Efectivamente, não pode ser

The people ahead of them are shooting up to the stratosphere, and then comes the scapegoating.

Noam Chomsky

***

Amigo atento enviou-me esta primeira página, com palavra criada exclusivamente para a norma portuguesa pelo Acordo Ortográfico de 1990. É sabido, desde d’Andrade e Viana, que a ‘rutura’, além de inventada, é “injustificada”. Contudo, ei-la.

Além disso, tratando-se do presidente da direcção do Sporting, a grafia correcta é ‘ruptura’.

Exactamente.

Aliás, como é sabido, pelo menos desde que se leu aquilo que ainda há pouco escrevi («palavra criada exclusivamente para a norma portuguesa pelo Acordo Ortográfico de 1990»), no Brasil, [Read more…]

O machista sociopata e a galdéria de Schrödinger

O argumento dos machistas sociopatas que defendem o rapaz no caso da agressão sexual no autocarro é interessante. Vejamos:
– Por um lado, a rapariga é devassa e estava a pedi-las, pois alegadamente terá passado a noite em festa, bêbeda e drogada.
– Por outro lado, apesar de estar alegadamente bêbeda e drogada, aquilo não é agressão sexual, pois ela consentiu tudo.

O machista sociopata encontra, assim, a galdéria de Schrödinger, quando a rapariga está totalmente grogue e, simultâneamente, está consciente e permite o acto.
Estamos no século XXI e ainda há pessoas que defendem que é legítimo praticar actos sexuais com pessoas inconscientes.
Parem um momento para pensar nisto.

Uma Página Numa Rede Social

PAN tenta travar a ritalina

Um esforço muito meritório em defesa das crianças e do futuro.

Jornal O Jogo cai no ridículo

Se o caso que faz notícia é, em bom rigor, uma absoluta nulidade, a falta de profissionalismo de quem a escreveu e do respectivo editor é gritante. A modelo da Playboy andava “aos saltitos” e quase foi atropelada pelo pelotão do Giro. “Infelizmente nada aconteceu“, o que é uma pena, pois teria sido fabuloso se a senhora fosse atropelada. Pelo menos a julgar pelo teor desta peça. Um aplauso para o jornalismo de qualidade.

Imagem via Os truques da imprensa portuguesa

 

O pó da fivela

©Guy Denning

Já toda a gente conhece o Tomé e esse é o maior problema dele. Já não há ouvintes para os seus poemas, nem mecenas para umas cervejas, nem testemunhas para as epifanias que com frequência o arrebatam.

Ao Tomé, ignora-se e apenas quando não é possível evitá-lo.

É um homem de idade incerta, algures entre os 40 e os 65, escanzelado, com cabelo cortado às três pancadas, roupa que já passou por outros corpos antes de lhe chegar, sapatos cambados, dentes estragados, o nariz sempre a pingar porque, como ele vai contando a toda a gente, sofre de uma alergia que lhe dura o ano inteiro e tem o septo desviado.

Por acaso, no dia em que o conheci, e em que ele insistia em ler-me a sua elegia “A sétima morte dos ludopatas”, comecei por oferecer-lhe um lenço de papel, que ele recusou com gesto soberbo.

– Não, obrigado. Só uso lenços Poker. [Read more…]

A Praxe integra

Ou havia dúvidas?
Desfile do Enterro da Gata em Braga, 17 de Maio de 2017.
© FB Alex Liberall

Julian Assange livre

julian_assangeFundador da Wikileaks livre para sair à rua