Vídeo-árbitro

Sobre a utilização do vídeo-árbitro para os jogos da I Liga a partir da próxima época.
Aqueles que controlam o sistema do futebol português – neste momento é o Benfica, como antes foi o Porto, como antes ainda foi o Benfica – arranjam sempre forma de dar a volta.
Nesse sentido, a partir do video-árbitro, a prioridade será a intervenção nas situações de jogo em que o vídeo-árbitro é ineficaz.
Os fora-de-jogo, por exemplo. Se o árbitro cortar uma jogada de golo iminente, marcando fora de jogo, está resolvido. Mesmo que a decisão esteja errada, não há nada a fazer. O video-arbitro não vai mandar fazer a reconstituição da jogada. Eis como uma equipa não marca golo se o árbitro não quiser.
A partir daqui, os fiscais de linha vão ser muito apetecíveis.
E claro, há sempre a hipótese de controlar o próprio video-arbitro. Há jogadas cuja decisão é muito subjectiva. Terá uma certa piada quando o vídeo-árbitro der uma indicação errada ao árbitro.
Vídeo-árbitro? Pode ajudar, mas não é por aí…

Ana Catarina Mendes e a falta de vergonha do PS

Ana Catarina Mendes, cujos feitos políticos são para mim totalmente desconhecidos, veio reivindicar à priori a vitória de Rui Moreira nas próximas eleições autárquicas para a Câmara do Porto. Assim mesmo: «A vitória de Rui Moreira no Porto será uma vitória do PS».
Como se impunha, Rui Moreira tomou a única decisão possível – afastar-se do PS e ir a eleições sozinho (na medida em que ir com o CDS ou sozinho é a mesma coisa).
E eu que tenho criticado muito Rui Moreira, cuja prática política em nada difere da prática de um eleito por Partidos – só posso elogiá-lo por bater a porta ao PS. Apesar de já ser tarde, mais vale tarde do que nunca.

Imprensa internacional nas mãos da Geringonça

O longo braço do socialismo estalinista não conhece fronteiras. Controlada que está a comunicação social portuguesa, a Geringonça tratou de expandir a sua acção totalitária na direcção da imprensa estrangeira. Só assim se compreende que um jornal como o Financial Times, a mais recente vítima dos marxistas-maduristas-kimzistas, permita que barbaridades como as que pode ler na imagem em cima sejam publicadas, para gáudio dos radicais que nos governam, ainda que totalmente desfasadas da realidade.

O mundo precisa de mais Observadores, livres, independentes, plurais e sem agendas políticas. Nosso Senhor Jesus Cristo tenha compaixão de nós, que o Diabo não nos deixa em paz.

O PS não saiu da sua matriz ideológica

Pois não. Já tínhamos reparado.

Crónicas do Rochedo XV – De uma decisão há muito tomada…

Captura de ecrã 2017-05-05, às 13.39.24

Rui Moreira não precisou do PS para ganhar as eleições autárquicas no Porto em 2013. Só precisou no dia seguinte. Para ter uma maioria estável e governar na paz do Senhor durante os quatro anos do seu mandato. Será que precisa para ganhar as eleições deste ano?

Obviamente que não. Nem do PS nem do PSD e muito menos do Bloco ou da CDU. Para ganhar não precisa. Mesmo para governar tenho dúvidas pois estou convencido que, sozinho, consegue os 44% mínimos para ter maioria absoluta. Mas já estive mais convencido disso há uns meses do que hoje por um motivo muito simples: a abstenção fruto do “já ganhou”.

[Read more…]

Pensos Higiénicos de Fátima

fatima_lencos-bolso-renova-special-edition
Depois do consolador dildo de cristal, do ar abençoado em lata e das garrafinhas de água, chegou agora o momento dos lenços de papel Renova.
São os pensos higiénicos são a seguir?

Cristas contra o tacho sindical

No encerramento das jornadas parlamentares do CDS-PP, Assunção Cristas anunciou que vai convocar o ministro do Trabalho e da Segurança Social ao Parlamento, para lhe pedir explicações acerca da portaria sobre a integração dos precários no Estado, que permite que os sindicatos sinalizem situações de precariedade. Segundo Cristas, estamos perante “a institucionalização da cunha pelos sindicatos“:

Hoje fomos surpreendidos com a notícia de que o Governo vai dar voz aos sindicatos para ajudar, não quero dizer selecionar, mas pelo menos para meter uma cunha.

[Read more…]

Isto de usar a laicidade do Estado para tudo e mais alguma coisa é sempre muito bonito

até ao dia em que chegue um governo verdadeiramente laico que decrete a extinção de todos os feriados religiosos.