Marxismo cultural na República Bolivariana da Alemanha

Um governo que resulta de um acordo entre os homólogos alemães do PS, PAN e IL decidiu aumentar o salário mínimo em 25%, criar um programa de construção de 400 mil habitações sociais, para baixar as rendas, e legalizar a cannabis, entre outras medidas progressistas. Se acontecesse por cá, logo surgiria um palerma qualquer a gritar:

  • Extrema-esquerda! Marxismo cultural! Venezuela!

Ou outra dessas palernices que mantêm a direita radical e extremista divertidas. Como acontece num país onde a maioria da população já atingiu a maturidade política, a coisa circunscreve-se aos primos neo-nazis do CH, devidamente afastados dos democratas por um robusto e bem-definido cordão sanitário. Lá chegaremos. Estamos há tempo demais no jardim de infância.

Comments

  1. JgMenos says:

    Trabalharam e provavelmente continuarão a trabalhar bem para poderem ter tudo isso sem défices orçamentais.

    Só idiotas julgam que o bem-estar é questão que se resolve com decretos.

    • POIS! says:

      Pois não, não se resolve.

      Pelo Menos, por lá, quem foge aos impostos (e não são baixinhos!) vai mesmo parar à cadeia.

      Talvez isso comece por resolver alguma coisa.

    • Paulo Marques says:

      Tendo em conta que damos bem mais horas ao patrão, não podemos por… incompetência destes?
      Mas boa piada; não, não conseguem isso sem défice, e, portanto, nunca vai acontecer.