Pagaram, não foi? 

Não vejo qual é o escândalo. A artista explica a obra (ups!, lá se vai a mística), encarregado-se da vertente plástica (em vez de esferovite).

“A minha obra é feita em plástico e não em esferovite como a outra.”

“Não é uma coisa pendurada entre duas palmeiras”

“A minha obra acende-se à noite e é fluorescente.”

É “em PVC com um sistema de iluminação de cor verde, para poder dar aquela ideia da fluorescência”.

[post actualizado]

Comments

  1. Rui Naldinho says:

    Joana Vasconcelos é paga para fazer as delícias do Poder, seja o político, o religioso ou o financeiro, tal como noutros tempos, outros artistas terão feito o mesmo, mas com muito mais qualidade e engenho. A culpa não é dela, de facto.
    No tempo de Leonardo Da Vinci e de Miguel Ângelo, não tínhamos o polivinill, vulgo PVC. Nem a esferovite, ou o acrílico. Nem outros produtos betuminosos.
    Nessa época trabalhavam-se os metais, e os utilizados eram normalmente o cobre, bronze, a prata, e muito menos, o ouro. Trabalhava-se a pedra mármore, o granito menos, e a Madeira de talha. Enfim, “tudo muito mais próximo da natureza criada por Deus”, e muito menos da tecnologia criada pelo homem.
    Na altura, o comum nos terços, nos rosários, nas salvas, nos cálices, etc, seria a prata, ou a prata banhada a ouro. Hoje é o plástico, ou baquelite, que será uma coisa similar.
    Antes tínhamos as jóias, hoje temos o pechisbeque.
    A Joana Vasconcelos é um produto com influências da escola Chinesa do século XXI, vinda pela mão da globalização, em que o importante é fazer barato, por metade do preço no mínimo, e de preferência a imitar o bom, mesmo que de gosto duvidoso.
    Uma espécie de carteira Chanel ou Burberry, feita na fábrica chinesa das imitações.
    Habituemo-nos a estas coisas sem dramas.
    Afinal, ainda iremos comprar um dia destes móveis ao IKEA, desenhados por ela.
    Quem sabe, uma sanita para gordos, para aqueles rabos muito grandes como o dela, que já não cabem naquele aro em PVC com medidas normais.
    Eu compro um, sem pestanejar!

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.