Essencialmente, a dívida pública não pára de aumentar desde… sempre?

divida-publica-nov-16-2-768x342

Fonte: Banco de Portugal, via Jornal Económico

Realidade pura e dura: o crescimento da dívida pública tem sido constante, tanto no anterior governo PSD/CDS, como no actual governo PS. É um indicador que continua mau, mesmo com aquele solavanco para baixo em Novembro passado.

A PAF lá vai procurando malhar na Geringonça com os números que ainda não se endireitaram, esperando que os portugueses se tenham esquecido que:

  1. A dívida pública não parou de subir com a PAF;
  2. E que, apesar dos vários aumentos (brutais) de impostos, não conseguiram uma única vez chegar aos resultados positivos que Costa conseguiu, como por exemplo controlar o défice.

Este crescimento da dívida é insustentável. Era-o no tempo de Passos Coelho e é-o agora com Costa – alguma coisa terá que mudar. Mas, para variar, nem tudo é negativo. Não precisamos de optimismo saltitante, pois a situação não dá para tanto, mas, sinceramente, está claríssimo que o rumo que a direita escolheu no passado não nos levaria, como não levou, a lado algum.

Comments

  1. Rui Naldinho says:

    Isso pode melhorar um pouco, mas vamos andar sempre com as calças na mão, até ao dia que alguém nos aperte de novo a barriga, e voltaremos a ter uma valente crise gástrica.
    Não acredito que a nossa dívida seja pagável a médio prazo mesmo com mais sacrifícios, tal como tivemos num passado recente. Aqui, neste caso significa vir para o valor estipulado pela UE que é 60% do PIB. Ou seja, uma redução de 70%.
    Ora, face aos números atuais seria uma redução num prazo de 13 anos de 5% ao ano.
    A razão pela qual não acredito é simples. Para que isso fosse possível, teríamos deter um crescimento económico acima dos 4% ano, coisa a que a Europa se desabituou à muito tempo. Esse crescimento teria de ser continuado por muitos e longos anos, e não ocasionalmente como aconteceu com a Irlanda.
    Mas ainda assim, admitindo que vivêssemos todos com um “salário chinês”, numa economia sem regras laborais e ambientais, nada nos garantiria que esse crescimento se alcançasse consistentemente, uma vez que o nosso mercado é infinitamente mais pequeno que o asiático, onde a China tem à sua volta quase 2 biliões de almas, sendo que 1,4 são cidadãos Chineses.
    Depois, a corrupção endémica que assentou arrais em Portugal dificilmente desapareceria sem uma alteração profunda no sistema de justiça.
    O Brasil têm salários baixos, O México idem, outros países nas mesmas circunstâncias destes também. Não tem serviço nacional de saúde, e a escola pública deles é a do tempo da velha guarda.
    Que me ocorra, nenhum deles deixou de estar a braços com uma dívida terrível ao FMI, com deficit altos, inflação alta, etc,…
    É necessário renegociar a dívida quanto antes, mas primeiro julgar os responsáveis por termos chegado aqui, em especial aqueles que têm a responsabilidade de 8% da nossa dívida, cujos nomes são bem conhecidos, e nadam a rir-se de nós todos.

  2. anónimo says:

    “A dívida pública não pára de aumentar desde que”
    desde que privatizaram os serviços públicos, e passaram a subsidiá-los
    desde que sabotaram as empresas publicas, e perderam o rendimento
    desde que criaram os PPPs,
    desde que suportamos a roubalheira da banca privada,
    desde que entrámos para a UE,
    desde que mudámos para a moeda única.

  3. Buiça says:

    Chama-se “defice” a divida a aumentar de uns anos para os outros. E nos 10 anos anteriores ao ferrolho da troika o crescimento não foi exactamente constante. Foi mais parecido com a facturação de octapharmas e motas…

    • anónimo says:

      Na verdade, dívida não significa défice:
      dé·fi·ce
      (latim deficit)
      substantivo masculino
      1. Saldo negativo no orçamento do Estado.
      2. [Por extensão] Qualquer excesso de despesas sobre as receitas.
      3. Excesso de consumo sobre a produção.
      4. Insuficiência ou deficiência de algo (ex.: diagnosticou défice de atenção na criança; a associação tem défice de recursos humanos).

      “défice”, in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, https://www.priberam.pt/dlpo/d%C3%A9fice [consultado em 03-01-2017].

Trackbacks


  1. […] factos dizem que a dívida pública nunca parou de aumentar, inclusivamente com o anterior governo social laranjinha e azul betinho. E não há óculos que […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.