Pode estar em preparação novo golpe palaciano na distrital do PSD Porto

7c-1-9Hoje, ao final da tarde, fui contactado por alguns jornalistas questionando-me se seria candidato novamente a presidente da distrital do PSD do Porto.

Confesso que inicialmente fiquei surpreendido porque ainda estamos a 10 meses do final do actual mandato.

Porém foi-me transmitido em seguida que correm fortes rumores que as eleições poderão ser antecipadas para o próximo dia 5 de Março, coincidindo com as eleições para Presidente do Partido Social Democrata.

Também me foi dito que os potenciais candidatos à distrital, na linha da actual direcção politica, poderão ser Andreia Neto, Paulo Rios, Sérgio Humberto ou se for mesmo necessário para garantir a vitória e a sua sobrevivência política poderà ser o próprio Marco António Costa.

No decorrer destas conversas os jornalistas aproveitaram-me para me perguntar como estava o processo judicial que envolve Marco António Costa, no seguimento da denúncia que apresentei junto da PGR, PJ e DCIAP, e como é publico corre termos no DIAP do Porto.

Eu respondi que conheço o processo, talvez como poucos, mas que respeito muito o segredo de justiça e o difícil trabalho dos profissionais judiciais, por isso, não comentaria nesta fase, de forma alguma, o processo judicial.

Ainda acrescentei que nada me move de pessoal contra Marco António Costa, bem como não pretendo, nem nunca pretendi prejudicá-lo politicamente, nem deixá-lo a arder em lume brando na praça pública, Apenas e só pretendo que se faça justiça.

Alguns insistiram na pergunta se considerava que este processo judicial poderia colocar em causa uma eventual candidatura de Marco António à distrital do PSD do Porto.

Eu respondi que não imaginava e que era um assunto que não me dizia respeito, mas uma coisa tenho a certeza absoluta que se, estivesse na sua posição, não seria candidato a qualquer cargo enquanto não estivesse cabalmente esclarecido o inquérito de que é alvo.

Parece-me que poderemos estar perante um novo golpe político palaciano, antecipando as eleições em 10 meses, para novamente surpreender os possíveis adversários não lhe permitindo a apresentação de uma candidatura que possa fazer uma campanha e um debate sério das diversas propostas junto dos cerca de 30.000 militantes do distrito do Porto.

As eleições distritais para serem realizadas no dia 5 de Março implicam a precipitação da demissão do actual presidente até à próxima segunda-feira de forma a que a eleição seja convocada, no jornal ” Povo Livre ” com o prazo mínimo legal de 30 dias.

Estaremos mesmo perante um novo golpe político palaciano na distrital do PSD do Porto? Espero que tudo isto não passem mesmo de rumores.

Trackbacks


  1. […] público que não me revejo na forma de fazer política de Virgílio Macedo, actual presidente da Distrital do PSD do Porto. Talvez até seja um dos maiores críticos do seu […]