O Cristiano Ronaldo é o maior, mas…

deixemo-nos de nacional-parolismos: uma coisa é a marcação cerrada feita pelo entulho cor-de-rosa, que é capaz de dedicar páginas e páginas à cor das unhas da irmã, aos hipotéticos casos amorosos do craque ou à tensão virtual entre a dona Dolores e a Georgina Rodriguez. O entulho cor-de-rosa vive disto e os opinion makers da coscuvilhice têm contas para pagar.

Outra coisa é dar destaque de telejornal a não-acontecimentos. O Cristiano Ronaldo é o maior, já toda a gente sabe disso, mas marcar um golo num jogo-treino, contra a equipa sub-23, é uma não-notícia. E é parvo dar-lhe tanto destaque. Eu sei que estamos na silly season, e que a relação da imprensa com o Ronaldo é ela também bastante silly, mas era importante que essa malta percebesse que existe vida para além do Ronaldo. Que estão a acontecer coisas importantes no planeta Terra, que têm e terão impacto real nas nossas vidas, e que passam despercebidas porque a imprensa nacional prefere noticiar um golo fácil num jogo-treino que conta para coisa nenhuma.

Comments

  1. Rui Naldinho says:

    Na realidade João, aquilo não é notícia que se apresente, e logo pelas 20h00, quando podemos “deliciar-nos com o especialista em fogos e seus derivados”, Zezé Gomes Ferreira, ou ouvi-lo a falar da queda do tabuleiro na Ponte em Itália, tal qual um especialista em tragédias.
    Aí, ainda nos divertimos com um par de idiotices. Quem sabe, um professor de jornalismo poderá sempre gravar o momento, para ensinar os alunos que aquilo não é um jornalista, mas um mero instrumento de propaganda política.
    Contrariamente, com aquele golo de Ronaldo num campo de treinos, ficamos sem saber se era mesmo um jogo a sério, se uma “futebolada entre casados e solteiros, com umas bijecas e uns tremoços à espera, no final do jogo”.
    Percebe-se a léguas que em Portugal, quando não há fogos, legionellas, filas de espera, greves, almoços no panteão, subida dos juros da dívida ou dos números do desemprego, “não há nada de interessante para noticiar”.
    É pena!

    • Paulo Marques says:

      Filas de espera não há, há exames que fazem parte dos cuidados básicos que são adiados até à esperança de sobrevivência ser ínfima – porque é que ninguém fala nisto, não sei.


  2. Não, o Cristiano não é o maior.
    O Cristiano é só um gajo que dá uns pontapés numa bola. Certa vez, ainda tinha televisão, e vi uma entrevista ao ídolo do Messi, aquele jogador que ele queria ser quando era criança. E este artista da bola, com a maior das humildades disso precisamente isso: um futebolista é só um tipo que dá uns pontapés numa bola. Não salva vidas, não descobriu a cura para uma doença, não inventou algo para o bem da humanidade. Um jogador de futebol dá uns pontapés na bola. E ganham milhões por isso. E o pior é que a maioria das pessoas, que vive miseravelmente, ainda assim venera e defende este tipo de situação, mas ainda assim, parece que não há dinheiro suficiente que chegue para um jogador da bola, e passam a vida a fugir aos impostos, mas logicamente que ao contrário do cidadão comum, os Cristianos desta vida nunca que vão malhar com os costados na choldra.

    Mas eu estou a escrever isto tudo porque o Cristiano é um homem muito bonito e rico, e eu estou cheio de inveja dele.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.