Bernie Sanders, o socialista democrata

O título com que Sanders se auto-adjectiva é estranho. Mas ouça-se o que ele diz quanto a, presentemente e na América, três pessoas terem, entre si, mais riqueza do que a metade mais pobre da população. Uma delas, Jeff Bezos, CEO da Amazon, vê a sua fortuna aumentar diariamente 250 milhões de dólares, mas paga tão pouco aos seus empregados que muitos precisam de recorrer a vales alimentares do sistema Medicaid. Ou, ainda, o que Bernie Sanders diz sobre o sistema eleitoral americano, onde os interesses das grandes fortunas podem financiar as campanhas eleitorais com centenas de milhões de dólares, para eleger representantes dos ricos e poderosos, em vez de representantes da população como um todo.

Este cenário não é exclusivo da América. Até no nosso Portugal, registamos como a banca, a EDP, a Galp e outras grandes empresas, incluindo as beneficiadas pelo esquema das PPP, vêem os seus interesses sistematicamente defendidos, com grande prejuízo da generalidade da população.

Onde vamos parar? Haverá luz ao fundo do túnel nesta sociedade mais preocupada com o lazer do que com as pessoas e com o planeta?

Comments

  1. Paulo Marques says:

    A conselheira económica é mais interessante.

  2. j. manuel cordeiro says:

    Aproveito para deixar alguns links sobre o que é dito no post.

    The 3 Richest Americans Hold More Wealth Than Bottom 50% Of The Country, Study Finds
    Wealth concentration is at peak levels.
    https://www.forbes.com/sites/noahkirsch/2017/11/09/the-3-richest-americans-hold-more-wealth-than-bottom-50-of-country-study-finds/

    JEFF BEZOS IS THE RICHEST MAN IN THE WORLD, BUT HUNDREDS OF AMAZON EMPLOYEES ARE ON FOOD STAMPS
    In 2017, Amazon founder and CEO Jeff Bezos became the richest person in the world with a net worth of over $100 billion. But a new report from the non-profit Policy Matters Ohio shows that Bezos-owned company had 1,430 Ohio-based employees or family members on food stamps as of August last year.
    https://www.newsweek.com/jeff-bezos-amazon-employees-food-stamps-782714

    US election 2016: Who’s funding Trump, Sanders and the rest?
    The role of money has become an issue all its own in this election cycle. Bernie Sanders has called for an end to big money in politics while billionaire Donald Trump is using his own wealth to fund part of his campaign.
    https://www.bbc.com/news/election-us-2016-35713168

    Why Russian Money Ends Up in U.S. Elections
    America needs a new model of campaign finance not to supplant the political marketplace but to correct for its inadequacies.
    https://www.nytimes.com/2018/08/06/opinion/russian-interference-campaign-finance-elections.html

    “Acordo secreto” fintou Tribunal de Contas e deu 705 milhões a privados
    As subconcessionárias rodoviárias, a banca e a Estradas de Portugal, com aval do então Governo, fecharam um “acordo secreto” para contornar um chumbo do Tribunal de Contas.
    https://www.jornaldenegocios.pt/economia/justica/detalhe/acordo-secreto-fintou-tribunal-de-contas-e-deu-705-milhoes-a-privados

    Portugal paga a segunda eletricidade mais cara da Europa em função das paridades de poder de compra (PPC) de cada país.
    Ou seja, temos um preço médio da luz que é dos mais caros no espaço europeu. Só na República Checa é que o custo por kw/hora é mais elevado em PPC. Apesar de os checos terem um rendimento médio mensal líquido de 745 euros, a taxa de esforço mensal para pagar uma conta de luz é menor (8%) do que em Portugal (9%), onde o ganho mensal é de 1057 euros.
    https://www.jn.pt/economia/interior/fatura-da-luz-e-a-segunda-mais-cara-da-europa-9739230.html

    • Ana Moreno says:

      Da penúltima destas fontes que referes:
      “Na sequência deste chumbo, que implicaria a perda dos 705 milhões de euros, as empresas, o Governo e a banca “reformaram” os contratos e acrescentaram um acordo compensatório. “Os encargos dos contratos ‘reformados’, somados aos encargos destes acordos ‘secretos’ equivalem ao valor previsto nos contratos cujos vistos foram recusados. São, na verdade, uma forma adicional e camuflada de remunerações das subconcessionárias”, diz o relatório da Polícia Judiciária, citado pelo Correio da Manhã”.
      A sacanagem é ilimitada e José Sócrates já mereceu o tempo de prisão. O problema maior é que continuam os seus correligionários a tratar dos negócios no poleiro.

  3. JgMenos says:

    «nesta sociedade mais preocupada com o lazer do que com as pessoas e com o planeta»

    Ora aí é que entra o Bezos. Se o tipo distribuísse os 250 milhões por dia pelo pessoal, aumentava a pressão sobre o planeta, as pessoas teriam mais lazer e provavelmente prejudicavam a saúde com excessos de calorias.
    Assim, talvez o Bezos faça alguma coisa pelo planeta, que o Trump não o fará.

    • ZE LOPES says:

      Já acabou o “bost”, perdão, “o post”? Já acabou? Já acabou? Ai! Aiiiii!Aiiiiii! Ai que o Menos é tão cómico! Ai que não posso mais! Ah! Ah! Ah! Ahhhhhh! Ai que o Menos irónico é tão cómico! Ai, quem me leva ao hospital?! Não posso mais, meu deus! Ai que estou com uma rotura no diafragma!

    • j. manuel cordeiro says:

      “as pessoas teriam mais lazer”

      Um lazer espectacular, tipo não precisar de senhas de alimentação da segurança social para ter comida na mesa.

      • JgMenos says:

        Essa parte era mais ligada às calorias mas também aceito que menos burocracia é mais lazer.

        • Paulo Marques says:

          O Menos é mais “eles [nota do editor: nós] que se matem e se comam uns aos outros”.

    • Paulo Marques says:

      Eles que comam brioches. Porreiro, pá. Eu só não percebo como é que alguém cujo negócio era a venda de produtos importados contribuía para o planeta.
      Era? Sim, o principal negócio da Amazon é alugar servidores ao segundo alimentados por ar condicionado, um primado de ecologia.

  4. Ana Moreno says:

    Oi Jorge, 100 gostos 🙂
    “Onde vamos parar? Haverá luz ao fundo do túnel nesta sociedade mais preocupada com o lazer do que com as pessoas e com o planeta?”
    Pelo ritmo a que vamos não me parece que possa haver luz antes de irreversíveis danos terem ocorrido.
    Estes governos traidores estão apostados em espatifar tudo e entregar-nos aos tubarões. Percebe-se que qualquer PME tenha que pagar puxados impostos e a esses tubarões como a amazon sejam deixadas as portas abertas para a evasão fiscal em dimensões atordoantes de milhares de milhões???
    Como é que esta falta de justiça não endoidece qualquer pessoa?
    E quanto aos empregados, mal pagos, vigiados e em grande stress, a amazon impõe-lhes as suas próprias predadoras leis laborais e os governos fecham os olhos. Por aqui, do alto da sua arrogância, recusam um contrato colectivo de trabalho em geral e, especificamente, o que vigora para o sector do retalho e dos correios; desde há seis anos que vai havendo greves, mas doem-lhes pouco.
    Além de que exploram e manipulam os pequenos fornecedores do marketplace, têm todos os cordelinhos na mão para lhes roubarem os negócios mais rentáveis. É um monstro canibal e deixam-no, deixamo-lo todos, continuar a crescer.
    Resta aos cidadãos boicotar o mais possível, por mais “prático” que seja. O que tragicamente não acontece, como mostram os resultados do dito monstro e aí voltamos à tua pergunta “Haverá luz ao fundo do túnel nesta sociedade mais preocupada com o lazer do que com as pessoas e com o planeta?” É desesperante.

    • JgMenos says:

      O que tem a ver o lazer com esta treta é verdadeiramente um mistério.
      O lazer do rico, de tão poucos, pouco pode incomodar,
      Se tudo fosse distribuído isso seria seguramente um problema para o planeta – tudo a esvoaçar para todo o lado, comendo e bebendo à ganância.

      Mas a atração por entoar os cânticos costumeiros tudo ultrapassa…

      • Paulo Marques says:

        Pois claro, a única alternativa era cantar e viajar, cuidados de saúde, educação, ferrovia, rede eléctrica, manutenção de pontes e edifícios, manutenção das mata, energias alternativas, … são coisas que nem estão em cima da mesa nem nunca ninguém reivindica.

        • JgMenos says:

          Fala-se dos coitadinhos e, se dá jeito, logo se muda a agulha para a administração pública.
          Vejamos o caso dos geringonços: tudo pelos coitadinhos e nada pelos bens públicos.

          • Paulo Marques says:

            Essa cassete ficou encravada, eu só falei de bens públicos. Isso é uma admissão que só são bem geridos pelos estados?

  5. JgMenos says:

    Quanto ao Sanders, no mínimo é burro.
    Falar em socialismo pode fazê-lo ganhar uns tantos campus esquerdalhos, mas dessa tralha nem ecos chegam ao grosso da população americana.
    E se políticas sociais são já um objectivo ambicioso, a que propósito usar a palavra Socialismo que é sinónimo de ódios de classe, de grupos, de géneros, de… promovidos por uma caterva de queridos líderes da treta?

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.