Pourquoi ceci se passe-t-il ?

It’s always nice to have a friend in the audience.

Noam Chomsky

Il s’agit de ceci, d’un incident un peu gros, entre autres de ce qui peut se pas­ser tout le temps dans ce qu’on appelle les sociétés analytiques. Pourquoi ceci se passe-t-il ?

Jacques Lacan

If you open your mouth, make a glottal stop, and flick a finger against your neck just to the side and below the jaw, you will hear a note, just as you would if you tapped on a bottle. If you tilt your head slightly backward so that the skin of the neck is stretched while you tap, you may be able to hear this sound somewhat better.

– Ladefoged & Johnson

***

Há muito tempo, no Diário da República de 24 de Março de 2015, apareceu-nos este

Quase três anos depois, verificamos que

nada mudou.

Está tudo exactamente na mesma, de forma sistemática, desde Janeiro de 2012.

Aliás, é perfeitamente natural que a situação assim se vá mantendo, tendo em conta a coesão necessária em textos de cariz técnico. Efectivamente, “certificar os fatos e atos” é ocorrência frequente, aliás, abundante, desde Janeiro de 2012, como ilustram os seguintes exemplos:

Desde Janeiro de 2012? Curioso. Será do Guaraná?

Desejo-vos um óptimo fim-de-semana.

***

Comments

  1. Bento Caeiro says:

    Do Guaraná talvez não seja, mas pode perfeitamente ser da câmara municipal de Serpa. Aqui, esperar-se-ia, quando muito, que desatassem a escrever em alentejano. É um dialecto local e lindo. Mas não, pelo contrário, desataram a escrever em crioulo brasileiro. Tanto assim é que, mais papistas que o Papa, até essa coisa chamada “Acordo Ortográfico” ultrapassaram e, agora, é “fato práqui fato práli” – como se fora um inventário de um qualquer armazém de roupa.
    Na verdade, como fato, para além de vestimenta, também é um rebanho de cabras, a coisa adequa-se: sempre é uma referência e promoção ao queijo do leite do dito animal.
    Contudo, infelizmente, como se vê, não estão só nesta alegada “modernidade”, ignorante das raízes da nossa língua e servil, por estarem ao serviço de interesses que nos são estranhos.

  2. ZE LOPES says:

    Rymas Elegyacas em Omenagem ao Achordo Ortographico (parte…mais uma!)

    Lá no tribunal de Serpa,
    Quando há fatos não provados,
    Deve a seção respetiva,
    Manctê-los bem arquivados.

  3. ZE LOPES says:

    Rymes Elégyacques en Ommagge á l’Accord Ortographicque:

    [avec dévouement à monsieur Châteulier]

    (part un):

    Pourquoi ceci se passe-t-il?
    J’ai ecouté ça a ma mére.
    Pourquoi est-ce qu’il nous a mis
    À ecriver à Lagardére?

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.