesmo totais. Já no longo prazo, o mais certo é virar membro numa qualquer associação de indignados ou espoliados…

        • Nightwish says:

          Não percebo, segundo o António não está bem ao ser espoliado pela banca, já que entrou num contracto de livre vontade num mercado livre?
          Nada é sistémico num país com a banca toda falida, coisa que não se alterou com todo o dinheiro que lá metemos.

  3. Helder P. says:

    Não, pelo contrário. Desta vez não é o contribuinte que paga mais esta factura. São os obrigacionistas, já se deveria ter optado por esta solução há mais tempo.

  4. j. manuel cordeiro says:

    Com efeito, tinha percebido mal. É daquelas alturas em que fico contente por me ter enganado.

    • j. manuel cordeiro says:

      Post corrigido. Antes dizia “Estado enterra mais 1985 M€ no BES”.

    • martinhopm says:

      J. Manuel Cordeiro,
      Tem a certeza que o zé-contribuinte não vai entrar nem que seja com algum? Olhe, eu não tenho tanta certeza. Se calhar é vício ou da idade ou do ditado ‘caldo escaldado de água fria tem medo?’, ou ‘quando a esmola é grande, o pobre desconfia’ ou ainda ‘minha amiga é a minha barriga mas é quando não me dói’.
      Cumprimentos e Boas-Festas!

      • j. manuel cordeiro says:

        Vamos ver, vamos ver ver. Até agora sempre o zé-contribuinte (boa expressão) foi convocado. E, verdade seja dita, não acredito em mudanças súbitas.