Rumo ao P3n7a

Foto slbenfica.pt

No arranque da última época desportiva fiz, aqui no Aventar, a previsão de que o Sport Lisboa e Benfica iria chegar ao Tetra.

Dizia, nesse texto, que para se ser campeão é necessário:

– ter mais de 81 pontos: o Sport Lisboa e Benfica marcou 82 (76 para o 2º classificado),

– marcar 80 golos: o tetra campeão marcou 72, (2º classificado: 71)

– sofrer 20 golos: a equipa de Rui Vitória sofreu 18, (2º classificado:19)

– vencer 27 ou 28 jogos: as vitórias do Campeão foram 25 (2º classificado: 22).

Os números deste campeonato estão em linha com os dos últimos anos. O campeão nos oito últimos títulos (5 do Benfica e 3 do Porto) tem uma taxa de sucesso acima dos 80%, enquanto o tetra do Porto que os antecedeu tinha uma percentagem entre os 76 e os 78% e com os adversários muito longe. Nos anos do tetra azul, a diferença média para o segundo foi superior a 7%, enquanto o tetra Vermelho teve uma proximidade maior (4%) para os segundos classificados. [Read more…]

A possibilidade de contatar e a selfie de Simão Sabrosa

Don’t you get it yet?

— Henry Rollins

***

É possível contatar? Sim, é possível.

Onde? No sítio do costume.

Quando? Desde Janeiro de 2012.

Quanto ao jornal que adopta a resistência silenciosa em vez da expressão, eis uma selfie de Simão Sabrosa (os meus agradecimentos a um excelente leitor do Aventar).

É verdade que a tradução «Simão Sabrosa tira uma selfie das críticas a Fernando Aguiar» é estranha. Contudo, não tenho culpa. Não assinei o AO90. Quem assinou o AO90 foi quem escreveu «agora facto é igual a fato (de roupa)» . Como é sabido, não escrevi tal coisa. Logo, a culpa não é minha.

Continuação de uma óptima semana.

***

O triunfo do fundamentalismo liberal

A confirmarem-se as notícias avançadas hoje, primeiro pelo site Axios, posteriormente confirmada por um dos órgãos oficiais do regime Trump, a Fox News, os Estados Unidos poderão estar a ultimar a saída do país do Acordo de Paris sobre as alterações climáticas, juntando-se assim à Síria e à Nicarágua, os dois únicos Estados-membros da ONU que, segundo o DN, não apoiam o acordo.

Nada disto nos pode admirar. Trump é um negacionista das alterações climáticas, rodeado de fundamentalistas da poluição, nomeou Rick Perry secretário da Energia (departamento que o próprio Perry queria ver extinto, por ser um autêntico activista dos combustíveis fósseis, ou não fosse ele governador do Texas) e ainda conseguiu a proeza nepotista de escolher a filha Ivanka para liderar um painel de especialistas que irá rever a posição dos EUA nos vários acordos aos quais está vinculado, nomeadamente o Acordo de Paris. De pouco adiantou o presente oferecido pelo Papa Francisco. [Read more…]

O Diabo veste crescimento económico

está aí a confirmação do INE: no primeiro trimestre, a economia portuguesa cresceu mesmo 2,8% em termos homólogos, o melhor resultado dos últimos 10 anos, e 1% em cadeia. O próximo resgate segue dentre de momentos.

O discurso insincero de António Costa

[Santana Castilho]*

“Não há entendimento possível entre nós. Separa-nos um fosso da largura da verdade. Ouvi-los é ouvir papagaios insinceros”. Esta epígrafe, que cito de memória, pertence a Torga, referindo-se aos políticos, e ocorreu-me ao ouvir António Costa garantir que haveria brevemente novo processo de vinculação extraordinária de professores contratados. Com efeito, foi tornado público que cerca de duas centenas de professores, que se candidataram recentemente a lugares de quadro, têm 60 ou mais anos de idade. Perante isto e duas vezes mais candidatos do que vagas, António Costa embrulhou o anúncio em declarações pífias de repúdio, “por não haver nenhuma razão verdadeira para que os professores vivam, ano após ano, na incerteza sobre o local onde irão trabalhar ou, pior ainda, se irão trabalhar”.

O problema é que as regras que se aplicam aos professores, para saírem da precariedade, são bem mais restritivas que o previsto para os outros sectores. O problema é que boa parte do que repudiou foi da responsabilidade de Maria de Lurdes Rodrigues, macabra ministra de um governo do partido de que ele é secretário-geral e a que ele próprio pertenceu, sem que o assuma responsavelmente. O problema é que se os concursos extraordinários resolvem a situação de parte dos precários de uma vida, iludem, maliciosamente, outras situações, igualmente graves, sem as resolver. Que é, senão malicioso, deixar para trás docentes com maior antiguidade, só porque já foram vítimas de injustiças anteriores? Que se pode dizer aos professores dos quadros, que esperaram anos a fio para se aproximarem das suas casas e famílias, e agora assistem à ocupação de vagas, que finalmente existem, por colegas com muito menos tempo de serviço, que puderam concorrer a um concurso que lhes foi vedado?

[Read more…]

Juiz Carlos Alexandre defende liberalização do comércio de drogas

O juiz Carlos Alexandre defende, segundo dá nota o PÚBLICO, a “liberalização de algum comércio de drogas”.

O motivo pelo qual o magistrado toma esta posição poderá ser melhor compreendido depois de bem vista – e ouvida – a entrevista que Juan Pablo Escobar concedeu recentemente à RTP. É um documento impressionante por várias razões, a menor das quais não sendo a de tornar visível algumas das sub-camadas que compõem a nossa realidade.

Caberá lembrar que, por ocasião da visita a Portugal do Papa Francisco, uma operação policial de apenas quatro dias nas fronteiras portuguesas levou à apreensão de setecentos mil euros em dinheiro vivo. Um cálculo mental simples leva a supor que se a operação se mantivesse por mais algum tempo, em poucos meses Portugal pagaria a sua dívida externa.