Estou Triste

camilo-castelo-branco_coracao_cabeca_estomago_aletheia_editores

Comprei hoje um livro escrito por Camilo Castelo Branco e descobri que um dos meus autores dilectos escrevia, afinal, de acordo com o tal Acordo Ortográfico 90. Estou triste.

Comments

  1. Fernando Manuel Rodrigues says:

    Se procurar, aposto que encontrará edições onde o Camilo ainda sabia escrever…


  2. ainda deve haver versões com pharmácia e tudo.


  3. E gosta de Fernando Pessoa?
    Leu-o com ortografia revista por acordos posteriores ou no original? Assim: «Não tenho sentimento nenhum politico ou social. Tenho, porém, num sentido, um alto sentimento patriotico. Minha patria é a lingua portuguesa. Nada me pesaria que invadissem ou tomassem Portugal, desde que não me incommodassem pessoalmente. Mas odeio, com odio verdadeiro, com o unico odio que sinto, não quem escreve mal portuguez, não quem não sabe syntaxe, não quem escreve em orthographia simplificada, mas a pagina mal escripta, como pessoa própria, a syntaxe errada, como gente em que se bata, a orthographia sem ípsilon, como escarro directo que me enoja independentemente de quem o cuspisse.

    Sim, porque a orthographia também é gente. A palavra é completa vista e ouvida. E a gala da transliteração greco-romana veste-m’a do seu vero manto régio, pelo qual é senhora e rainha.» 🙂


  4. toda a gente sabe que este assunto é do Valada. Agora já o Dario Silva escreve. Qualquer dia o Aventar é só isto.


  5. Camilo não escrevia de acordo com o tal Acordo Ortográfico de 90, escrevia assim: «Disseram muitos dos que estavam em redor de uma creancinha, na pia do baptismo, que na face d’ella havia uma luz mysteriosa, como a projecção de um cirio invisivel, que, n’aquelle instante solemne, allumiasse, nas mãos de um anjo, as cerimonias do sacramento augusto. Visão de boas almas.
    Era uma menina de nove dias.
    Sua madrinha era Nossa Senhora da Conceição, fulgurante de mil lumes, no seu docel de seda e prata, com as mãos cruzadas sobre o seio, com os olhos extaticos no céo, como seguindo o trilho de estrellas por onde, aos pés do Eterno, voejava o anjo da ANNUNCIAÇÃO.
    Seu padrinho era um duque, vestido de ouro, com as suas insignias de general em chefe, com o seu thesouro de condecorações guerreiras a cobrirem-lhe o peito, onde pulsava sangue de reis, que não valia mais, por isso, em coração de homem.
    Seu pae era um coronel, fidalgo dos que primeiro o foram n’esta terra, valente como o primeiro e o ultimo da sua linhagem, e honrado como aquelle de seus avós, que morrera desterrado, em Tanger, por não denunciar o que lhe fôra amigo desleal, embora traidor ao rei D. João II.»

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.