Exactamente o que mais precisam…

Após a visita de A. Costa, os habitantes de Monchique irão receber a visita de Marcelo, que aproveitará para tirar uma selfie e distribuir abraços…

Por onde anda Mário Nogueira?

Provavelmente tolera a Costa o que considerou intolerável a Passos, ou já se teria indignado…

A infernal máquina de propaganda do PS

Não deixa créditos em mãos alheias. A notícia tem 10 meses, vem agora à tona para desviar atenções da CGD e aliviar a pressão sobre Centeno e A. Costa…

Poucochinho governo, algumas trapalhadas e muita aldrabice…

António Costa personifica o que de pior existe em política, o apego ao poder. Só assim é possível compreender o repto que lança ao PSD na entrevista ao Expresso, desafiando Passos para consensos políticos. Derrotado eleitoralmente em Outubro, o actual P.M. conseguiu sobreviver politicamente graças a um inédito acordo parlamentar com os partidos à esquerda do PS, cuja legitimidade não estou a contestar, mas colocou o governo de Portugal refém de corporações que parasitam o Estado, tornando-o ineficiente ou inoperante, garantindo assim o apoio do PCP, para além de ceder à agenda despesista, irresponsável e populista do BE.

Haverá quem discorde e não faltarão aí em baixo comentários discordando do que afirmo, é caso para dizer, daqui a uns meses veremos quem tinha razão, nestas matérias os números são como o algodão… [Read more…]

Multibanco fora de serviço

Obviamente que os Bancos irão passar o custo aos comerciantes que não esquecerão os consumidores finais. Esta medida tola faz parte do O.E. do (des)governo Costa, que inclui outras trapalhadas como o IVA da restauração, com uma sandes a pagar 6%, mas uma tosta já paga 23%… Um disparate que provocará o aumento das transacções em dinheiro vivo, facilitando a fuga ao fisco.

Refém das corporações que o sujeitam a um pesado caderno de encargos que afecta a despesa, António Costa para cumprir o sonho de ser primeiro-ministro sujeita os portugueses ao aumento dos impostos indirectos. Ainda bem que se virou a página da austeridade da direita, agora Portugal fica apenas com a austeridade de esquerda…